“Ventos que transformam” no Agreste

Durante meus anos de repórter – e foram mais de 40 no batente – perdi as contas das vezes em que viajei ao Sertão do Nordeste, para fazer a cobertura do impacto provocado pela construção de grandes barragens para alimentar as turbinas de usinas hidrelétricas no Sertão do São Francisco. Já se foram algumas décadas, a capacidade instalada  do sistema aumentou, mas problemas sociais persistem até hoje, devido ao deslocamento compulsório das populações e suas consequências: desemprego, alcoolismo, altos índices de suicídios, quilombolas e indígenas marginalizados. Comunidades inteiras à beira da loucura, em busca da própria identidade. Muitos lavradores  – retirados dos seus roçados quase à força – jamais conseguiram recompor suas vidas. Fui testemunha de casos muito dramáticos.

Problemas provocados pela construção de grandes represas até inspiraram um filme que passou despercebido pela maioria dos brasileiros. Os Narradores de Javé conta o desespero de moradores de uma pequena comunidade do interior, que teriam as terras invadidas pelas águas de uma grande represa. Um “filme” que, na realidade, muitos já vivenciaram.  Há alguns dias, estive no Agreste, onde funciona o Complexo Eólico Ventos de São Clemente, o maior empreendimento de energia éolica de Pernambuco. São  oito parques eólicos, espalhados por 3.700 hectares dos municípios de Venturosa, Caetés, Capoeiras, Pedra. Juntos, ostentam 126 aerogeradores, com capacidade para 233 megawatts, de acordo com o que informa a Echoenergia no portal da empresa. Fui a convite da Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel),  a fim de conhecer o Programa Echosocial Ventos que Transformam, destinado a melhorar a vida das comunidades daquela região, cuja paisagem hoje é pontilhadas de imensas turbinas eólicas, que nada lembram os rústicos moinhos de vento do passado e das fantasias de nossas infâncias.

Em Venturosa, a Escola Manoel Alves de Araújo –no distrito de Grotão –  sofreu reforma, está ganhando até quadra esportiva. E, o que é melhor, seus professores vêm  passando por capacitação para ensinar às populações locais a conviver com a caatinga e a desenvolver zelo maior com o meio ambiente.  Quando visitei Grotão, em Venturosa – a  249 quilômetros do Recife – o analista socioambiental Guilherme Ribeiro dava uma aula aos professores da escola municipal que envolvia princípios da educação ambiental, como fazer dela um assunto transversal (que passa por todas as matérias) na sala de aula. Ele também mostrou como trabalhar o senso crítico das crianças e adolescentes, para que  se conscientizem dos prejuízos sofridos pelo meio ambiente devido à sua exploração sem cuidados. E, claro, as suas consequências para o homem.

O princípio 3Rs foi exaustivamente explorado: reduzir, reutilizar, reciclar. Houve, também, explicações sobre a importância das sementes crioulas. Crioulas são sementes nativas, que muitas vezes, produzem melhor do que as obtidas por grandes corporações em laboratório que, muitas vezes, são distribuídas por órgãos oficiais aos agricultores, embora as diferenças de solo, clima, por exemplo, sejam diferentes. Também houve orientação para a implantação de hortas domésticas e ainda como aproveitar o lixo orgânico para a produção de compostagem (adubo natural que pode ser utilizado na produção de hortaliças).

Antes de operacionalizar o programa Ventos que Transformam em parceria com a Echoenergia, a Adel esteve várias vezes nas comunidades rurais para estudar suas principais necessidades. Em Grotão, a demanda maior foi por educação.  Nas demais, recursos hídricos. Depois da reforma na escola,  o próximo passo será beneficiar 1.400  pessoas com a perfuração de poços, que devem atender a treze comunidades rurais, dos municípios de Capoeiras e Caetés. De acordo com a Adel, só falta o  licenciamento ambiental, atualmente em análise,  para a perfuração dos poços e desenvolvimento de sistemas de abastecimento de água para o consumo humano. Com água, as famílias poderão produzir seus alimentos.

Leia também:
A história de Daniel: esforço, persistência, superação e injustiça
Longe dos ataques verbais de Brasília, Nordeste e Amazônia se entendem
Visão mundial e educação ambiental
Agreste contra o óleo:”O mar nos une”
Cidadania com vez e voz no Agreste
Pobres pássaros cativos do Agreste
Na contramão da briga com a França
Cisternas mudam vida de sertanejos
Veja a flora do Sertão em Dois Irmãos
A caatinga no Jardim Botânico
Represa vira “praia” no Sertão
“Mexeu com a natureza, mexeu comigo”
A peleja de Cirino com o pica-pau
Aceiros e povo contra o fogo no Sertão 
É sempre tempo de reisado no Sertão
Mata da Pimenteira ganha ação
Memórias afetivas de Fátima Brasileiro
Memórias afetivas, “praia do Sertão”, renda de bilro e primeiro amor
Galpão das Artes faz a festa em Limoeiro

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

 

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.