Pandemia: Festa da Padroeira começa sem direito a igreja cheia nem procissão

Sem direito a procissão nem a igreja cheia pela primeira vez em 324 anos – tudo por conta da pandemia – a Festa de Nossa Senhora do Carmo, padroeira do Recife tem início segunda-feira (6/7), a partir das sete da manhã, com a primeira celebração do dia. Mas a missa solene de abertura do novenário da Santa ocorrerá às 10h, seguida do hasteamento da Bandeira da Festa 2020 ornada com a imagem da Padroeira do Recife. As atividades religiosas vão seguir com mais duas missas, ao meio-dia e às 15h. Já às 19h, vai ser rezada a primeira noite do novenário.

As missas serão celebradas na Basílica do Carmo, que fica na Avenida Dantas Barreto, área central do Recife. A Arquidiocese de Olinda e Recife informa que todos os protocolos sanitários serão seguidos, para evitar contaminação pela Covid-19 entre os fiéis. E ao contrário do que sempre ocorre, o tempo não ficará superlotado de devotos, pois só receberá 30 por cento da capacidade. E o tema de 2020 não poderia ser mais oportuno, nesses tempos de pandemia: Senhora do Carmo, Saúde dos Enfermos, com o lema Oh! Mãe, cuida deste povo que é teu!. O estejo vai contar ações diferenciadas devido ao novo coronavírus, que trouxe impacto na estrutura da festa deste ano.

As Santas Missas vão ser rezadas até o dia 15 de julho às 7h, 10h, 12h e 15h. A celebração do novenário segue até o próximo dia 14 e a celebração da vésperas solenes no dia 15 próximo, sempre às 19h.No dia 16 de julho, data dedicada a Nossa Senhora do Carmo, padroeira do Recife e rainha de Pernambuco, as primeiras horas do dia vão ser rezadas duas missas, às 5h e 8h. A Santa Missa Solene de Encerramento vai ter a presidência do arcebispo da Arquidiocese de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, às 10h. Outras duas missas, às 13h e 16h, vão finalizar as cerimônias religiosas da Festa 2020.

Pela primeira vez em 324 anos de festividades em honra a ‘Flor do Carmelo’ não irá ocorrer a tradicional procissão com a imagem de Nossa Senhora do Carmo pelas vias próximas ao complexo do Carmo, composto pela Igreja da Ordem Terceira do Carmo, Basílica do Carmo e do Convento do Carmo., atendendo assim ao pedido da Arquidiocese de Olinda e Recife no tocante de evitar aglomerações, sendo essa uma das medidas de combate ao surto da Covid-19. Este ano a imagem peregrina de Nossa Senhora do Carmo vai ficar em cima de um altar que vai ser montado em frente à porta principal do templo, no dia 16 de julho.

Leia também:
Pandemia:  festa da padroeira sem procissão pela primeira vez em 324 anos
Pandemia:  Procissão de São Pedro sai sem cortejo, só com o andor
Procissão dos Santos Juninos: entre a esperança e a pandemia
Procissão dos Santos Juninos vai descer o Morro só como andor
Sinos novos na Basílica do Carmo
Sessão Recife Nostalgia: a coroação da Rainha do Recife
Silenciosa relíquia dos tempos de Nassau
Exposição conta a história da Rainha do Recife
O que há de inédito nessas fotos?
Procissão tem três tios elétricos
Festa religiosa movimenta o Recife
Com Hans, entre o barroco e o rococó
A menor igreja de Olinda?
Rua da Conceição e relíquias religiosas
Uma pérola na comunidade do Pilar
A Igreja sem história
Minha tarde no Olha! Recife (1)
Basílicas, palacetes, Brasília Teimosa
Pedra, mata e paz religiosa

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.