Recife e Salvador: qual o pior metrô?

Os metrôs são tidos coo verdadeiros papa-filas. Em qualquer parte do mundo. As estações ficam cheias de gente, mas é chegar o comboio e – como em um passe de mágica – elas ficam vazias. Aqui no Recife, o comboio às vezes chega tão lotado, que as pessoas decidem esperar por um outro, para viajar com conforto e maior segurança. Recentemente precisei pegar um metrô, no Recife. E a minha decepção foi geral: escadas rolantes quebradas na estação, vagão com ar condicionado sem funcionar e gente até passando mal, devido ao calor. Houve um momento que o vagão estava tão cheio, que eu tinha dificuldade até para mexer o braço.

Como se isso tudo não bastasse, o metrô do Recife, cuja tarifa vai custar R$ 4, ainda oferece uma série de dificuldades, incluindo as frequentes panes que deixam a ver navios seus milhares de usuários todas as semanas. Hoje, no entanto, o problema foi pior. As máquinas de dois comboios colidiram, de frente, deixando um saldo de mais de 60 pessoas feridas. Nos últimos 12 meses, foi o incidente mais grave, em uma sequência de outros que incluem de panes elétricas ao furto de equipamentos ao longo da linha férrea. A impressão que se tem, ao frequentar as estações do metrô do Recife é que faltam manutenção, disciplina e comando.

Uma vez, na Estação Joana Bezerra, simplesmente cruzei com uma carroça puxada a cavalo pertinho do trem, e no mesmo local onde transitam passageiros. Ou seja, uma zona. Om 35 anos de funcionamento, pelo que se percebe, o metrô do Recife virou mesmo uma caixa de problemas. Apesar da gravidade do acidente de hoje, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos divulgou uma lacônica nota em que “lamenta o acidente”.

No comunicado, assegura que “a empresa está acompanhando e prestará assistência a todos os envolvidos”. Será? Também informa que um comitê de crise “foi instituído” (foto menor)  e que a comissão interna de acidentes está “trabalhando na análise dos fatores que podem ter contribuído para tal ocorrência, que é inédita”. De acordo ainda com a CBTU, “o metrô do Recife possui sistema eletrônico de monitoramento que garante a segurança de tráfego, o que tem sido eficaz durante os 35 anos de operação”.

Se esse sistema é tão seguro, por que é que o metrô do Recife tem pane quase todo dia?  Estive recentemente em Salvador (foto maior), e me surpreendi com a qualidade do metrô. É verdade que o sistema também pode enfrentar lá suas panes, porém em quantidade bem mais reduzida do que no Recife. Ao contrário daqui, as estações lembram as do primeiro mundo. E os passageiros não me pareceram tão selvagens – quanto ao quesito descarte irregular de lixo – a julgar pela limpeza na faixa da linha dos trens. Aqui no Recife, tem lixo e trilhos convivem em toda a extensão.

Leia também:
Vou de trem para Paripe
Maria Fumaça quase vira sucata
Trem virou saudosa memória em Pernambuco
Bonde vira peça de museu e trilhos somem do Recife sem memória
No metrô, com saudade do velho trem
Folia nos Trilhos com pierrôs e afoxés
Que saudade do apito da locomotiva
A fonte que faz “véia virá minina”
Salvador não está “jogada” como o Recife 
A estátua que fala do Boca do Inferno

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins (Salvador) e CBTU (Recife)

 

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.