Sessão Recife Nostalgia: a Viana Leal

Essa turma dos grupos Bora Preservar e Preservar Pernambuco é mesmo uma onda… Todos os dias, os integrantes trocam textos sobre o Recife de ontem e também o de hoje. As postagens revelam lugares, patrimônios, memórias afetivas.  A minha geração, por exemplo, curtiu muito a primeira escada rolante do Recife, que ficava na saudosa loja Viana Leal, onde tinha de panela de pressão a brinquedos de corda (modernos para a época), e tudo que você pudesse imaginar para uma casa. Até um equipamento inédito naqueles tempos: escada rolante!

A Viana Leal ficava na Rua da Palma, no coração do centro, que naquele tempo a gente chamava de “Recife”. Lembro muito de minha mãe e meus avós dizendo: “Vou lá no Recife “. A loja era bem pertinho da Rua Nova, onde tinha outra marca que deixou muitas saudades, a Sloper, que era tida como a mais sofisticada da cidade. Roupas, luvas, maquilagem, chapéus, maiôs catalina (o usado pelas misses), tudo era na Sloper. Naquela época, ruas como a Imperatriz (Boa Vista) e a Nova (Santo Antônio) concentravam o comércio sofisticado do Centro, onde os boêmios se encontravam no Bar Savoy,  as famílias lanchavam na Confeitaria Confiança (tomando guaraná Fratelli Vita) e quem tinha calor, se refrescava na Sorveteria Gemba. Alguém lembra?

Um dos integrantes que a-do-ra falar dessas relíquias do passado é Emanoel Correia. Nesta semana, ele despertou muitos comentários saudosos ao postar um texto sobre a Viana Leal nos dois grupos. Eu até pensava que a loja fosse mais recente. Mas diz meu amigo que “ela foi fundada em 1929, por Manoel Leal, passando a ser destaque dentro do comércio do Recife, sempre buscando inovações ao ponto de instalar a primeira escada rolante do Norte e do Nordeste, e a segunda do Brasil, tudo isso no ano de 1954”. Viana vem do nome de um sócio de Leal,” e o nome se manteve até a loja sair do mercado”. Após a saída de Viana, a loja passou a ser comandada pelos irmãos  Raul e Miguel Leal, que mantiveram o nome Viana porque já estava consolidado no mercado. Uma marca, aliás, que quem foi daquela época jamais esqueceu.

Emanoel destaca que a loja tinha centenas de funcionários, sendo a primeira departamento do Recife, servindo de exemplo para outras que viriam a seguir. “Lembro-me de muitas vezes ir ao centro da cidade e aproveitava para dar um passeio de escada rolante e ao mesmo tempo apreciar os artigos lá expostos, que enchiam a vista de qualquer ser humano”, diz o professor, sem esconder a nostalgia. Era “uma viagem através do cheiro de coisas novas encontradas”. E completa: “Ah, já não se fazem lojas Vianas Leal como antigamente”. É. Sumiram Mesbla, Lobrás, Slopper. Mas nenhuma, nenhuma mesmo, tinha para as crianças os encantos da Viana Leal. Em termos de grandes lojas – à la Viana Leal de antigamente – ainda fico com a Ferreira Costa da Tamarineira. Isso  por conta das instalações, do estacionamento gratuito, da variedade e da facilidade de acesso para quem reside na Zona Norte, como é o meu caso. Como a Viana Leal, a Ferreira Costa foi pioneira, quando montou seu primeiro home center na região agreste de Pernambuco (Garanhuns). Tradição, pelo menos é o que não falta. A empresa, que orgulha hoje de ter  o maior home center do Nordeste, começou a funcionar em 1884. Além da variedade de produtos, tem praça de alimentação muito agradável onde, inclusive, já fiz novas amizades!

Leia também:
Sessão Recife Nostalgia: os banhos noturnos de rio no Poço da Panela
Cinema Glória agora é Lin-Lin
Sessão Recife Nostalgia: Maurisstad, arcos e boi voador
Sessão Recife Nostalgia: Ponte Giratória
Sessão Recife Nostalgia: Quando a Praça do Derby era um hipódromo
Sessão Recife Nostalgia: O parque Amorim e a lenda do Papafigo
Sessão Recife Nostalgia: a coroação da Rainha do Recife e de Pernambuco
Sessão Recife Nostalgia: Casa de banhos e o fogo das esposas traídas
Sessão Recife Nostalgia: o Restaurante Flutuante do Capibaribe
O Recife através dos tempos
Vamos salvar o centro do Recife?
Sessão Nostalgia: os cafés do século 19 e a cidade que queria ser Paris
São José e Santo Antônio ganham livro: viagem de quatro séculos de história
Caindo sobrado onde nasceu Nabuco
Lixo e abandono na casa de Clarice
Chalé do Prata começa a desabar

Lembram dele? O caso único  do edifício que teve duas fachadas simultâneas
Recife Antigo merece respeito 

Os primeiros das Américas
Olha! Recife explora a arquitetura da cidade 
Art déco: Miami ou Recife
Aluga-se um belo prédio na Bom Jesus
O charme dos prédios da Bom Jesus
A presença estrangeira em nossa história
Passeio por 482 anos de história
Resgate histórico no Beco do Camarão
Rua da Imperatriz tem 26 lojas fechadas
Imperatriz tem 15 lojas fechadas
Que saudade da Rua Nova

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

2 comentários

  1. Viana Leal e Sloper fizeram parte da minha juventude.Trabalhava no Bandepe anos 80.Mesbla. ..Americanas. ..Brasileiras. …Pernambucanas. ..C&A na Conde da Boa Vista onde morei.Saudades.Nasci na Paraiba. ..cresci em Recife…hoje São Paulo.Muitas lembranças de Recife.

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.