Flagrante no tráfico de pássaros

Manter animais silvestres em cativeiro é crime. Mas as pessoas parecem que ainda não se conscientizaram disso. E entre os mais disputados encontram-se os pássaros que, ainda hoje, são vistos com frequência engaiolados em casas, apartamentos e até em feiras e mercados públicos. A maior parte é provenientes do tráfico. Nos últimos três dias, a Agência Estadual do Meio Ambiente (Cprh) e a Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma) apreenderam 79 aves que estavam confinados ou que seriam ilegalmente comercializadas. As apreensões ocorreram na Região Metropolitana e no Interior de Pernambuco.

Entre as espécies confiscadas encontram-se canário-da-terra, papa-capim, caboclo, bigode, azulão, sabiá-golada, craúna, galo-de-campina, além de um papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva). O último é animal ameaçado de extinção. Das 79 aves, 54 foram apreendidos na Feira do Cordeiro, na Zona Oeste do Recife (é bom que a Cprh dê uma passadinha no Mercado da Madalena, onde também há comercialização de aves, principalmente nos finais de semana). Três veículos que transportavam as aves – incluindo um táxi – foram apreendidos na Região Metropolitana e enquadrados como objetos do crime, conforme prevê a Lei de Crimes Ambientais.

As outras 25 aves foram  resgatadas em residências  e estabelecimentos comerciais de Garanhuns (no Agreste) e Arcoverde (Sertão).  As multas aplicadas chegam, no total, a R$35 mil. E os responsáveis foram autuados por crime ambiental.  Alguns dos pássaros apreendidos, e em condições de soltura, foram liberados na caatinga, em Sertânia, município localizado a 316 quilômetros do Recife, e que fica no Sertão do Moxotó.

As aves restantes foram encaminhadas ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas Tangara), unidade que fica no Recife e que pertence à Cprh. No local, os pássaros receberão os cuidados de veterinários e biólogos, antes de serem reintroduzidos em seu ambiente natural.  Na mesma operação, foram apreendidos 85 guaiamuns por estarem fora dos padrões de comercialização.  Ou seja, foram capturados antes de desenvolverem capacidade reprodutiva. Eles tinham carapaças com menos de sete centímetros, e a proporção de fêmeas era maior do que o permitido. Os crustáceos, serão soltos na Área de Proteção Ambiental (APA) de Santa Cruz, em Itamaracá, na Região Metropolitana do Recife.

Leia também:
Aves liberadas no Sertão
Aves brasileiras são alvo de tráfico
Festival de Aves no Sul da Bahia
Abaixo as gaiolas: liberdade para as aves
Quase 6000 aves resgatadas em 2017
Aves cativas ganharão a liberdade
Pássaro na gaiola rende multa
O triste fim das arribaçãs na caatinga
Depois do tráfico, o repatriamento
Mais um bebê que cai do ninho 
O tempo bom do João-de-barro 
A Tim e o ninho tecnológico do carcará
Pássaros não merecem prisões
Salvo papagaio acuado por cachorros
“Dê cá o pé, meu louro”
Papagaio cativo: multa chega a R$ 5 mil
PM evita venda de papagaio bebê
Policial militar devolve papagaio
Aves brasileiras são alvo de tráfico
Papagaio passa 25 anos na gaiola
Temendo gavião, aposentada entrega papagaio de estimação
352 papagaios voltam à vida selvagem
Projeto Papagaio da Caatinga ganha reconhecimento internacional

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Cprh / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.