Estação Ecológica completa 28 anos

Com 157 hectares em área remanescente de Mata Atlântica, a primeira Estação Ecológica de Pernambuco completa 28 anos na terça (18/2), com motivo para comemorar. Caso a área não tivesse sido comprada na época pelo governo de Pernambuco, teria se transformado em um aterro sanitário.  Ou melhor, em um lixão. Além de contribuir para a proteção de recursos hídricos, hoje a Esec Caetés desenvolve atividades de educação ambiental conservacionista, além de investigação científica, já que são muitas as pesquisas sobre sua diversidade. A Esec fica no limite entre os  municípios de Paulista e Abreu e Lima, a 20 quilômetros do Recife.

E só não virou um lixão  na década de 1980, devido à mobilização da população. Isso porque foi muito grande o empenho da comunidade Caetés I, de associações ambientalistas e de outras entidades que fizeram com que a obra fosse embargada e transformada em unidade de conservação (UC). A Reserva Ecológica foi oficialmente criada, com a promulgação da Lei nº 9.989/87.

Em dezembro de 1998, através da Lei Estadual nº 11.622/98, a Reserva Ecológica passa para a categoria de manejo denominada Estação Ecológica permitindo, assim, a visitação pública. Nesta semana, houve abraço simbólico na Esec (foto maior) e caminhada pelas ruas dos municípios de Abreu e Lima e Paulista (foto menor), na Região Metropolitana do Recife. Tudo para conscientizar parte da população sobre o descarte correto de lixo para evitar poluição no entorno da Esec Caetés.

“A questão do lixo no entorno da Esec Caetés é um problema muito sério. Nós combatemos esse tipo de prática e sempre encontramos parceiros na comunidade, que estão nessa luta de preservar o meio ambiente”, comenta a gestora da UC, Sandra Cavalcanti. Com o tema “Cuidar da natureza é cuidar da vida”, a caminhada teve início na Avenida D, em Caetés, em Abreu e Lima, e seguiu até a Estação Ecológica de Caetés, em Paulista.  As duas cidades são vizinhas.  A caminhada teve apoio das prefeituras de Paulista e Abreu e Lima, e contou com presença de técnicos da Agência Estadual o Meio Ambiente (Cprh) e policiais da Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma).

Durante o percurso, os agentes populares ambientais da Estação Ecológica conversaram com comerciantes e moradores sobre questões relacionadas com o meio ambiente e distribuíram calendários ecológicos, com datas comemorativas ambientais. “Nós viemos com o intuito de alertar a comunidade sobre o lixo que é jogado na rua e que prejudica não somente a mata, mas compromete a qualidade de vida dos próprios moradores”, explica a educadora ambiental do projeto de formação de agentes populares ambientais, Renata Silva. De acordo com Sandra Cavalcanti, ao longo da semana serão realizadas outras atividades voltadas para a conscientização e preservação do meio ambiente.

Leia também:
Caetés: de lixão a estação ecológica

Xô, Plástico limpa mata em Paulista
Iguanas fogem de matas devastadas
Solange e Kátia salvam iguanas
Ecoparque das Paineiras dividido
Mata de pau-de-jangada destruída
Paus-de-jangada sobrevivem na marra
Mata do Frio é devastada
Mata queimada expulsa tamanduá
O jardim “proibido” de Aldecir
Mata destruída vira trabalho escolar
Cadê a punição dos “tubarões” que também devastam a Mata do Frio? 
Lotes irregulares na Mata Atlântica
Devastação gera embargo em Paulista
Matas estão sumindo em Paulista
As matas de cimento em Paulista
Mais matas devastadas em Paulista
Verde em risco em Paulista 
Etapa Terra, do Circuito Solidário Trail Runner vai pela Mata Atlântica
Trilheiros, não deixem lixo nas matas
Brumadinho: 125 hectares de florestas e vidas humanas destruídas
Servidor  federal é afastado porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Paulista ganha árvores nativas
Matas estão sumindo em Paulista
O lado humano dos macacos

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Cprh / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.