Procissão dos Santos Juninos vai descer o Morro da Conceição só com o andor

Uma das mais singelas manifestações  da época, a Procissão dos Santos Juninos movimenta a Zona Norte todos os anos, arrastando seu cortejo de quadrilhas, bandeiras, bacamarteiros, grupos de forró pé de serra e forriovioca entre o Morro da Conceição ( local da saída) e o Sítio Trindade (onde as bandeiras dos santos são colocadas em volta dos andores). Antes de fazer o percurso pelas ruas de Casa Amarela, na Zona Norte do Recife, acontecem vários rituais no Santuário de Nossa Senhora da Conceição. Depois, milhares de pessoas descem as ladeiras, cantando e dançando, festejando São João, São Pedro e Santo Antônio. Eu inclusive costumo marcar presença, nunca deixo de ir. Mas em 2020, terei de ficar em casa, ficar longe de multidão, como manda o bom senso.

No ano passado, quem “puxou” os cânticos religiosos no interior do santuário foi o forrozeiro Josildo Sá, que entoou inclusive a célebre Ave Maria Sertaneja (de Luiz Gonzaga). É uma cerimônia muito bonita que, com certeza,  vai fazer falta nesse mês de junho. Ao vivo, é simplesmente imperdível. Com a pandemia,   a procissão será apenas virtual.  E reduzidíssima, para evitar aglomeração nesses tempos de pandemia. Nessa terça, 23/6, haverá celebração no Santuário do Morro da Conceição, a partir das 18h, que será conduzida pelo padre Luiz Rodrigues e transmitida pela internert. Adaptando-se  a liturgia da tradicional Procissão dos Santos Juninos, as bandeiras serão posicionadas no altar do Santuário durante a  cerimônia, ao contrário do que ocorre em épocas sem coronavírus, quando elas são colocadas junto ao andor, na chegada ao Sítio Trindade. Para você não perder nenhum lance, a cerimônia religiosa será captada por seis câmeras.

A cerimônia será transmitida  ao vivo. Você pode participar acessando as seguintes redes transmitida no Facebook do São João da Prefeitura do Recife (www.facebook.com/saojoaodorecife) e em todas as redes sociais do Santuário: no Facebook (www.facebook.com/santuariomorrodaconceicao), no Instagram (www.instagram.com/santuariomorrodaconceicao) e no YouTube (https://www.youtube.com/channel/UC-4cAsnCvXooKdmLYvNMMpg).

“Essa época que estamos vivendo mexe com todo nosso sistema simbólico e religioso. Nossa ideia de sociedade, de humanidade e de sagrado, tudo está se transformando. Estamos sendo convidados pelo universo a rever nosso ritmo e nosso estilo de vida frenético. Precisamos parar e pensar: para onde queremos ir agora? Até o que entendemos por festa e tradição precisa ser reaprendido”, diz o padre Luiz Rodrigues.

Do Santuário, o andor dos Santos Juninos descerá o Morro para ser levado, da Rua da Harmonia até o Sítio Trindade, em carro aberto, acompanhado pela Forrovioca. Não haverá o tradicional cortejo com as quadrilhas e grupos folclóricos. Infelizmente. Mas é o jeito. Do Sítio Trindade, a Forrovioca parte para animar a cidade. Mas não leva todo o forró embora. A festa finca pé no Sítio, onde a noite será de muito forró virtual, animada por Silvério Pessoa e seus convidados.

Leia também:
O forró virtual da pandemia
Silvério Pessoa e Josildo Sá: o encontro do canavial com a caatinga
Banda Sinfônica lembra Jackson do Pandeiro com Josildo Sá no Santa Isabel
Danado de Bom no Santa Isabel
São João tem novos arraiais no Recife
Josildo Sá: forró, frevo e romantismo
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Missa do Vaqueiro: do Sertão ao Cais
Almério e Silvério Pessoa no Marco Zero
São João da pandemia e da resistência
São João sem fogos nem quadrilhas
Centenário de Jackson do Pandeiro tem festa na Passa Disco
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Procissão dos Santos Juninos
Acorda Povo em Campo Grande
Dia de procissão dos santos juninos
Linda, procissão das bandeiras é sábado
Capelinha de melão é de São João
Santo Antônio: casamenteiro, soldado, tenente e vereador cassado
A língua incorrupta de Santo Antônio
Forró no Sítio, Poço e Pátio de São Pedro
Quadrilha: luxo, brilho e resultados
Ecos do São João no Ibura
Último dia para ver as quadrilhas
Sexta de forró e desfile de bandeiras
Quadrilhas dão show no Sítio Trindade
Quadrilhas: luxo, brilho e resultados
Quadrilhas: do arraial ao palco
Cadê as quadrilhas tradicionais?
Caminhada do Forró e Festa do Fogo animam Bairro do Recife 
Olha! Recife tem ônibus com forró
“Eu amo minha rua”: Premiada via com homenagem a Jackson do Pandeiro
Acesso ao Sítio da Trindade: Estrada do Arraial só tem iluminação de um lado
Pensem, em 1964 já havia fake news: Bacamarteiros viraram “guerrilheiros”
Qual a origem dos bacamarteiros?

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Andréa Rego Barros / Divulgação / PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.