Maquininha de passar cartão fabricada com plástico recolhido no mar

Eu a-d-o-r-o quando recebo informações de particulares ou de empresas – sejam pequenas ou grandes corporações – que desenvolvem esforços em defesa do meio ambiente. Há alguns dias noticiei aqui a iniciativa da Zerezes, que está confeccionando óculos, usando como matéria prima o plástico obtido dos famigerados canudinhos, deixados por banhistas e barraqueiros nas areias das praias brasileiras.  Também a Amaro adotou as embalagens feitas com plástico recolhido no Litoral. Agora é a  iZettle que anuncia uma boa nova. A empresa  sueca acaba de lançar a Ocean Reader, maquininha (de passar cartões de débito ou crédito), em cuja fabricação entra 75 por cento do lixo resgatado no mar.

Pena que o plástico só tenha sido recolhido no Nórdico e no Báltico. E não nas águas tropicais do Brasil, tão castigadas pela falta de consciência ambiental da população. Na praia de Copacabana, por exemplo, a festa da virada do ano deixou mais de 350 toneladas de lixo. No Recife, onde o réveillon é bem menor do que o do Rio de Janeiro, a Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb), recolheu nada menos de 62 toneladas de lixo na orla do Pina e Boa Viagem. Ou seja, qualquer iniciativa para aproveitar esse absurdo volume de lixo (que inclui os plásticos em grande quantidade) sempre será benéfica. A Emlurb informou que não calculou o percentual de plástico no lixo gerado com a virada 2019/2020.

Maquininha feita com plásticos recolhidos nos mares deve fazer sucesso em empresas preocupadas com a natureza.

Infelizmente a máquina de cartões feita com plástico dos oceanos adotada pela empresa sueca tem tiragem limitada. Para o #OxeRecife, essa deveria ser a norma e não a exceção. Vocês não acham? Para viabilizar a iniciativa, a iZettle fez parceria com a Oceanworks, marketplace global para plásticos reciclados dos oceanos.  Em compensação, parte da venda (20 por cento) das maquinhas ecologicamente corretas será revertida para a instituição .  Vejam a importância dessa iniciativa: De acordo com a ONU, há 13 mil pedaços de plástico em cada quilômetro quadrado do oceano. Ou seja, um horror. Órgãos ambientais mundialmente respeitados – como a WWF –  também alertam que em 2050, os oceanos terão mais plásticos do que peixes, se nada for feito para evitar o caos.  Desde o início do projeto, a iZettle removeu mais de uma tonelada de plástico do mar, o que ainda não é muito, diante da dimensão da tragédia ambiental que esses materiais representam.

Mas o novo produto é apenas o primeiro passo na campanha para ajudar pequenos negócios com produtos sustentáveis. A empresa espera que a iniciativa seja uma forma de incentivar toda a indústria a um uso consciente de plástico. A ambição da iZettle é que, até 2021, todos seus lançamentos contenham materiais reciclados. “Tenho orgulho em anunciar que a primeira maquininha de meios de pagamento feita de plástico retirados do oceano é da iZettle“, explica Maria Oldham, CEO da iZettle. No Brasil, a máquina de cartões sustentável estará inicialmente disponível apenas para parceiros e clientes selecionados que apoiam essa causa. Que pena. Equipamentos com materiais recicláveis deveriam ser prioritários e obrigatórios.

Fundada em 2011, na Suécia, a iZettle é uma fintech que oferece um sistema de gerenciamento completo com máquina de cartão e controle de vendas e estoque para micros, pequenos e médios negócios. Ela atua em 12 países, sendo líder de mercado na Europa. Em 2018, a PayPal realizou a aquisição da sueca por US 2,2 bilhões. A empresa está em 26º lugar entre as 1000 fintechs mais inovadoras do mundo, segundo ranking da consultoria KPMG. No Brasil, a operação teve início em 2013.  a Oceanworks® é o marketplace global para plásticos reciclados dos oceanos. A instituição reduz a necessidade de uso de novos plásticos ao intervir e reciclar lixo que afeta os mares. Conectam fornecedores e empresas para acelerar o processo de abastecimento, amostragem e compra de resinas, fios, componentes e produtos de plástico oceânicos. Lançado em 2018, a Oceanworks® atualmente tem mais de 100 empresas de amostragem e fornecimento de plásticos oceânicos reciclados. O #OxeRecife aplaude a iniciativa das duas corporações. Aliás, das quatro. Vamos seguir os exemplos delas?

Leia também:
Lixo plástico vira cinema nas escolas
Plásticos nas praias viram embalagens
Canudos plásticos de praias viram óculos: a natureza agradece
Nestlé quer plástico biodegradável
Noronha reforça Plástico Zero
Campanha contra plástico rende prêmio
Agreste contra o óleo: “O Mar nos une” 
Boa Viagem: #Sechegaragentelimpa
Começa a campanha Praia Limpa
A praia de Boa Viagem está limpa?
Praia Limpa para Boa Viagem e Pina
Plásticos poluem Boa Viagem
Mutirões espontâneos contra o lixo
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga. E o Sertão já virou mar?
Longe dos ataques verbais de Brasília, Nordeste e Amazônia se entendem
Plásticos viram vilões de tartarugas 
Servidor federal é afastado porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Taxa de Noronha não é roubo, mas recurso para proteger a natureza
Deixem que vivam as baleias
Colete três plásticos na areia
Mar: mais plásticos do que peixes em 2050
Litoral Sul terá área de proteção marinha
A matança dos guaiamuns ameaçados
Comer lagosta ovada é não ter coração
Disciplina para barcos no Litoral Sul 
Tartarugas: entre a ameaça e a salvação
Tartarugas voltam aos rios no Pará
Acordo na justiça para algozes do marlim azul
O balé noturno das raias em Noronha

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Campanha Colete Três Plásticos na Areia (Internet) e Ocean Reader / iZettle / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.