Pandemia: Procissão de São Pedro sai sem cortejo, só com o andor

Tradicionalmente responsável pelo encerramento dos festejos juninos em Pernambuco, a Procissão de São Pedro acontece na segunda-feira (29/6) sem o clima festivo dos anos anteriores, devido à pandemia do novo coronavírus. O andor vai  fazer o  mesmo roteiro dos anos anteriores, porém sem os dois costumeiros cortejos. Ou seja, o Santo não será seguido em terra (a pé) nem pelo mar (de barcos). O Padroeiro dos Pescadores, infelizmente, fará sozinho o percurso religioso.  Mesmo assim, as celebrações têm início às 8h da manhã.

Em Brasília Teimosa, bairro fundado ao redor da Colônia Z1, a programação teve que ser adaptada, em função da Covid-19. A tradicional missa em devoção ao santo será celebrada na Capela de São Pedro, a partir das 8h, com transmissão virtual, para  que os fiéis possam participar da liturgia. Em seguida, o andor do santo seguirá em carro aberto pelo bairro até o Iate Clube, onde será embarcado e conduzido até a Boca da Barra, na altura do Marco Zero.

Os pescadores, que sempre enfileiram suas embarcações atrás do andor, para pedir pescaria farta, não poderão acompanhar a procissão, para evitar aglomeração. O arcebispo Dom Fernando Saburido celebrará a missa, que será transmitida também no Facebook da Arquidiocese de Olinda e Recife, informa Humberto Ferreira, seminarista responsável pela programação, realizada pela Capela de São Pedro. O endereço é o: www.facebook.com/arquidiocesedeolindaerecife. Em anos normais, a  Procissão de São Pedro é um dos mais frequentados festejos juninos do Recife.

Leia também:
Sem fogueiras mas com toras clandestinas de madeira
Operação Fumaça Zero apreende toras
O forró virtual da pandemia
São João da pandemia vai ser comemorado das janelas
São João da pandemia e da resistência
Procissão dos Santos Juninos vai descer o Morro só com o andor
Procissão dos Santos Juninos: entre a esperança e a pandemia
O São João ambulante da pandemia
O grito dos bichos no balancê da pandemia
Olha pro céu meu amor… mas cuidado com a lenha da fogueira
Olha pro céu meu amor… em casa
O forró virtual da pandemia
Silvério Pessoa e Josildo Sá: o encontro do canavial com a caatinga
Banda Sinfônica lembra Jackson do Pandeiro com Josildo Sá no Santa Isabel
Danado de Bom no Santa Isabel
São João tem novos arraiais no Recife
Josildo Sá: forró, frevo e romantismo
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Missa do Vaqueiro: do Sertão ao Cais
Almério e Silvério Pessoa no Marco Zero
São João da pandemia e da resistência
São João sem fogos nem quadrilhas
Centenário de Jackson do Pandeiro tem festa na Passa Disco
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Procissão dos Santos Juninos
Acorda Povo em Campo Grande
Dia de procissão dos santos juninos
Linda, procissão das bandeiras é sábado
Capelinha de melão é de São João
Santo Antônio: casamenteiro, soldado, tenente e vereador cassado
A língua incorrupta de Santo Antônio
Forró no Sítio, Poço e Pátio de São Pedro
Quadrilha: luxo, brilho e resultados
Ecos do São João no Ibura
Último dia para ver as quadrilhas
Sexta de forró e desfile de bandeiras
Quadrilhas dão show no Sítio Trindade
Quadrilhas: luxo, brilho e resultados
Quadrilhas: do arraial ao palco
Cadê as quadrilhas tradicionais?
Caminhada do Forró e Festa do Fogo animam Bairro do Recife 
Olha! Recife tem ônibus com forró
“Eu amo minha rua”: Premiada via com homenagem a Jackson do Pandeiro
Acesso ao Sítio da Trindade: Estrada do Arraial só tem iluminação de um lado
Pensem, em 1964 já havia fake news: Bacamarteiros viraram “guerrilheiros”
Qual a origem dos bacamarteiros?

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Andréa Rego Barros / Divulgação / PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.