Parques e praças serão locais mais frequentados na pós-pandemia

Pernambucano do Recife, Pedro  Lira é sócio fundador do Natureza Urbana. Trata-se de  escritório de arquitetura, urbanismo e planejamento estratégico localizado em São Paulo, com especialidade em  projetos de grande escala. Tais como equipamentos de uso público e de interesse turístico, no âmbito das cidades e de áreas naturais.  Representante do Brasil na WUP (WordUrban Parks) e consultor do United Nation Office for Planning Services (Unops), ele acha que a pandemia que eclodiu no mundo convida a uma reflexão quanto ao papel do homem na preservação da natureza. Decidiu fazer uma enquete sobre os locais provavelmente mais frequentados pelos brasileiros na pós-pandemia. Resultado: os parques e praças aparecem em primeiro lugar, com 55 por cento das indicações.

Ele ressalta que  a enquete aponta para a tendência de maior valorização dos espaços livres nas cidades, que se confirmarão como os principais locais de lazer, para a realização de atividades físicas e até escolares, já que nesses espaços o distanciamento social pode ser mais bem administrado. “Os resultados fortalecem a ideia de que a criação de mais parques equipados, associados a equipamentos de interesse público, sejam eles escolas, mercados, bibliotecas ou outras instituições que possam estender suas atividades ao espaço livre seja uma solução, principalmente em grandes centros áridos como São Paulo”, diz.  A enquete – aplicada com o objetivo de saber o que pensam as pessoas quanto aos locais que serão mais frequentados pós pandemia – foi feita nas redes sociais  do Natureza Urbana, segundo informam Pedro e Manoela Machado, que são sócios do escritório.

Manoela Machado e Pedro Lira, sócios do “Natureza Urbana”: procura maior por parques e praças na pós pandemia.

A enquete obteve respostas de aproximadamente 1000 participantes que se interessam por temas como planejamento urbano, mobilidade, política, arquitetura e turismo. A maioria das respostas vieram de Minas Gerais (11%), Ceará (10%), Bahia (10%), São Paulo (8%) e Pernambuco (8%). Questionados sobre quais locais serão mais frequentados pós-Covid-19, 55% apontaram para parques e praças, 22% para bares e restaurantes, 17% acreditam que espaços para o pedestre em geral serão os mais buscados. Tidos hoje como templos do consumo, os shopping centers aparecem em apenas seis por cento das indicações.  A respeito do efeito sobre deslocamentos e quais meios de locomoção serão os mais privilegiados, 65% apostam em transportes que permitam deslocamentos de forma individual, como bicicletas, a pé ou veículos, 23% optaram por evitar deslocamentos, enquanto apenas 12% afirmam que vão buscar mais ônibus e metrô, sendo a maioria (65%) na faixa etária entre 18 e 24 anos.

“O impacto negativo da atividade humana e suas consequências para o planeta pode ser visível a partir do atual período em que o mundo enfrenta. Pesquisa realizada por Marshall Burke, da Universidade de Stanford, nos EUA, aponta que o isolamento realizado pelo governo chinês durante a epidemia diminuiu de forma expressiva a poluição por lá, o que pode ter salvado a vida de, ao menos, 50 mil pessoas.”, diz. Para Lira, o estudo apenas reforçou que o desenvolvimento desenfreado nos fez chegar onde estamos hoje, e que apenas um repensar na forma em como vivemos e nos relacionamos com o meio ambiente permitirá ao homem uma vida longa e saudável.

“Tal alegação parece não ser novidade, mas foi preciso uma pandemia para que a levássemos a sério”, explica.  Com relação aos espaços de trabalho, 81% acreditam que a relação mudará de forma permanente, e 72% acreditam que haverá uma redução na demanda por edifícios de escritórios. Por fim, perguntados livremente sobre quais hábitos serão criados nas cidades pós-pandemia, a maioria confirma a tendência de se evitar deslocamentos com o aumento do home office, de compras on-line e ensino a distância, havendo ainda uma demanda por um número maior de espaços públicos e mais amplos.

Leia também:
#RecifeEmergênciaClimática
#RecifeEmergênciaClimática (1)
#RecifeEmergênciaClimática (2)
O Recife da paisagem mutilada
Recife árido: emergência climática
Emergência climática no currículo
Escolas combatem mudanças climáticas
Parque Capibaribe ganha 300 mil euros
O Recife tem quantas  árvores?
Parem de derrubar árvores: a natureza é mãe e precisa de nós
Não matem nossas árvores
“Genocídio” oficial de nossas árvores é cada vez maior
Os verdes gramados de Salvador
APP ajuda a monitorar árvores no Recife
Mudas substituem toquinhos
Arboricídio mobiliza Câmara Municipal
Arboricídio vira caixa preta
Compensação pelo arboricídio
Compensação pela selva de concreto
Verdade ou fake: 50.000 novas árvores?
Recife: 4.000 novas árvores em 2018?
“Abaixo o arboricídio insano”
Arborização do Recife em discussão
Parem de derrubar árvores: a natureza é mãe e precisa de nós
Recife ficará mais verde até 2021
Vem aí a Maratona Verde com 10.000 árvores para o Recife do arboricídio
Maratona Verde já começou
Parem de derrubar árvores (203)
Parem de derrubar árvores  (204)
Dia da árvore: a vovó do Tapajós
Parem de derrubar árvores (27)
TRT vai compensar árvores derrubadas
Parem de derrubar árvores (32)
Vocês querem Boulevard?
Atentado estético no Boulevard
Praça Tiradentes é exceção da regra
Cadê o gramado da Praça do Arsenal?
Decadência na Praça da Independência
Praça Maciel Pinheiro pede socorro
Praça Dom Vital parece um ninho de rato
Praça Dom Vital em petição de miséria
Praça Dom Vital fica pronta esse mês
O Recife leva banho de Salvador no quesito limpeza
Nova paisagem em São José
Mobilização nas redes sociais contra abandono das praças do Recife
Detonadas as margens do Capibaribe

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins e Natureza Urbana / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.