Maracatu rural: as mulheres guerreiras

Para mim – guardadas as devidas proporções e características –  os caboclos de lança do chamado maracatu rural de Pernambuco representam uma identidade tão forte para o estado, quanto os soldados da guarda da família real para a Inglaterra. Com uma diferença: os nossos são muito mais imponentes e barulhentos, com suas brilhantes fantasias e chocalhos na cintura. Típico de Pernambuco, o maracatu rural é Patrimônio Imaterial do Brasil desde 2014.

Ao contrário do maracatu nação – de origem na cultura afro – o maracatu rural teve  início entre os canavieiros da Zona da Mata de Pernambuco, onde se concentra a agroindústria açucareira. Ainda hoje, seus integrantes geralmente são homens que passam o ano trabalhando no corte de cana.  E que, no carnaval, trocam as roupas maltrapilhas e escurecidas devido à fuligem das queimadas pelo brilho das lantejoulas e pelo colorido da cabeleira  de celofane e das fitas de suas lanças.

Maracatu rural chama atenção por onde passa, com seus caboclos com chocalhos e lanças com fitas coloridas (Recife)

Na segunda-feira de carnaval, eles se reúnem tradicionalmente na Ilumiara Zumbi, que fica na Casa da Rabeca, na Cidade Tabajara (em Olinda) onde a família Salu realiza uma grande confraternização dessas agremiações, que somam mais de 40 em todo o estado.  Em 2020, a família Salu realizou a 30ª edição do Encontro Estadual de Maracatus Rurais. Longe dali, na na Mata Norte, no mesmo dia acontecia cortejo do Encontro de Maracatus Rurais de Nazaré da Mata. Foi a  20ª edição, com participação de 38 grupos. Na segunda, além de Nazaré da Mata e Olinda, eles estiveram também no Recife. Até o polo do bairro do Poço da Panela ganhou uma visita do Maracatu Rural Piaba de Ouro, que foi fundado pelo Mestre Salu (já falecido).

Em Nazaré da Mata,  foi grande o número de de turistas para assistir o cortejo, que teve a presença do governador Paulo Câmara (PSB). O Grupo de Trilhas Andarapé levou um ônibus lotado do Recife. Entre eles o engenheiro Denaldo Coelho, coordenador dos grupos Preservar Pernambuco e Bora Preservar, criados para discutir a cultura e a proteção do patrimônio histórico do estado. Ele ficou encantado ao ver o Maracatu Feminino Coração Nazareno,  até então inédito para muitos visitantes que estiveram ontem para ver o cortejo pela primeira vez em Nazaré, a 65 quilômetros do Recife. Afinal, é o único de baque solto formado só de mulheres no Brasil. Haja mulheres guerreiras!

É que pela tradição, os lanceiros sempre foram homens. O Coração Nazareno  tem 16 anos e foi formado pela Associação de Mulheres de Nazaré da Mata. Com isso, as integrantes – lavradoras, em sua maioria – aprenderam outros ofícios como percussão, costura e bordado. E ficaram, claro, mais empoderadas, para usar um nome em moda hoje em dia.  “Um espetáculo, estou encantado”, confidenciou Denaldo ao #OxeRecife, ao assistir o desfile das mulheres lanceiras. Ele e sua companheira, Suzana Abreu, me enviaram as  fotos do maracatu feminino, lindo.  O maracatu rural é também chamado de maracatu de baque solto, enquanto o nação (afro)  é definido de maracatu de baque virado. E tanto um como o outro são muito fortes. Não só pelo espetáculo e pelos sons que produzem, mas também pelos seus significados.

O maracatu rural ou de baque solto difere do maracatu de baque solto (de origem afro), no ritmo, na formação, nas fantasias e no estilo de canto. Enquanto no maracatu nação as figuras principais são o rei e a rainha, no  de baque solto esse papel é desempenhado pelo mestre, que enquanto canta as “loas”, o grupo silencia. Quando ele termina o refrão, os cordões respondem e música se inicia. Os cordões são formados pelos caboclos de lança, de grande efeito cênico, que complementam  os sons dos instrumentos de percussão e de alguns metais com seus chocalhos. No maracatu nação mais autênticos, há figuras femininas na “corte”. Mas  o comando geralmente é exercido pelos homens Joana D´Arc, do Maracatu Encanto do Pina (do Recife) foi a primeira a quebrar esse tabu. E exerce sua função com maestria, tendo criado, depois, o Maracatu Baque Mulher.

Veja a galeria de fotos enviadas por Denaldo e Suzana:

Leia também:
A única mestra de maracatu
O fantástico maracatu A Cabra Alada
Entre mandus e caiporas
Os misteriosos tabaqueiros do Sertão
Pátio tem romantismo dos blocos
A agenda cheia do Bloco da Saudade
Encontro de blocos líricos no Pátio
Bloco das Flores ganha expô
O fuzuê do carnaval da Bahia e o Bora Pernambucar no Recife
A festa do trio de bonecos gigantes
MeninXs na Rua: Caminhada do Frevo
Os antigos carnavais em fotos
Escuta Levino sai quinta sem os Guerreiros do Passo
É de perder os sapatos no Recife
Centenário Bloco das Flores ganha expô
Caminhada Carnavalesca dos MeninXs
Bora Pernambucar chega ao fim com encontro de bonecos gigantes
Rei e Rainha de Momo sobem o Morro
Zé Pereira festeja cem anos no Recife
A Zé Pereira, com festa e com afeto
À espera de Zé Pereira no Recife
Arcoverde provou que é multicultural
Caretas, tabaqueiros e caiporas
As viagens do Homem da Meia Noite
Paço do Frevo e Homem da Meia Noite animam o Bairro do Recife
Homem da Meia Noite sobe o Morro
Entre o sagrado e o profano, Homem da Meia Noite sobe o Morro
Homem da Meia Noite merece respeito
“O carnaval melhor do meu Brasil”
Dica para as foliãs: como fazer xixi em pé
Carnaval: Recife ou Olinda?
Teatro Santa Isabel abre para o frevo
Samba na Bomba do Hemetério
 
Nostalgia no Pátio de São Pedro
À espera de Zé Pereira
Homem da Meia Noite sobe o Morro
Entre o sagrado e o profano, Homem da Meia Noite sobe o Morro
Prata da casa decora o Recife em 2019
Recife: Igreja, santo, orixá e carnaval

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Suzana Abreu e Denaldo Coelho (Cortesia/ Nazaré da Mata) e Diego Nigro (Divulgação / PCR/ Recife)

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.