O “leito” de vidro do Rio Capibaribe

Essa vegetação fica às margens do Capibaribe, à altura do bairro de Apipucos, área onde – segundo Gilberto Freyre – o nosso “cão sem plumas” corre de forma mais sinuosa. Livros antigos retratam com romantismo as relações que a população do Recife tinha com o seu rio nos séculos passados, principalmente entre o  18 e o início do 19. Naquela época, as classes mais abastadas utilizavam bairros ribeirinhos como Várzea, Monteiro e Poço da Panela como estações de veraneio.  Autores como o próprio Freyre, Mário Sette e Carneiro Vilela  citam suas então águas cristalinas e até os banhos noturnos, que amenizavam o calor das noites de verão.

Por que estou lembrando disso? Vejam só as duas primeiras fotos desse post.  Parece até que as nuvens estão se refletindo em águas limpas, não é mesmo? Recolhi esta cena durante caminhada à altura do Parque Apipucos, que fica vizinho ao Condomínio Reserva Apipucos, defronte do Açude.  Quando caminho, costumo fazer uns percursos obrigatórios. E um deles é ir até à beira do rio, quando há uma rua que lhe dê acesso. Pois ao fazer isso, me defrontei com um pedaço do vidro do tamanho de uma porta, jogado bem ali, por onde o rio passa.

O que não chega a ser novidade, pois no rio se atira de tudo: metralhas, móveis, capacetes de moto, latrinas, animais mortos, milhões de garrafas plásticas, como a gente tem observado durante as campanhas de limpeza do Capibaribe. Dá pena mesmo ver o rio relegado à condição de esgoto e lixão. Essa cultura de tratar o Capibaribe de costas, como se fosse chiqueiro do fundo de quintal precisa acabar. Tanto no poder público quanto por parte da iniciativa privada.

Não é segredo, e todo mundo sabe disso, que um dos elementos que sufoca o rio é o despejo de esgoto doméstico. O que não surpreende, em um estado onde não há uma só cidade 100 por cento saneada e cuja capital só oferta o serviço de saneamento para 30 por cento da população. O resto é falta de educação doméstica mesmo. Entre pobres e ricos. Esse pedaço de vidro, por exemplo, estava jogado atrás daquele condomínio, habitado por famílias de classe média alta.  E o rio vai ser tratado como lixo também por seus moradores?

Fiquei me fazendo esta pergunta. Ao chegar em casa,  só pensava na irresponsabilidade das pessoas com a natureza. E também com  outras pessoas, pois um vidro jogado no meio do mato ou na água do rio, é meio caminho andado para um acidente feio. No dia seguinte, comentei o absurdo com Wanda, que trabalha na minha casa há cinco anos. Ela animou-se. Precisava de um vidro do tamanho do que eu vira. Eu, ela e meu filho Thiago fomos lá buscar no dia seguinte. Era um pedaço grande, e provavelmente bem pesado só para mim e Wanda. Mas alguém já o tinha levado para alívio do rio e frustração da cozinheira, que já estava animada com os trocados que ia economizar.  Era um  vidro inteiro, dava realmente para tirar bom proveito. Agora… se pega essa moda de jogar lixo do Condomínio naquele local,  a situação do Capibaribe vai ficar pior ainda, na área onde suas margens não chegam a ser exatamente um primor de limpeza.

Veja o quanto é lindo o Rio Capibaribe, no meio do mangueza e de outras vegetações de suas margens:

 

Leia também:
Recife, mangue e Aldeões Guaiás
A Serra Pelada de Sinha é só riqueza
Barco solar para o Rio Capibaribe
Não jogue eletrônicos no Rio Capibaribe
Capibaribe passa por limpeza na Aurora
Rio ganha faxina no Cais da Alfândega
Rio com lixo para turista ver
Rio Capibaribe ganha ação de limpeza: trabalho mensal devia ser diário
Barco recolheu 55 toneladas de lixo no Capibaribe em 2016
Vamos limpar o Rio Capibaribe 
Capibaribe ganha nova área de contemplação para combater o lixo
Capibaribe: novo centro de convivência
Ex rios, canais viram esgotos a céu aberto
Detonadas as margens do Capibaribe
Lixo tem dia de pescaria no Capibaribe
Barco solar para o Capibaribe
Não jogue eletrônicos no Capibaribe
Capibaribe: lixo é rua sem saída
Quanto mais se tira lixo, mais aparece
Resíduos deixados no manguezal são como garrote na veia: gangrenam o corpo
Sábado tem Há Gosto pelo Capibaribe
Vaquinha para limpar o Capibaribe
Emlurb limpa rio e tartaruga luta para sobreviver no lixo do rio

Texto, fotos e vídeo: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.