O “Ser Negro” do “Pássaro Mensageiro”

Um artista completo e versátil:  ator, diretor, figurinista, arte educador, um vulcão em ebulição. Desde sua infância, Gabriel Sá anda pelos palcos. Menino ainda já participava de dois premiados musicais do Brasil: Auto das 7 Luas de Barro (1998) e Olha pro Céu meu amor (1998), ambos dirigidos por Vital Santos, referência no mundo do teatro em Pernambuco.  Para quem assistiu, aqueles são dois espetáculos inesquecíveis.  Foi a partir daí que surgiu a relação de Gabriel com a música, quando passou a estudar com a soprano Eliane Chagas. Agora o multiartista de Caruaru prepara-se para voar no Pássaro Mensageiro, o seu primeiro disco, que deve ser lançado no mercado no segundo semestre. Vídeo da primeira faixa foi lançado nessa sexta-feira (29/5).  O vídeo vem impregnado de afirmativa e religiosa negritude.  Seu nome: Ser Negro.

Pássaro Mensageiro vem sendo produzido pelo Peixe Elétrico em parceria com os músicos: Murilo Carmo, Carlinhos Aril, Wagner Santos e Ângelo Lima com compositores de renomes como Isabela Moraes, Valdir Santos, Almério, Ciel Santos, Douglas Germano, Rosberg Adonay, Valdemar Neto, Henrique de Oxossi, Alexandre Revôredo entre outros. Antes do CD ficar pronto, haverá lançamento de algumas de suas faixas no canal do artista no You Tube. Gabriel Sá integrou vários projetos musicais em Caruaru: foi um dos vocalistas da banda Samba de Tamanca (2005). E, em carreira solo, encerrou Show de Adriana Calcanhotto (2010), estrelou o projeto Baticum (2013), dividiu os palcos muitos artistas.  Entre eles o Cantor Thera Blue no show Estrombolianos (2019).

Desde 2015 vem participando do São João de Caruaru no Polo Azulão com: Aláfia (2015), Santo Forte (2016, 2017 e 2018), gerando a cada ano grandes repercussões. Tem em seu currículo participações em shows de vários artistas como: Almério, Rogeria, Zé do Estado, Junio Barreto, Ciel Santos, Karynna Spinelli entre outros. Em 2018 firmou importantes parcerias com compositores de PE, SA e SP para produção do seu primeiro CD intitulado Pássaro Mensageiro com lançamento previsto para segundo semestre de 2020. Até lá, o público vai conhecendo, aos poucos, a obra do artista pelas redes sociais.

A compositora Isabela Moraes define o artista como “um jovem gênio da safra de seres humanos raros”.  E completa: “Ator, diretor, figurinista, arte educador, um verdadeiro transformador de mundos, alma de vulcão em ebulição”.  Depois, define:  “Uma inquietude artística transformadora. Sua arte nos convida a reflexões imprescindíveis e nos chacoalha. Nos tira do lugar comum. Quando entra em cena e canta tem a permissão de nos infundir e difundir mundos com sua voz precisa, firme e necessária, curioso e inteligente traz na sua alma o portal que nos conecta a outras dimensões e nossas ancestralidades”. Veja o vídeo Ser Negro, de Gabriel Sá:

Leia também:
Almério desempena na Bahia
“Desempena”, Almério! Você vai longe
Almério e Silvério Pessoa no Marco Zero
Almério é um absurdo
Valencianas: ingressos esgotados
A Doce Menina de Ceceu Valença
Trio segue caminho de pais famosos
Kizomba, Kuduro, Funaná e frevo
Novata, Bia Villa-Chan canta com veteranos
Palestina do Recife: Cadê nosso país?
Movimento Negro eTravessias
Monumento ao maracatu pilhado
Terça Negra vira livro sobre cultura afro
Terça Negra: reggae, soul e hip hop
Sítio de Pai Adão na Terça Negra
Terça Negra presta tributo a Zumbi
Navio alemão acusado de  racismo
Qual foi o mal que te fez Yemanjá?
Erê Mukunã: a beleza da negritude
O resgate do corpo ancestral
Resgate histórico: o primeiro deputado negro do Brasil era pernambucano
Dia das Mães: Vovó Cici (80) viaja da Bahia ao Rio de Janeiro para visitar a sua (de 104)
De Yaá a Penólope africana
Ojás contra o racismo religioso
A única mestra de maracatu

Entra Apulso no palco: “Pode entrar” 
Uhana Mahin: “Sou preta, negra e fera”
Católica bota Xangô na ordem do dia
Nação Xambá: 88 anos de resistência
Ojás contra o racismo religioso
A simbiose entre a igreja e os terreiros
Recife: igreja, santo, orixá e carnaval
Qual foi o mal que te fez Yemanjá?
Preconceito religioso tem reparação
Cultura negra e fêmea no Pátio
Joana, a única mestra de maracatu
Negro em cada canto mostra presença afro nas Américas
A herança afro na música brasileira
Show sobre África percorre o Nordeste
A sabedoria ancestral da griô Vó Cici
Recife: igreja, santo, orixá e carnaval

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto e vídeo: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.