Silvério Pessoa e Josildo Sá, o encontro do canavial com a caatinga

O São João de 2020 será diferente de todos que passaram. Não haverá fogueiras, fogos nem quadrilhas com os arraiais iluminados e enfeitados com bandeirinhas coloridas. É que a pandemia restringiu a grande festa popular do Nordeste ao mundo virtual no Recife,  onde 378 shows serão transmitidos pela Internet, durante o  período junino. Este ano, os homenageados da “festa” são dois: Josildo Sá e Silvério Pessoa. Com carreiras inteiramente dedicadas aos ritmos regionais, eles vieram de áreas diferentes de Pernambuco: Josildo Sá é sertanejo do município de Floresta,   mas passou a infância em Tacaratu, ouvindo os sons da caatinga. E Silvério Pessoa é de Carpina, Zona da Mata, com paisagem marcada pelo verde dos canaviais.

Josildo Sá iniciou a carreira nos anos 1990. Desde então,  o cantor e compositor, que tem 8 CDs e 2 DVDs lançados, sagrou-se um dos principais nomes do autêntico forró nordestino contemporâneo. Tem raízes profundas no baião, no xote e no coco, heranças de seu pai Agostinho do Acordeon. Há 16 anos, ele canta as Rezas de Sol, na Missa do Vaqueiro, que acontece anualmente no município de Serrita, no Sertão de Pernambuco.  Também rodou por várias partes do país, sendo indicado duas vezes como melhor cantor regional do Brasil no Prêmio da Música Brasileira com seu Samba de Latada. E não costuma andar só. Já teve como parceiros o Maestro Paulo Moura, Zé Brown, João Donato e Leo Gandelman, além de José Milton e dos maestros Formiga e Edson Rodrigues, que guiaram suas incursões pelos acordes seculares do frevo, quando venceu dois prêmios do concurso do Galo da madrugada e lançou o disco Tem Frevo na Latada.

Silvério Pessoa (acima) e Josildo Sá (foto central) são os homenageados do São João da resistência e da pandemia.

Como Josildo, a convivência de Silvério com a música começou cedo. E em casa. A mãe, Dona Ivete, era professora de acordeão. Mas foi somente depois de graduar-se e especializar-se professor, que decidiu fazer da música seu ofício e sua história, devotando-se aos palcos e ao legado cultural de seu povo. Sua carreira profissional teve início com o grupo Cascabulho, banda que formou em 1994. Com ela, fez turnês pelo Canadá, Estados Unidos e Berlim, participou de vários festivais.Como  compositor, ganhou o Prêmio Sharp de Música em 1999, categoria Regional, pelo CD Fome dá dor de Cabeça, que revisitava a obra do paraibano Jackson do Pandeiro.

Pouco depois, a carreira solo do cantor começaria com um disco inspirado na obra de Jacinto Silva, com o titulo Bate o Mancá – O Povo dos Canaviais, que ganhou reconhecimento até internacional. Com oito discos lançados, um DVD, participações em importantes eventos de música e 12 anos de turnês internacionais, Silvério atualmente se divide entre os palcos e as salas de aula, entre as atividades musicais e as pedagógicas. Nascido e criado no meio do povo, ele é aula e recreio, repente e música eletrônica, forró e punk, um colecionador atento de histórias, modos e sonoridades de sua gente no Nordeste.

Leia também:
Banda Sinfônica lembra Jackson do Pandeiro com Josildo Sá no Santa Isabel
Danado de Bom no Santa Isabel
São João tem novos arraiais no Recife
Josildo Sá: forró, frevo e romantismo
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Missa do Vaqueiro: do Sertão ao Cais
Almério e Silvério Pessoa no Marco Zero
São João da pandemia e da resistência
São João sem fogos nem quadrilhas
Centenário de Jackson do Pandeiro tem festa na Passa Disco
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Procissão dos Santos Juninos
Acorda Povo em Campo Grande
Dia de procissão dos santos juninos
Linda, procissão das bandeiras é sábado
Capelinha de melão é de São João
Santo Antônio: casamenteiro, soldado, tenente e vereador cassado
A língua incorrupta de Santo Antônio
Forró no Sítio, Poço e Pátio de São Pedro
Quadrilha: luxo, brilho e resultados
Ecos do São João no Ibura
Último dia para ver as quadrilhas
Sexta de forró e desfile de bandeiras
Quadrilhas dão show no Sítio Trindade
Quadrilhas: luxo, brilho e resultados
Quadrilhas: do arraial ao palco
Cadê as quadrilhas tradicionais?
Caminhada do Forró e Festa do Fogo animam Bairro do Recife 
Olha! Recife tem ônibus com forró
“Eu amo minha rua”: Premiada via com homenagem a Jackson do Pandeiro
Acesso ao Sítio da Trindade: Estrada do Arraial só tem iluminação de um lado
Pensem, em 1964 já havia fake news: Bacamarteiros viraram “guerrilheiros”
Qual a origem dos bacamarteiros?

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação / PCR/ Acervo #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.