Dança para Iansã em Santo Amaro

Não tem o que fazer no final da tarde? Que tal assistir um balé, às 17h dessa quinta-feira (13/02)? Será na Praça do Corpo Santo, em Santo Amaro, em frente ao Sesc. É o espetáculo Dança Para Iansã, que é aberto ao público. Gratuito, portanto. A apresentação, que terá som percussivo ao vivo, integra o calendário das formações culturais e é realizada pelo Balé Afro Raízes.

O grupo, que tem sede na cidade de Olinda, é formado apenas por homens e foi criado pelo coreógrafo e diretor Gilson Gomes, que já havia montado o Balé Afro Magê Molê, apenas com mulheres. O objetivo dos dois grupos é transmitir os saberes, crenças sobre os negros africanos, exaltando a importância da presença negra na miscigenação brasileira. Na encenação atual, os dançarinos vão homenagear Iansã, que é a orixá que rege o grupo. O orixá representa os ventos e raios, por comandar as tempestades e os espíritos dos mortos.

Durante as apresentações, o Balé Afro Raízes utiliza de coreografias para falar de temas importantes e urgentes. Na Praça do Campo Santo, o grupo promete encantar o público com sons de elus, um tipo de tambor. O evento é promovido pelo Sesc Santo Amaro. E já que falamos de Santo Amaro, veja, às 14h aqui no #OxeRecife quais são as duas mais recentes vítimas de arboricídio, que, coincidentemente ficam naquele bairro, onde haverá o espetáculo no final da tarde dessa quinta.

Leia também:
Trio expert em baobá
Histórias de Burkina Faso com François
A sabedoria ancestral da Griô Vó Cici
Ebomi Cici é um patrimônio vivo
Dia das Mães: Vovó Cici (80) viaja da Bahia ao Rio de Janeiro para visitar a sua (de 104)
Vovó Cici no Paço do Frevo
Ebomi Cici fala sobre orixás e convivência com Pierre Verger

De Yaá a Penélope africana
Resgate histórico: primeiro deputado negro do Brasil era pernambucano
O abraço dos ursos e outros abraços
Entre Boa Viagem e África
Ojás contra o racismo religioso
Nação Xambá: 88 anos de resistência
Pipoca é alimento sagrado? 
A simbiose entre a igreja e os terreiros
Som de Cabo Verde no Poço das Artes
Cantos da África no Poço das Artes
Uana Mahim: sou preta, negra e fera

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação / Balé Afro Raízes / Sesc Santo Amaro

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.