O “Cavaleiro das Américas” : Viagem de 25.000 quilômetros a cavalo

Tem gente que empreende longas viagens, de barco, de carro, de moto, de bike. Mas Filipe Massetti Leite preferiu um meio de transporte bem antigo, utilizado nos tempos de expedições dos nossos colonizadores: o cavalo. Em julho deste ano, ele tornou-se o primeiro brasileiro a percorrer a América cavalgando, em longa travessia por doze países. Ao todo, foram 25 mil quilômetros, de Ushuaia (Argentina) até Fairbanks (no Alasca). Tudo isso para realizar um sonho de infância. Haja coragem. E aventura…

A jornada se dividiu em três viagens. Na primeira, de Calgary (Canadá) a Barretos (Brasil), ele percorreu 16 mil quilômetros. Na segunda, de Barretos a Ushuaia (na Argentina) foram cerca de 7,5 mil quilômetros. E a última e mais recente, de Fairbanks (no Alasca) a Calgary (no Canadá), teve 3,5 mil quilômetros percorridos. Na aventura, ele e seus cavalos enfrentaram inúmeros desafios: animais selvagens, temperaturas diversas entre calor intenso e frio abaixo de 15 graus negativos, cartéis de drogas, estradas completamente vazias, desertos, rios, montanhas, neve, florestas. E, claro, muitos imprevistos.

A primeira jornada se tornou um livro chamado Cavaleiro das Américas, publicado pela editora HarperCollins Brasil. A obra, que virou best seller, ficou por mais de 13 semanas na lista de livros de não ficção mais vendidos no país. E, para quem não leu, pode ser uma leitura agradável e divertida, nesses tempos de isolamento social, de afastamento de passeios, excursões e até trilhas em meio à natureza.  Então, vamos viajar pelas páginas. Além do livro, a empreitada vai render dois filmes, sendo  um documentário, com previsão de lançamento para 2021. Essa obra também foi publicada em inglês pela editora Ex Parte Press, do Canadá. Já a segunda jornada foi contada no segundo livro, publicado em inglês, pela mesma editora, neste ano. Ambos ficaram na lista de obras mais vendidas no Canadá.

O sonho de percorrer a América a cavalo vem desde criança quando o brasileiro escutava do pai a história quase mítica de um homem que cavalgou da Argentina até Nova York para provar que os crioulos são os cavalos mais resistentes do mundo. As cenas dessa odisseia eram narradas de geração em geração na família de Filipe até que, já adulto, ele descobriu o homem real por trás de seu herói: o professor suíço Aime Tschiffely, que realizou essa jornada na década de 1920. Inspirado pela ousadia e determinação dele, Filipe nunca se esqueceu do sonho de menino de fazer a sua própria expedição.

Filipe Masetti Leite é jornalista, escritor, palestrante, caubói e aventureiro. Formado em jornalismo pela Ryverson University de Toronto, ele já fez trabalhos para a TV Omni, a rádio CBC e Globo Internacional. É escritor e autor do livro “Cavaleiro das Américas”, que narra detalhes da primeira viagem de Filipe de Calgary, no Canadá, a Barretos, em São Paulo. O segundo livro, que narra a segunda viagem, de Barretos, em São Paulo, a Ushuaia, na Argentina, foi publicado em inglês no Canadá, e em breve deve ser publicado em português, Embaixador do Calgary Stampede, um dos maiores rodeios do mundo, Filipe foi homenageado com duas estátuas para celebrar a jornada, uma em Barretos e outra em Londrina. O primeiro par de botas usadas na primeira viagem está exposto no museu Bata Shoe Museum, em Toronto, no Canadá. Com a jornada, ele também já ajudou a arrecadar mais de 60 mil reais em doações para o Hospital de Câncer de Barretos, em que ele é voluntário. Filipe também roda o Brasil dando palestras em escolas e outras instituições.

Leia também:
“Se eu soubesse escrever”
Embaixadora tem livro premiado
Livro “Vozes do Brasil” na Passa Disco
Histórias de Burkina Faso com François
Entre Boa Viagem e a África
A história de Daniel
Pandemia: livros para ficar em casa
Intimidade com a natureza em Alter do Chão
O casarão do Barão de Santarém
Santarém além do Rio Tapajós
O barco xará que achei em Santarém
Trilhas ecológicas lembram Burle Marx
O paraíso deve ser aqui
No Dia da Amazônia, viva à natureza
Ufpe terá trilha ecológica dos baobás

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.