Sessão Recife Nostalgia: Beco do Veado e outros becos de bairros do Centro

Nos carnavais passados – por volta de duas décadas atrás – o Bloco Nem Sempre Lili Toca Flauta fazia um roteiro romântico, saindo do Pátio de São Pedro. Percorria ruas estreitas e bequinhos dos bairros de Santo Antônio e São José, que nos pareciam encantadores, habituados que estávamos, com os nossos caminhos convencionais, no Centro do Recife, com suas largas avenidas. Era um roteiro muito especial, com as pessoas nas janelas, idosos conversando nas calçadas. Posteriormente, a concentração do bloco passou a ocorrer no Pátio de Santa Cruz, perto do qual restam alguns becos mas não tanto com a frequência que ainda se vê em Santo Antônio e São José. Ainda hoje, tenho mania de passar por esses lugares, que parecem ter parado no tempo, quando vou em locais próximos como o Pátio do Terço, a Avenida Dantas Barreto, Pátio do Carmo ou de São Pedro, Praça Dom Vital.

Saindo de alguns desses locais, com certeza, vamos passar por um dos becos que restam no Recife. Algumas vias que são ruas hoje, eram becos no passado, como a Martins Júnior, na Boa Vista. Por sugestão do historiador Jacques Ribemboim, uma de suas esquinas ganhou placa do Projeto A História nas Paredes, do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico de Pernambuco. Hoje, quem passa pela Rua de Setembro em direção à Rua do Hospício, ali à altura do Teatro do Parque, sabe que a Martins Júnior, no passado, era Beco do Camarão.

Por que falo dos becos? É que tenho um companheiro de caminhadas – em grupos como Olha! Recife, Bora Preservar, Preservar Pernambuco Caminhadas Domingueiras, Caminhadas Culturais – que acaba de postar um relato pessoal e nostálgico sobre os becos do Recife. Veja o que diz Emanoel Correia, que passou a infância entre esses locais. Nesses tempos de Coronavírus, ele tem postado textos sobre o Recife ainda com mais frequência do que costuma fazer, em suas redes sociais.

Vejam o que ele diz sobre os saudosos becos do Recife:

Ah! Já não se fazem mais becos como antigamente. Quem andou pelo Recife dos anos de 1970, ainda pôde se vislumbrar com aquelas travessas estreitas, onde moravam famílias pobres, porém felizes. Agora imagine você entrar em um beco no bairro de São José e saber que o seu nome é Beco do Passa a Perna, pois apenas com uma passada de perna você dava de cara com a outra residência. E o Beco do Cirigado, ainda está lá, tomado pelo comércio, mais ainda estar. O famoso Beco do Veado, devido a um rico comerciante português que criava esse tipo de animal naquela localidade. O Beco do Marroquim descaracterizado, ainda resiste a mudanças. São vários, porém poucos sobraram à ganância dos energúmenos, descaracterizando bairros importantes do centro da cidade do Recife. E falar deles seria como escrever um livro que talvez em mil páginas não pudéssemos retratar toda uma vida e importância para a cidade da época. Relembrá-los, é voltar no tempo, onde uma cidade se caracterizou pela influência europeia e do Oriente Médio. Mas ainda podemos citá-los em consideração ao seu legado pioneiro na urbanização da cidade, desde quando era apenas uma vila até se tornar a capital da província, sendo eles assim distribuídos de conformidade geográfica: no Bairro do Recife existiam (Becos das Crioulas, das Miudinhas, das Torres, do Escuro); em Santo Antônio (Beco do Sarapatel, da Bomba, da Prata); São José (Beco da Panela, da Penha, do Peixe Frito, do Marisco); Boa Vista (Beco da Bóia, dos Ferreiros, da Lapa, do Vento, do Tambiá). Pois foi através de muitos becos que o Recife cresceu para depois se tornar uma cidade desenvolvida e desumanizada como hoje podemos constatar.

Leia também:
Sessão Recife Nostalgia: Solar da Jaqueira
Sessão Recife Nostalgia: a Viana Leal
Sessão Recife Nostalgia: os cafés do século 19, na cidade que imitava Paris
Sessão Recife Nostalgia: os banhos noturnos de rio no Poço da Panela
Sessão Recife Nostalgia: Maurisstad, arcos e boi voador
Sessão Recife Nostalgia: Ponte Giratória
Sessão Recife Nostalgia: Quando a Praça do Derby era um hipódromo
Sessão Recife Nostalgia: O parque Amorim e a lenda do Papafigo
Sessão Recife Nostalgia: a coroação da Rainha do Recife e de Pernambuco
Sessão Recife Nostalgia: Casa de banhos e o fogo das esposas traídas
Sessão Recife Nostalgia: o Restaurante Flutuante do Capibaribe
O Recife através dos tempos
Vamos salvar o centro do Recife?
Cine Glória agora é Lin-Lin
São José e Santo Antônio ganham livro: viagem de quatro séculos de história
Caindo sobrado onde nasceu Nabuco
Lixo e abandono na casa de Clarice
Chalé do Prata começa a desabar

Lembram dele? O caso único  do edifício que teve duas fachadas simultâneas
Recife Antigo merece respeito 

Os primeiros das Américas
Olha! Recife explora a arquitetura da cidade 
Art déco: Miami ou Recife
Aluga-se um belo prédio na Bom Jesus
O charme dos prédios da Bom Jesus
A presença estrangeira em nossa história
Passeio por 482 anos de história
Resgate histórico no Beco do Camarão
Rua da Imperatriz tem 26 lojas fechadas
Imperatriz tem 15 lojas fechadas
Que saudade da Rua Nova

Texto: Letícia Lins / OxeRecife  (com Emanoel Correia/ Grupo Bora Preservar)
Fotos: Emanoel Correia / Cortesia

Compartilhe

2 comentários

  1. Em época de Pandemia, passeando no Facebook deparei- me com uma postagem do OxeRecife e curiosamente dei-me ao prazer de mudar meu roteiro e passear por aqui. Amei esse trajeto e quero voltar… sem bondes, sem trilhos, mas vou voltar…

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.