Arsenal: Sexta tem “Cabaré do Bozó”

Depois da pausa de fim de ano e  do carnaval, o Movimento Marsenal – que faz teatro de resistência – está de volta. Mudou só o dia. Se antes os atores faziam seus espetáculos de rua às quintas, agora eles acontecem na sexta-feira. Só que no mesmo local: na Praça do Arsenal, em frente ao Bar e Teatro Mamulengo. O espetáculo da vez é o Cabaré do Bozó, já encenado. Mas os artistas que o apresentam asseguram: “o espetáculo está renovado, com novos escândalos, porque o humor é revolução”.

A apresentação não cobra ingresso fixo, mas ao final é passado o chapéu, para contribuições voluntárias, no melhor estilo teatro mambembe. Às 19h, tem microfone aberto, para quem quiser falar. Às 20, começa o Cabaré do Bozó. E às 21h, quem entra em cena é o DJ Joiado.  O Cabaré do Bozó tem três atores em cena: Hugo Coutinho (camisa verde), Cláudio Ferrário (de branco) e Olga Ferrário (que segue os passos do pai, na vida artística). Cláudio Ferrário afirma que O Cabaré do Bozó é uma sátira à realidade vivida hoje no Brasil. “Por meio do humor, criticamos e ridicularizamos esse governo que está aí”.

Para o  Cláudio Ferrário, um governo que “deve ser combatido e merece ser ridicularizado”. Ele acha que só com o riso mesmo, para suportar o que vem acontecendo no Brasil. “Um governo que está fazendo o país dar passos para trás, reacionário, homofóbico, fascista”, comenta. “E que está destruindo a Amazônia, as nações indígenas, as comunidades quilombolas e todas as conquistas sociais”, acrescenta Cláudio que, como ator, já participou de campanhas políticas históricas em Pernambuco.

Ou seja, o grupo faz teatro de protesto, de resistência, de engajamento político. “ A gente se utiliza da farsa para fazer crítica ao que está posto. E nossa intenção é despertar nas pessoas o desejo de lutar por nosso país e por um mundo sem fascismo”, diz. E conclui: “Enfim, queremos divertir e conscientizar as pessoas na base da brincadeira”. Brincadeira, claro, muito séria. Afinal,  as garras da censura começam a inquietar os meios artísticos, cinema, teatro. Quem não se lembra do que aconteceu com a belíssima peça Abrazo, aqui no Recife?

Leia também:
Falsa impressão que arma é solução
Menino veste azul e menina veste rosa?
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
“Nazista bom é nazista morto” chama atenção em muro do Exército
Ditadura: a dificuldade dos escritores
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça
Fome no Brasil é uma grande mentira?
Ditadura nunca mais
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: e o Sertão já virou mar?
Servidor federal afastado porque fez a coisa certa

Texto: Letícia Lins/ #OxeRecife
Fotos: Divulgação /  Movimento Marsenal

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.