#RecifeEmergênciaClimática

Amigos, leitores, moradores do Recife. Ao longo dos últimos três anos, o #OxeRecife tem mostrado sua preocupação com a arborização da nossa cidade, cada dia mais detonada pela motosserra insana, seja de órgãos particulares ou a serviço de órgãos oficiais. O arboricídio nos motivou a criar a campanha-denúncia Parem de derrubar árvores.

Nesse período, a cidade  parece estar mais quente, e as medidas para evitar o pior não vêm surtindo o efeito desejado. Eu, que gosto de caminhar, não estou conseguindo andar depois das dez da manhã, porque o calor das ruas está insuportável. Somente. Todo mundo sabe que a nossa Veneza Brasileira é tida como uma das cidades mais vulneráveis ao efeito estufa.

Há bairros que já são ilhas de calor. E outros que podem desaparecer com o aumento da temperatura. Talvez por conta desses riscos futuros, tenhamos sido a primeira cidade do Brasil a ser declarada em situação emergência climática.  Lembro da “emergência climática”, a cada rua que passo, onde não se observa uma só árvore. Elas estão nos bairros sofisticados, nos arrabaldes, nos morros e até no centro, como é a que está no nosso foco hoje, iniciando esta série.

Por esse motivo, além de continuar com a missão de acusar o sumiço de nossas árvores em (#ParemDeDerrubarÁrvores), o #OxeRecife está começando agora a mostrar as ruas desprovidas de verde. Usaremos a hastag #RecifeEmergênciaClimática. Começamos pela Rua Marquês do Recife, em Santo Antônio, onde fiquei estarrecida com essa paisagem árida. As observações sobre essa situação são feitas durante passeios com grupos como o Olha! Recife, Caminhadas Domingueiras, Caminhadas Culturais e Bora Preservar.  Também resulta de observações em passeios solitários, pois adoro andar. Situação é triste e são muitas as ruas com paisagem inóspita como a da foto,, totalmente desprovidas do verde essencial para nossas vidas. Contemplem e pensem.  Façamos uma reflexão: O que será de nós?

Leia também:
Recife  árido: emergência climática
Emergência climática: Recife mais verde é balela
Parque Capibaribe ganha 300 mil euros
O Recife tem quantas  árvores?
Parem de derrubar árvores: a natureza é mãe e precisa de nós
Não matem nossas árvores
“Genocídio” oficial de nossas árvores é cada vez maior
O Recife da paisagem mutilada
Recife árido: emergência climática
Emergência climática no currículo
Escolas combatem mudanças climáticas
Os verdes gramados de Salvador
APP ajuda a monitorar árvores no Recife
Mudas substituem toquinhos
Arboricídio mobiliza Câmara Municipal
Arboricídio vira caixa preta
Compensação pelo arboricídio
Compensação pela selva de concreto
Verdade ou fake: 50.000 novas árvores?
Recife: 4.000 novas árvores em 2018?
“Abaixo o arboricídio insano”
Arborização do Recife em discussão
Parem de derrubar árvores: a natureza é mãe e precisa de nós
Recife ficará mais verde até 2021
Vem aí a Maratona Verde com 10.000 árvores para o Recife do arboricídio
Maratona Verde já começou
Parem de derrubar árvores (203)
Parem de derrubar árvores  (204)
Dia da árvore: a vovó do Tapajós
Parem de derrubar árvores (27)
TRT vai compensar árvores derrubadas
Parem de derrubar árvores (32)

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.