Jardim histórico: Cadê o comitê gestor?

Há alguns dias, a Prefeitura anunciou a criação de comitê gestor para gerir os jardins históricos assinados por Roberto Burle Marx (1909-1994), um dos mais importantes paisagistas do mundo. E o primeiro local a ganhar a iniciativa é a Praça Faria Neves, que fica no bucólico bairro de Dois Irmãos, Zona Norte do Recife. Por ficar em frente ao zoológico, é ums das mais movimentadas do Recife. Em tempos comuns, suas calçadas viram pista para pôneis e o gramado chega a ser usado para piquenique, atividades que deixam para trás muita sujeira: fezes de animais, quentinhas, palitos de churrasquinho, embalagens plásticas. Coisas da falta de educação doméstica mesmo.

Com a pandemia, a Praça respirou mais um pouco. Com a ajuda do inverno, parte do gramado se recompôs. Pela manhã, é possível observar-se, ali, grupos de empresas privadas reunindo funcionários para treinamento de trabalhadores. Atitude que considero saudável, pois deve ser muito bom discutir assuntos profissionais sob a sombra das árvores. A praça é adotada pelo Laboratório Farmacêutico de Pernambuco (Lafepe). Se não fosse, poderia estar em situação ainda pior. O Conselho Gestor precisa ficar de olho em árvores que foram eliminadas e que não tiveram reposição ali. Tanto na  própria praça, quanto no entorno. E também a quiosques que nem de longe lembram pontos de vida dignos deste nome.

Já que é um jardim histórico, merece respeito não só a praça, como todo o entorno, onde há construções antigas e preservadas, a exuberante vegetação da Mata Atlântica por perto. Mas também  tem “quiosques” improvisados para venda de alimentos e brinquedos que mais parecem chiqueiros. Eles já não eram bonitos antes. Com o abandono provocado pela pandemia, até parecem um monte de entulhos. E, como se sabe, um entulho chama outro. Se ninguém correr, daqui a pouco a Faria Neves vai parecer um lixão, como ocorre com outras praças tão ou menos famosas quanto aquela. Ao todo, a praça possui 8.600 metros quadrados e o projeto de Burle Marx é datado de 1958. Ela conta até com uma estátua do paisagista.

Possui bancos sinuosos – uma das marcas do artista – e árvores como jambeiros, pau-rei, abricó-de-macaco, palmeiras, coqueiros e até um baobá. E também uma  palmeira imperial  famosa, com estirpe único, mas bifurcada (coisa rara), e por esse motivo é protegida por lei municipal. Os canteiros são coloridos pelas flores de cana-da-índia. A última grande reforma ali aconteceu em 2006, com restauração promovida pela Prefeitura com coordenação do Laboratório de Paisagem da Universidade Federal de Pernambuco e apoio dos moradores. Aliás, se não fosse esse grupo da Ufpe, a situação dos jardins históricos de Burle Marx seria ainda pior. E a Prefeitura e o comitê gestor deveriam aproveitar o momento – sem frequência  devido à pandemia – para dar um freio de arrumação na Faria Neves. Porque linda, ela é. Só precisa de trato.

Leia também:
Comitê gestor para jardins históricos

Parem de derrubar árvores (41)
Detonados, jardins históricos têm apoio
Praça da Várzea passa por reforma depois de longo abandono
Livro mostra jardins históricos do Recife
Caminhada abre Semana Burle Marx
Trilhas ecológicas lembram Burle Marx
Sessão Recife Nostalgia: Quando a Praça do Derby era um hipódromo
Burle Marx em discussão na Ufpe
Burle Marx nas caminhadas de domingo
Burle Marx, maçonaria e boemia no Olha! Recife
Praças estão à míngua no Recife
Mercado da Madalena e Praça Solange Pinto exigem mais cuidado
Praça do Arsenal de fonte luminosa
Cadê o gramado da Praça do Arsenal
Praça da República sem gramado
Histórica, Praça Maciel Pinheiro vive a decadência
Decadência na Praça da Independência
Praça Dezessete está abandonada
Praça Dom Vital parece um ninho de rato
Praça Dom Vital de roupa nova

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.