PE: Pandemia institui “delivery” de forró

Com o isolamento social provocado pela pandemia, até o São João teve que se reinventar  em Pernambuco, onde é a festa popular mais comemorada no Estado. E a segunda maior  do Recife, cidade em que só perde em animação para o carnaval. Sem direito a fogueira nem arraial, a população foi contemplada com “delivery” de forró, a grande novidade da edição 2020 dos festejos juninos, que brindou a população com apresentações itinerantes  de artistas como Maestro Forró, Lia (foto maior), Fim de Feira, Quinteto Violado, Cezzinha, Beto Hortiz, Ed Carlos, entre outros.

O  “delivery” de forró aconteceu no Recife e em algumas cidades do interior, como foi o caso de Jupi, município localizado na Região Agreste, a 196 quilômetros da capital pernambucana. No Recife, além de lives juninas, a Prefeitura viabilizou a Forrovioca, improvisando uma edição junina da Frevioca, muito popular no carnaval, quando transporta orquestras de frevo. Trata-se de ônibus com laterais vazadas, lembrando um bonde, e que é adaptado para transportar orquestras ou bandinhas, com altura e amplificação de som menores do que as de um trio elétrico.

Com dois veículos, a Forrovioca circulou pelo Recife, apresentando um total de 48 atrações, que percorreram vários bairros da cidade no mês de junho. Além dos shows móveis, foram realizadas duas grandes lives, a partir do Sítio Trindade, que é o arraial mais tradicional do Recife. Em 2020, não teve público. Mas os artistas Silvério Pessoa e Josildo Sá – os homenageados da festa – foram convocados para comandar duas grandes festas virtuais. A de hoje,  capitaneada por Josildo, acontece a partir das 19h, com vários convidados. Foram muitas outras transmissões virtuais, nas quais a Prefeitura calcula que  tenha efetivado um total de 420 apresentações no período junino.

Hoje, dia dedicado a São Pedro, em que se encerram os festejos juninos, tem mais “delivery” de forró. Serão percorridos dois roteiros: a Forrovioca 1 parte às 17h de Campo Grande devendo chegar até Linha do Tiro. Entre os artistas, Nena Queiroga, Maestro Forró e sua banda, Novinho da Paraíba e Luizinho da Serra. A Forrovioca 2 sai às 17h do Pina e vai até a Imbiribeira. Também tem quatro atrações: Gerlane Lops, Som da Terra, Fim de Feira e Bia Villa Chan (foto menor).  Cantora, compositora e multi-instrumentista Bia será a primeira artista a se apresentar, logo na saída da Forrovioca, em frente ao prédio da Superintendência Regional de Polícia Rodoviária Federal em Pernambuco, no Pina.  O primeiro destino da Forrovioca é a Pracinha de Boa Viagem, a partir das 17h, pela alça leste da Avenida Domingos Ferreira. Depois segue  até a Imbiribeira.

O show de Bia será transmitido ao vivo pelas redes sociais da artista.   A proposta da Forrovioca é levar música às casas das pessoas, mas sem a formação de aglomerações. Devido à crise sanitária, todos os instrumentistas e a equipe de produção estarão com máscaras. “Será um prazer levar um pouco da alegria, da cultura e da tradição do São João, características que devem ser preservadas e festejadas sempre”, diz a cantora. Ela  promete interpretar clássicos da música nordestina, como Feira de Mangaio, Onde tu tá neném e Anunciação.

Vejam que graça, o delivery de forró em Jupi, em imagens enviadas ao #OxeRecife:

Leia também:
Pandemia: Procissão de São Pedro sai sem cortejo, só com o andor
Sem fogueiras mas com toras clandestinas de madeira
Operação Fumaça Zero apreende toras
O forró virtual da pandemia
São João da pandemia vai ser comemorado das janelas
São João da pandemia e da resistência
Procissão dos Santos Juninos vai descer o Morro só com o andor
Procissão dos Santos Juninos: entre a esperança e a pandemia
O São João ambulante da pandemia
O grito dos bichos no balancê da pandemia
Olha pro céu meu amor… mas cuidado com a lenha da fogueira
Olha pro céu meu amor… em casa
O forró virtual da pandemia
Silvério Pessoa e Josildo Sá: o encontro do canavial com a caatinga
Banda Sinfônica lembra Jackson do Pandeiro com Josildo Sá no Santa Isabel
Danado de Bom no Santa Isabel
São João tem novos arraiais no Recife
Josildo Sá: forró, frevo e romantismo
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Missa do Vaqueiro: do Sertão ao Cais
Almério e Silvério Pessoa no Marco Zero
São João da pandemia e da resistência
São João sem fogos nem quadrilhas
Centenário de Jackson do Pandeiro tem festa na Passa Disco
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Procissão dos Santos Juninos
Acorda Povo em Campo Grande
Dia de procissão dos santos juninos
Linda, procissão das bandeiras é sábado
Capelinha de melão é de São João
Santo Antônio: casamenteiro, soldado, tenente e vereador cassado
A língua incorrupta de Santo Antônio
Forró no Sítio, Poço e Pátio de São Pedro
Quadrilha: luxo, brilho e resultados
Ecos do São João no Ibura
Último dia para ver as quadrilhas
Sexta de forró e desfile de bandeiras
Quadrilhas dão show no Sítio Trindade
Quadrilhas: luxo, brilho e resultados
Quadrilhas: do arraial ao palco
Cadê as quadrilhas tradicionais?
Caminhada do Forró e Festa do Fogo animam Bairro do Recife 
Olha! Recife tem ônibus com forró
“Eu amo minha rua”: Premiada via com homenagem a Jackson do Pandeiro
Acesso ao Sítio da Trindade: Estrada do Arraial só tem iluminação de um lado
Pensem, em 1964 já havia fake news: Bacamarteiros viraram “guerrilheiros”
Qual a origem dos bacamarteiros?

 

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Verner Brenan e Andrea Rego Barros / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.