O novo manto da “Flor do Carmelo”

A Imagem Peregrina de Nossa Senhora do Carmo – Flor do Carmelo, Padroeira do Recife – está de roupa nova. Mas infelizmente não circulará pelas ruas centrais da capital com o novo look. É que  ao contrário do que tradicionalmente ocorre há 324 anos, a festa que se encerra nessa quinta-feira (16/7) não terá sua tradicional procissão. Tudo por conta da pandemia. Para ver o novo manto da Santa, os fiéis terão que ocorrer à Igreja Ordem Terceira do Carmo, onde ela fica exposta à visitação. O templo é vizinho à Basílica do Carmo, no Pátio do Carmo, ali na Avenida Dantas Barreto, no Bairro de Santo Antônio, Centro.

O manto foi apresentado na noite da quarta-feira, durante a cerimônia conhecida como vésperas solenes. No momento final do ritual religioso, a imagem de Nossa Senhora do Carmo foi  conduzida até o altar central da Basílica, para receber o manto da edição 2020 do festejo. O manto novo foi inspirado na tradição carmelitana que traz a expressão Stella Maris, que quer dizer ‘Estrela do Mar’, e foi dita por São Simão Stock, então superior da Ordem do Carmo, quando ele teve uma visão de Nossa Senhora em 16 de julho de 1251 e a quem a Virgem Maria entregou o Escapulário.

Pela primeira vez, em 324 anos, a Festa de Nossa Senhora do Carmo se encerra sem a tradicional procissão. Santa será venerada na Igreja.

“Para a equipe idealizadora do manto, Nossa Senhora do Carmo é a estrela que orienta e conduz nas tempestades da vida, assim como a estrela do mar aparece para os marinheiros como sinal do fim das tempestades e guia para águas mais tranquilas”, informou a Ordem Terceirado Carmo. A vestimenta que reveste a imagem da “Flor do Carmelo” traz no centro uma pequena barca em meio ao mar tempestuoso e uma estrela que representa Nossa Senhora. Outras pequenas estrelas aparecem em todo o manto, simbolizando os carmelitas como transmissores da luz da Mãe de Cristo.

A peça em formato clássico foi bordada a fio (manualmente) com arabescos dourados, botões de flores prateados e pedrarias na cor azul, em cetim bucol veneziano pérola, com forro dourado. O manto foi confeccionado pelo designer de mantos, Fábio Ítalo e desenhada por André Phillipe Ralph, membro da Ordem Terceira do Carmo, com doação de Roberto Gomes de Andrade. Ao logo de todo o dia 16 de julho, a imagem ficará exposta com a nova vestimenta, para visitação ordenada das pessoas. Nesta quinta-feira (16), as missas são nos seguintes horários: 5h, 7h, e às 9h (a Santa Missa Solene de Encerramento com a presidência da cerimônia do arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido). Mais duas celebrações vão ocorrer à tarde, às 12h e 15h, finalizando assim a programação da Festa do Carmo 2020 neste ano atípico devido à pandemia do novo coronavírus.

Leia também:
Festa do Carmo terá “lives” de shows
#RecifeEmergênciaClimática (3), Covid e Festa do Carmo
Pandemia: Festa da Padroeira começa sem direito a procissão nem igreja cheia
Pandemia:  festa da padroeira sem procissão pela primeira vez em 324 anos
Pandemia:  Procissão de São Pedro sai sem cortejo, só com o andor
Procissão dos Santos Juninos: entre a esperança e a pandemia
Procissão dos Santos Juninos vai descer o Morro só como andor
Sinos novos na Basílica do Carmo
Sessão Recife Nostalgia: a coroação da Rainha do Recife
Silenciosa relíquia dos tempos de Nassau
Exposição conta a história da Rainha do Recife
O que há de inédito nessas fotos?
Procissão tem três tios elétricos
Festa religiosa movimenta o Recife
Com Hans, entre o barroco e o rococó
A menor igreja de Olinda?
Rua da Conceição e relíquias religiosas
Uma pérola na comunidade do Pilar
A Igreja sem história
Minha tarde no Olha! Recife (1)
Basílicas, palacetes, Brasília Teimosa
Pedra, mata e paz religiosa

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Festa do Carmo / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.