O Dia Mundial das Abelhas

Há estudos que dizem que dois por cento das abelhas selvagens do Planeta são responsáveis pela polinização de 80 por cento das culturas mundiais. Imaginem, então, o que seria da humanidade, da fauna e da flora sem elas. Sem esses insetos, como ficaria a produção de flores, frutos, outros tipos de alimentos?  Sem elas, não há chance de equilíbrio ambiental, com a consequente destruição de ecossistemas. Infelizmente as abelhas vêm sendo dizimadas, onde há poluição, o uso exagerado de pesticidas. Hoje é o Dia Mundial das Abelhas.  Aqui em Pernambuco, no município de Igarassu, vi certa vez, uma apicultora perder milhares de abelhas, devido à aplicação de veneno nos canaviais de uma usina próxima. São fatos que se repetem em muitos locais, onde o uso indiscriminado de produtos tóxicos ameaçam a vida de plantas e animais, incluindo os insetos.

Por esse motivo, a Associação Brasileira de Estudo das Abelhas (A.B.E.L.H.A.)  está lançando um  pôster com 14 abelhas essenciais para a polinização de cultivos agrícolas no Brasil, tudo com base em pesquisa científica recente. As ressaltadas no cartaz incluem espécies sociais e solitárias. Tirando a abelha africanizada (Apis mellifera), que é híbrida de subespécies introduzidas no País para a produção comercial de mel, todas as demais são nativas do Brasil. Entre elas, estão abelhas sem ferrão, como a jataí, que está distribuída em todo o País. Assim como espécies vultosas, como as mamangavas, que chegam a três centímetros de comprimento e que possuem papel relevante na polinização de algumas frutíferas, como o maracujá. “Os polinizadores melhoram o rendimento e a qualidade de frutos e sementes de mais de 60% das plantas cultivadas para a produção de alimentos, por isso, essas 14 abelhas são – ou deveriam ser – as queridinhas de produtores rurais e consumidores”, destaca a A.B.E.L.H.A, cujo site o pôster pode ser baixado gratuitamente.

No cartaz, estão especificadas as 14 espécies, com o nome científico, o popular e também com ilustrações dos vegetais que cada uma delas mais poliniza. O pôster pode ser baixado no formato PDF do site da A.B.E.L.H.A.. O material de divulgação científica é direcionado para qualquer entusiasta das abelhas, sejam eles biólogos, criadores, ecólogos, educadores ou leigos.  “Produtores de laranja, tomate, maçã, goiaba, maracujá e outros 31 alimentos vegetais indicados, podem ser os maiores beneficiados ao tomar conhecimento da importância desses polinizadores”, informa a entidade.

“Com essa informação, os produtores podem direcionar planos de manejo de cultivos agrícolas e adotar práticas para manter essas abelhas protegidas e próximas às plantações. Assim, elas realizam a polinização, melhorando o rendimento e a qualidade dos frutos e sementes”, explica a bióloga Kátia Aleixo, idealizadora do pôster. O material traz um código QR que direciona para uma página com informações complementares, na qual o interessado poderá conhecer mais sobre as abelhas, a exemplo de sua distribuição geográfica e como manejá-las próximas aos cultivos.

“Nossa intenção é ajudar na divulgação do conhecimento e na conservação dos insetos polinizadores. Produtores rurais conscientes sobre o papel das abelhas no aumento da qualidade e produtividade agrícola tendem a fazer o uso correto de defensivos agrícolas, conservar as matas nativas no entorno das plantações e manter um bom relacionamento com apicultores”, explica Ana Lúcia Assad, diretora-executiva da A.B.E.L.H.A. Para download do pôster, clique aqui.  A A.B.E.L.H.A tem o objetivo de liderar a criação de uma rede em prol da conservação de abelhas e outros polinizadores. Sua missão é reunir, produzir e divulgar informações, com base científica, que visem à conservação da biodiversidade brasileira e à convivência harmônica e sustentável da agricultura com as abelhas e outros polinizadores.

Leia também:
Pandemia e a volta das capivaras
Pandemia e a natureza: Animais silvestres ocupam áreas vazias
A 10.000ª espécie ameaçada
Antas albinas mobilizam pesquisadores
Visite o Legado das Águas nas férias
Borboleta rara no Legado das Águas
Pandemia e natureza: animais silvestres ocupam áreas urbanas vazias
Pandemia e a volta das capivaras
Movida planta um milhão de árvores
Mata Atlântica ganha viveiro para produção anual de 100.000 mudas
Cabo ganha 7.450 árvores até 2022
Coca-Cola planta 600 mil árvores
Cerrado ganha corredor ecológico
Esso decide plantar 20 mil árvores para proteger mico-leão-dourado
Festival de Aves no Sul da Bahia
Borboleta rara no Legado das Águas
A inédita visita do sabiá ferreiro
A volta do jacu
“Arca de Noé” protege corais ameaçados
Ambientalistas preocupados: só restam 1.300 muriquis

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: A.B.E.L.H.A / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.