Que breu é esse na Torre de Cristal?

Como se não bastassem os lampiões retirados de áreas emblemáticas do Recife – como a Ponte Velha e o Pátio de São Pedro – o Parque de Esculturas Francisco Brennand, no Marco Zero, virou um breu só. Estive no Bairro do Recife no último domingo, para acompanhar o aguardado desembarque de Zé Pereira e Vitalina no Museu Cais do Sertão, onde a dupla centenária se encontraria com o Homem da Meia Noite. Como eu, milhares de pessoas aguardavam a chegada dos bonecos gigantes, de frente para o Parque, que só podia ser visto até o final da tarde.

Quando a noite chegou… o Parque sumiu. Pode, um negócio destes? Sinceramente, há algumas coisas no Recife que não dá para entender. Com tanta tecnologia, câmeras de segurança, monitoramento em tempo real, e ninguém vê os vândalos destruindo tudo, como vêm fazendo em estátuas, parques e até com a decoração do carnaval? Cadê a polícia? Cadê a guarda municipal? Cadê a Emlurb? E as Secretarias de Turismo do Recife e de Pernambuco? Afinal, turistas na cidade é só o que não falta, principalmente no carnaval.

Torre de Cristal do Parque de Esculturas Francisco Brennand, iluminado em 2019 durante o aniversário da cidade

Iluminação, aliás, não é o forte do Recife. Há avenidas onde houve a troca de lâmpadas antigas por mais modernas, porém elas foram colocadas nos canteiros centrais, deixando o pedestre totalmente às escuras nas calçadas. No carnaval, em 2019, a iluminação também foi a nota ruim. A Ponte da Boa Vista, por exemplo, estava às escuras nos dias de Momo. Pior, o mesmo acontecia na Ponte Duarte Coelho, com a alegoria do Galo da Madrugada envolvo no breu da noite. No caso do Parque das Esculturas, o problema vai além da iluminação: pichações, pier precisando de reparos, calçadas quebras, obras de arte danificadas. A última vez em que vi o Parque das Esculturas iluminado foi na Festa de Aniversário do Recife, no ano passado. Mas não lembro se era luz própria ou dos refletores instalados no Marco Zero, onde houve espetáculo ao ar livre sobre o Boi Voador.

Como os problemas se acumularam – como é comum com o patrimônio da cidade (parques, praças, prédios históricos, pontes) – a cada dia a revitalização do Parque das Esculturas vai ficando mais pesada para os cofres públicos. Por que é que a manutenção é tão ignorada no Recife? Afinal, quem investe em manutenção, economiza em gastos com recuperação.

Leia também:
Cadê os lampiões da Ponte Velha?
Caminhada das Pontes foi um sucesso
Lampiões surrupiados na Ponte Velha
Pontes ainda vão esperar por reparos
Pontes passam por restauração
Três pontes em obras. E a da Boa Vista?
Pontes restauradas e giratória que não gira
Sessão Recife Nostalgia: Ponte Giratória
Pátio de São Pedro está sendo pilhado
Vandalismo: prejuízo de R$ 2 milhões
Ponte da Boa Vista pede socorro
Ponte da Boa Vista ganha abraço
Ponte da Boa Vista ganha reparos
Imperatriz tem 26 lojas fechadas
São José e Santo Antônio ganham livro: viagem por quatro séculos de história
Silenciosa relíquia do tempo de Nassau
Praça Dom Vital de roupa nova

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.