Reforço para pequenos produtores

Em meio a tantas notícias ruins e que, com frequência, incluem suspeitas quanto à compra de cestas básicas e merenda escolar em várias esferas da gestão pública, pelo menos uma iniciativa boa: a Lei que cria o Programa Estadual de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (Peaaf), que garante que pelo menos 30 por cento dos recursos destinados à aquisição de alimentos pelo estado sejam destinados à compra de produtos agropecuários, iniciativa que pode ajudar a pequenos agricultores da Zona da Mata, do Agreste e do Sertão.

A Lei que cria o Peaaf foi sancionada pelo Governador Paulo Câmara (PSB), no início desse mês, depois de aprovada por unanimidade na Assembleia Legislativa. Ela contempla não só a agricultura de base familiar, como também a economia solidária.”Com a medida, a inclusão social, a modernização da produção, o consumo de alimentos saudáveis e a geração de emprego e renda no campo passam a ser reconhecidas como política de Estado”, informa o Palácio do Campo das Princesas.  Entre os itens incluídos no Peaaf, encontram-se: produtos agropecuários, extrativistas, produtos lácteos e resultantes da atividade pesqueira, in natura e beneficiados. Também se enquadram nessa categoria os artigos produzidos por agricultores familiares, pescadores artesanais, criadores de animais, povos indígenas, comunidades quilombolas e beneficiários da reforma agrária.

Pequenos agricultores podem melhorar de vida com lei sancionada no início de junho em Pernambuco: dias difíceis. 

O programa prevê três modalidades de compras. São elas: a Compra Institucional Direta (na qual os alimentos são adquiridos pelo Governo do Estado por chamada pública ou dispensa de licitação); a Compra Institucional Indireta (quando os fornecedores de alimentação preparada deverão incorporar entre os seus insumos gêneros alimentícios fornecidos pela agricultura familiar); e a Compra Direta com Doação Simultânea (pela qual os produtos adquiridos da agricultura familiar são destinados aos hospitais, escolas públicas, presídios estaduais, creches, instituições de amparo social, famílias em situação de vulnerabilidade e equipamentos de alimentação e nutrição).  Há agricultores cuja renda depende de apenas uma venda semanal, como ocorre com os que expõem seus produtos orgânicos, às quintas-feiras, na calçada da Fundação Joaquim Nabuco, em Casa Forte, Zona Norte do Recife. E um reforço no caixa, por menor que seja, já ajuda.

Para acompanhar e monitorar as ações, será instituído o Comitê Gestor do Programa Estadual de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (Peaaf), sendo 50% de seus membros representantes da sociedade civil e os outros 50% da administração estadual. Caberá à Secretaria de Desenvolvimento Agrário a coordenação executiva do comitê gestor. De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Agrário, o Peaaf tem potencial para abrir um mercado anual de compras institucionais em valor de R$ 13 a R$ 15 milhões. Segundo estudo do Instituto Agronômico de Pernambuco (Ipa), a Lei deve beneficiar cerca de 2.500 pequenos produtores (o Ministério da Cidadania considera um teto anual de R$ 6.500 por fornecedor).

Leia também:
Casa Forte: atrapalho em feira orgânica
Faça a feira sem veneno
Refazenda lança Coleção Cor de Agrião em feira de produtos orgânicos
Hortas orgânicas crescem nas escolas
Praça de Casa Forte sem feira paralela
Para tocar no coração das pessoas
Agricultura, veneno e genocídio
O Brasil está virando o rei do veneno
“Já me falta ar para falar das florestas”
Com tantos venenos no Brasil, cuidado com o que você come
Fome, tortura, veneno, maniqueísmo
Tilápias podem prejudicar o Velho Chico
A mentira da fome e a realidade do Sertão que comoveu o Brasil
Fome no Brasil é uma grande mentira?
Ventos que transformam no Agreste
A história de Daniel: esforço, persistência, superação e injustiça
Longe dos ataques verbais de Brasília, Nordeste e Amazônia se entendem
Cisternas mudam a vida dos sertanejos
“Mexeu com a natureza, mexeu comigo”
A peleja de Cirino com o pica-pau
Aceiros e povo contra o fogo no Sertão 
Segurança alimentar prejudicada

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos:  Josué da Mata/ Divulgação / Ipa

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.