Artur é professor nota 1000: Leva educação pública de bike e na mochila

“Se essa pandemia tivesse ocorrido há três ou cinco anos atrás, eu estaria em situação tão difícil quanto eles”. Foi com esse pensamento, e se imaginando no lugar dos estudantes mais carentes, que o Professor Arthur do Nascimento Cabral, 29, tomou a decisão que faz toda a diferença. Tudo para não deixar seus alunos privados do direito à educação. Às sextas, monta na sua bicicleta e percorre três bairros do município de Camaragibe, para entregar as tarefas escolares a estudantes da Escola de Referência Deputado Oscar Carneiro,  que não têm acesso a aulas virtuais. Arthur está há dois anos na rede pública estadual, que está sem aulas presenciais devido ao coronavírus. De bike, leva as aulas na mochila. De casa em casa.

Ao todo, ele tem 222 alunos, distribuídos em seis turmas, da sexta e sétima séries. Com o isolamento social, as aulas passaram a ser virtuais. Mas 20 deles desapareceram. Não davam sinal de vida. Preocupado, o professor indagou aos seus colegas se os estudantes também estavam ausentes das aulas remotas de outras disciplinas. Estavam. Decidiu, então, visitá-los. E descobriu que os aparentemente omissos, na verdade, não tinham meios para acompanhar as aulas pela Internet. Percorreu os endereços – por ladeiras, becos, vielas, escadarias – com a ajuda de um líder comunitário, Jorge Doda – que lhe mostrou as ruelas tortuosas e de acesso tão difícil. Desde então, assumiu a missão de levar educação em domicílio.

De bike, Arthur entrega as tarefas de seus alunos em domicílio, para que não fiquem sem estudar durante a pandemia.

Descoberto o problema e desvendados os caminhos, Arthur partiu para a luta. Como a escola estava fechada por conta da necessidade de isolamento social, encontrou quem o ajudasse na impressão de tarefas e na doação de envelopes para acondicionar lições e exercícios das crianças. Depois, foi a própria escola que  passou a colaborar. E Arthur ampliou a oferta de conhecimentos para os alunos, levando tarefas de todas as matérias para os estudantes. “Como estamos em pandemia, não trago tudo de volta para evitar contaminação, mas as dúvidas das minhas matérias tiro com eles, em domicílio mesmo”, diz. “Felizmente têm sido poucas, e pelo que percebo, estão aproveitando essa oportunidade muito bem”, afirma, satisfeito.

Mas a atitude não fica só nisso não. Pacientemente, Artur pede aos alunos que anotem as dúvidas, para que ele as tire com os responsáveis por cada disciplina. Assim, ninguém fica sem assistência. Bonito, não é? Enquanto as universidades públicas – com tantos doutores – não arranjaram uma alternativa de manter as aulas durante a pandemia, tem gente como Arthur que, quase sozinho, fez a sua parte.  No interior do Ceará, teve professor que passou a dar aula pelo rádio. É que as crianças não tinham Internet em casa, mas um radiozinho de pilha, todo mundo possui. Deu certo. Com a iniciativa de Artur, os 20 alunos que não tinham como ter acesso às aulas virtuais, não estão mais desassistidos. Agora, Arthur conta com um parceiro.  Seu colega e também professor Diógenes Sampaio (de educação física) resolveu se engajar à luta. “Na última sexta-feira, ele me ajudou na entrega desses materiais, foi muito importante”.

Artur sabe o valor da educação. E quanto é grande o sacrifício das famílias carentes, para que seus filhos não se transformem nos excluídos de amanhã. “Minha mãe criou dois filhos, eu e uma irmã, com o salário de cobradora de ônibus”, comenta. “Sei o quanto é difícil, mas mesmo assim concluímos nossos estudos. Minha irmã formou-se em Terapia Ocupacional, e eu fiz Licenciatura em Ciências Biológicas e também Mestrado em Biologia”. O Professor passou sua vida de estudante no ensino público. Ele mora no bairro da Várzea (Recife). E pedala oito quilômetros até o município de Camaragibe, vizinho à capital. Lá, vai a 20 residências nos bairros de Vila da Fábrica, Tabatinga e Aldeia de Baixo, onde moram os alunos mais carentes. A jornada pelo direito à educação dura umas quatro horas. Merece um prêmio!

Ainda não há data marcada para o retorno às aulas da rede pública. O que indica que Arthur terá muito o que pedalar, levando as tarefas dos seus alunos na mochila. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, nas últimas 24 horas foram confirmados 602 casos da Covid-19 e 24 óbitos provocados pela infecção em Pernambuco. Assim, o número oficial de pessoas infectadas no estado chega a 89.132, com o registro de 6.376 vidas perdidas para o novo coronavírus.

Leia também:
Mirtes, professora nota dez
A história de Daniel
“Criança Alfabetizada” dará premiação a Prefeitos
Alunos “derrubam” 70.000 concorrentes
Hortas orgânicas crescem nas escolas
A menina que salvava livros
 Na contramão do governo Bolsonaro
Matemática: 28 alunos premiados
Robótica: rede pública em destaque
Você tem fome de quê? De livros
A volta das cartas e dos postais
Robótica leva estudantes à Hungria
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Rede pública: a vez da robótica 
Escola pública representada no Peru

Estudantes de Escola Pública embarcam para Nova Iorque (Genius Olympiad)
Alunos de escola estadual em Bezerros desenvolvem aplicativo para Fenearte
Alunos fazem aplicativo para Fenearte 
Drama da Paixão: aplicativo para turistas
São João: estudantes criam aplicativo
Na contramão do governo Bolsonaro
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil

Pet vira barreira para reter lixo em canal

Alunos lançam livro na Bienal
Mustardinha: Ecobarreira vai ao Paraguai

Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os pequenos escritores do Recife

Livros artesanais são destaque em escolas públicas do Recife
Alunos fazem livros sobre 20 bairros
Livro em quadrinhos sobre Santo Amaro
Você tem fome de quê? De livros
Alunos derrubam 70.000 concorrentes
Mensagens positivas em muro de escola
Cultura negra valorizada na escola
Escola Cãndido Duarte luta contra o racismo ambiental

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Compartilhe

2 comentários

  1. Gente, que fantástico! Exemplo para toda uma nação!
    Como entrar em contato com ele para ajudar, ao menos um pouco, nessa luta?
    (Não encontrei no Facebook).

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.