Ciclofaixa de São Pedro tem quadrilhas e mascarados nesse sábado

Sem direito a fogos, fogueiras, quadrilhas nem arraiais, a população do Recife tem um jeito de cair no clima junino. É que a Ciclofaixa de Turismo e Lazer funciona em caráter extraordinário, nesse sábado (27/06). E em clima de São João. Ou melhor, de São Pedro, já que o santo é festejado no final de semana. Mas o roteiro das pedaladas não será comum: é que quadrilhas juninas do Recife foram convocadas para participar dos passeios nas ciclofaixas, com seus “matutos” e “matutas” totalmente caracterizados. Pelo menos, é o que promete a Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer do Recife. Ou seja, mais um São João itinerante na cidade, cujas ruas vem sendo percorridas pela Forrovioca, já que não há como se pensar em festas populares, nesses tempos de pandemia.

Mas atenção, o horário do sábado não será o mesmo praticado aos domingos, quando a ciclofaixa funciona tradicionalmente. A Ciclofaixa estará montada hoje, das 15h às 21h. No domingo, no entanto, o funcionamento volta ao horário normal, das 7h às 16h. Interrompido durante a quarentena imposta por conta da pandemia, o percurso semanal exclusivo para bicicletas voltou a ser montado com trecho oito quilômetros mais longo.

Quem for usar a ciclofaixa, vai perceber que agora ela tem 160 quilômetros de extensão. O retorno ao serviço ocorreu no final de semana passado, quando começaram a ser relaxadas algumas restrições anteriormente adotadas, devido à Covid-19. “Esta edição extra foi criada para que as pessoas tenham mais essa opção de lazer, também à noite. Queremos que as pessoas voltem a vivenciar os nossos espaços públicos, mas é importante reforçar os cuidados básicos de higiene e o uso de máscara, que segue obrigatório para que a gente siga combatendo a pandemia”, diz a titular da Seturel,  Ana Paula Vilaça. Os ciclistas devem lembrar, no entanto, que o uso de máscaras é obrigatório, e que devem usar o adereço em todos os percursos.

Além da ciclofaixa, já estão reabertos espaços públicos para prática de atividades físicas individuais (caminhadas, corridas e ciclismo). Na praia, continua proibida a instalação de barracas, guarda-sol, cadeira, caixa térmica, consumo de alimentos e comércio, como também estão proibidas aglomerações. No Recife, no entanto, o maior risco de transmissão do novo coronavírus permanece no transporte coletivo, que vêm circulando lotados pelas ruas da cidade.

Leia também:
Ciclofaixa de lazer e turismo do Recife recomeça a funcionar
O São João ambulante da pandemia
São João vai ser comemorado da janela com a Forrovioca
Procissão dos Santos Juninos: entre a esperança e a pandemia
Procissão dos Santos Juninos vai descer o Morro só com o andor
O forró virtual da pandemia
Silvério Pessoa e Josildo Sá: o encontro do canavial com a caatinga
Banda Sinfônica lembra Jackson do Pandeiro com Josildo Sá no Santa Isabel
Danado de Bom no Santa Isabel
São João tem novos arraiais no Recife
Josildo Sá: forró, frevo e romantismo
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Missa do Vaqueiro: do Sertão ao Cais
Almério e Silvério Pessoa no Marco Zero
São João da pandemia e da resistência
São João sem fogos nem quadrilhas
Centenário de Jackson do Pandeiro tem festa na Passa Disco
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Procissão dos Santos Juninos
Acorda Povo em Campo Grande
Dia de procissão dos santos juninos
Linda, procissão das bandeiras é sábado
Capelinha de melão é de São João
Santo Antônio: casamenteiro, soldado, tenente e vereador cassado
A língua incorrupta de Santo Antônio
Forró no Sítio, Poço e Pátio de São Pedro
Quadrilha: luxo, brilho e resultados
Ecos do São João no Ibura
Último dia para ver as quadrilhas
Sexta de forró e desfile de bandeiras
Quadrilhas dão show no Sítio Trindade
Quadrilhas: luxo, brilho e resultados
Quadrilhas: do arraial ao palco
Cadê as quadrilhas tradicionais?
Caminhada do Forró e Festa do Fogo animam Bairro do Recife 
Olha! Recife tem ônibus com forró
“Eu amo minha rua”: Premiada via com homenagem a Jackson do Pandeiro
Acesso ao Sítio da Trindade: Estrada do Arraial só tem iluminação de um lado
Pensem, em 1964 já havia fake news: Bacamarteiros viraram “guerrilheiros”
Qual a origem dos bacamarteiros?

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Andréa Rego Barros/  Divulgação / PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.