As outras flores da “Dália da Serra”

Por enquanto, devido à pandemia do coronavírus, estão suspensas as gostosas programações de grupos que fazem trilhas e caminhadas no Recife e no interior de Pernambuco. E até fora do Estado. Um dos que adiaram  seus encontros é o Andarpé, que já havia realizado cinco trilhas em 2020. E que decidiu, claro, adiar outras cinco que já estavam lançadas (Pedra do Crânio, Cachoeiras de São Benedito do Sul, Fazenda Brejo em Saloá, Chapada Diamantina e Jalapão).

Em 2019, o grupo fez 39 viagens. Em 2020, a última foi à Mata da Taquara, em Taquaritinga do Norte, no Agreste de Pernambuco. Não participei da trilha, mas como faço parte de uma das redes sociais do Andarapé, recebi belas fotos das flores que os trilheiros e trilheiras encontraram, entre o núcleo urbano e os caminhos pela Mata da Taquara. Como vocês sabem,  a cidade de Taquaritinga do Norte fica a 785 metros de altitude, o que lhe confere clima ameno, com temperatura média anual de 20 graus centígrados.

Seu ponto mais alto fica na área rural, cuja altitude chega a 1.200 metros, no topo da serra. Conhecida como Dália da Serra,devido à predominância dessa flor em suas praças, o município – localizado a  178 quilômetros do Recife – é muito procurado por turistas, que gostam de visitar, também, suas bonitas fazendas de café orgânico.

A trilha foi a última, antes da escalada da pandemia, e decidi compartilhar com vocês, a beleza das flores que a turma encontrou pelo caminho. Além de ficar em parte alta do Agreste, Taquaritinga tem parte do seu território ocupada por brejo de altitude, que se espalha também pelos municípios vizinhos de Toritama e Vertentes. Ao todo, o brejo – com três tipos de matas – espalha-se por 59 quilômetros quadrados  nos três municípios. “No percurso entre o centro até a Pedra do Pepê (ponto de partida de voos de asa delta) encontramos muitos sítios com fruteiras – seriguela, jabuticaba, acerola – e muitas flores no caminho”, conta Ana Maria Almeida, coordenadora do Andarapé.

Leia também:
Trem virou saudosa memória em Pernambuco
A melhor conexão é com a natureza
Atendendo a pedidos sobre Aparauá
Domingo tem trilhas pela natureza
Caminhadas pelo Brasil e por Pernambuco
Maracatu rural e mulheres guerreiras
Quem vai flutuar nas águas do Jalapão?
O milagre da Igreja dos Milagres
A menor igreja de Olinda?
Andarapé entre o século 16 e o 21
Andarapé entre os sons da natureza
Casarão, Dona Maria e pinto roxo
Andarapé vai ao Jardim Secreto: roteiro pela Zona Norte
Arte monumental e natureza generosa

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos:  Nilza Quitino e Silvana Carla / Cortesia/ Grupo Andarapé

Compartilhe

2 comentários

  1. Amei essa reportagem amiga, e a ilustrações, e você me mandou no seu aniversário. Amo flores. Minha vida profissional foi trabalha com botânica, trabalhei com vegetais superiores, fazendo o levantamento da vegetação do Estado de Alagoas. Meu escritório era nos ecossistemas alagoano.
    Amo às arvores flores e frutos que são necessarios para identificação cientifics

    1. Obrigada, Noêmia. Quando a gente puder conversar, vai falar muito das plantas. Não sabia do levantamento realizado em Alagoas. Deve ter sido um belo trabalho.

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.