Operação Fumaça Zero apreende toras de madeira ilegal no Grande Recife

Tradição secular no Brasil, principalmente no Nordeste, as fogueiras estão proibidas em Pernambuco, em 2020. Hoje, véspera de São João, elas fariam a festa nos arraiais, durante a exibição de quadrilhas e reunindo famílias em sua volta, para o milho assado. Por conta da pandemia, as fogueiras devem ser evitadas, para que sua fumaça não provoque problemas respiratórios, principalmente entre pacientes da Covid-19, alguns dos quais precisam até de “pulmões” artificiais.

Para evitar a venda de lenhas de fogueira, a Agência Estadual do Meio Ambiente (Cprh) deflagrou a Operação Fumaça Zero, visitando municípios da Região Metropolitana. Apesar da proibição, foram encontrados pontos de comercialização de madeira em cidades como Moreno e Camaragibe. Como diz a gíria, a fiscalização atirou no que viu e matou o que não viu. É que, em uma serraria, encontrou madeira de origem clandestina, retirada de árvores de matas nativas, o que é proibido.

A madeira nativa ilegal foi encontrada em serraria, na cidade de Moreno, a 32 quilômetros do Recife. A empresa sofreu embargo e multa de R$ 7.700. E também teve quatro máquinas e 154 toras apreendidas.  Hoje foi apreendido no mesmo município, um caminhão com 160 toras, provenientes de árvores nativas. Ou seja, de extração clandestina e criminosa. Em Camaragibe – também no Grande Recife – foi observado um ponto de comercialização de lenha, que já havia sido notificado pela Prefeitura. Até havia uma fogueira armada. Mas os donos do ponto de venda foram orientados para que não fizessem a queima e aconselhados a guardar o material.   A Operação Fumaça Zero vem sendo desenvolvida em conjunto com a Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma).

Segundo a Cprh, as equipes que foram às ruas no dia 22, prolongam a fiscalização nos dias 23, 27 e 28,  para coibir e evitar a venda de lenha. A ação percorrerá municípios onde foi decretada a proibição de queima de fogueiras.  “A Operação Fumaça  Zero pretende minimizar os danos causados por fogueiras, que muitas vezes utilizam recursos florestais da mata nativa, provocando poluição atmosférica, soltando partículas no ar”, afirma Silvana Valdevino, Coordenadora de Fiscalização Ambiental da Cprh. Lembra que em 2020, além do prejuízo à natureza, a população tem outro motivo, para não acender  a fogueira: “Estamos vivendo um momento diferente, devido ao coronavírus”

Leia também:
O grito dos bichos no balancê da pandemia
Olha pro céu meu amor… mas cuidado com a lenha da fogueira
Olha pro céu meu amor… em casa
O forró virtual da pandemia
Silvério Pessoa e Josildo Sá: o encontro do canavial com a caatinga
Banda Sinfônica lembra Jackson do Pandeiro com Josildo Sá no Santa Isabel
Danado de Bom no Santa Isabel
São João tem novos arraiais no Recife
Josildo Sá: forró, frevo e romantismo
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Missa do Vaqueiro: do Sertão ao Cais
Almério e Silvério Pessoa no Marco Zero
São João da pandemia e da resistência
São João sem fogos nem quadrilhas
Centenário de Jackson do Pandeiro tem festa na Passa Disco
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Procissão dos Santos Juninos
Acorda Povo em Campo Grande
Dia de procissão dos santos juninos
Linda, procissão das bandeiras é sábado
Capelinha de melão é de São João
Santo Antônio: casamenteiro, soldado, tenente e vereador cassado
A língua incorrupta de Santo Antônio
Forró no Sítio, Poço e Pátio de São Pedro
Quadrilha: luxo, brilho e resultados
Ecos do São João no Ibura
Último dia para ver as quadrilhas
Sexta de forró e desfile de bandeiras
Quadrilhas dão show no Sítio Trindade
Quadrilhas: luxo, brilho e resultados
Quadrilhas: do arraial ao palco
Cadê as quadrilhas tradicionais?
Caminhada do Forró e Festa do Fogo animam Bairro do Recife 
Olha! Recife tem ônibus com forró
“Eu amo minha rua”: Premiada via com homenagem a Jackson do Pandeiro
Acesso ao Sítio da Trindade: Estrada do Arraial só tem iluminação de um lado
Pensem, em 1964 já havia fake news: Bacamarteiros viraram “guerrilheiros”
Qual a origem dos bacamarteiros?

Texto: Letícia Lins /#OxeRecife
Fotos: Cprh /Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.