Parem de derrubar árvores (227)

A espécie não é nativa. Veio de Madagascar. Mas o flamboyant (Delomix regia) já está tão incorporado à paisagem brasileira e, principalmente, à do Nordeste, que poucas pessoas se lembram de sua verdadeira origem. Também conhecida como acácia rúbia, essa bela árvore enche de graça as ruas, jardins e parques do Recife. Principalmente durante o verão, quando ficam praticamente sem folhas. E a copa, toda vermelha.

Pois nem os flamboyants escapam da motosserra insana. Só não sabemos se a motosserra oficial ou de particulares. É que duas árvores foram eliminadas na Rua do Marques, no bairro do Parnamirim, na calçada de um empreendimento imobiliário ainda em construção. Árvores só podem ser removidas das calçadas por órgãos oficiais – no caso, a Emlurb – ou com autorização da Prefeitura, a quem cabe estabelecer a compensação, nem sempre efetivada.

A denúncia sobre a erradicação de flamboyants (foto ao lado) na Rua do Marques foi encaminhada ao #OxeRecife pelo consultor, arquiteto e urbanista Francisco Cunha, coordenador das Caminhadas Domingueiras Olhe pelo Recife.  Francisco, aliás, já andou se queixando do fim dos “túneis verdes” que caracterizavam o Espinheiro, bairro onde morou e no qual trabalha ainda hoje.

E que, como o Parnamirim, está a cada dia mais carente de arborização.  Agora reclama do sumiço de árvores no segundo bairro, onde reside atualmente. Como a titular desse Blog, ele prefere fazer seus caminhos a pé e sente, portanto, a diferença de desconforto térmico  entre as calçadas arborizadas e as desprotegidas. A diferença é e-n-o-r-m-e. Como vocês podem observar na foto por ele enviada e devidamente sinalizada (a maior), Francisco informa que  onde havia duas árvores da espécie, os alegretes (canteiros) agora estão vazios. Os dois casos de arboricídio ficam na calçada de empreendimento imobiliário, que vem sendo erguido na esquina da Rua do Marques com a Avenida Flor de Santana, ambas no Parnamirim, onde são construídas torres cada vez maiores.  O empreendimento será dividido em três partes, segundo as placas indicativas de licenciamento da obra: Torre do Marques, Torre Flor de Santana e Torre Ferreira Lopes.

Passei no local, e observei que o prédio imenso, já se encontra em seu décimo primeiro pavimento. Não sei até onde vai subir. Cadê a Lei dos Doze Bairros?  Os flamboyants eliminados ficam perto de um outro edifício (Mica Vilaça),  ainda em construção na Av. Flor de Santana, que representou a  erradicação de nada menos de oito árvores, todas adultas. Houve até reação da população local, nas redes sociais. E também aqui no #OxeRecife (Parem de derrubar árvores 164, em 24/02/2019). Na época, a construtora me disse que faria compensação com o plantio de 20. Fez? Com a palavra os órgãos fiscalizadores da Prefeitura. Porque esse negócio de compensação – tanto na iniciativa privada quanto na oficial – está virando história para boi dormir.

Leia também:
Parem de derrubar árvores (164)
Arboricídio mobiliza Câmara Municipal
Espinheiro quer  túneis verdes
Calçadas cidadãs na Jaqueira e no Parnamirim: todas deveriam ser assim
Cidadania pé: calçada não é perfeita
Parem de derrubar árvores (56)
Parem de derrubar árvores  (223)
Parem de derrubar árvores (222)
Parem de derrubar árvores (178)
Parem de derrubar árvores (155)
Parem de derrubar árvores (165)
Parem de derrubar árvores (183)
Parem de derrubar árvores (194)
Parem de derrubar árvores (195)
O Recife tem quantas árvores?
Emergência climática: Recife mais verde é balela
Bora Plantar está nas ruas
Bora Plantar dá 773 árvores ao Recife
Bora Plantar mobiliza Zona Norte
Parque Capibaribe ganha 300 mil euros
O Recife tem quantas  árvores?
Parem de derrubar árvores: a natureza é mãe e precisa de nós
Não matem nossas árvores
“Genocídio” oficial de nossas árvores é cada vez maior
O Recife da paisagem mutilada
Recife árido: emergência climática
Emergência climática no currículo
Escolas combatem mudanças climáticas
Os verdes gramados de Salvador
APP ajuda a monitorar árvores no Recife
Mudas substituem toquinhos
Arboricídio mobiliza Câmara Municipal
Arboricídio vira caixa preta
Compensação pelo arboricídio
Compensação pela selva de concreto
Verdade ou fake: 50.000 novas árvores?
Recife: 4.000 novas árvores em 2018?
“Abaixo o arboricídio insano”
Arborização do Recife em discussão
Parem de derrubar árvores: a natureza é mãe e precisa de nós
Recife ficará mais verde até 2021
Vem aí a Maratona Verde com 10.000 árvores para o Recife do arboricídio
Maratona Verde já começou
Parem de derrubar árvores (203)
Parem de derrubar árvores  (204)
Dia da árvore: a vovó do Tapajós
Parem de derrubar árvores (27)
TRT vai compensar árvores derrubadas
Parem de derrubar árvores (32)

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Francisco Cunha / Cortesia e Letícia Lins (flaboyant florido)

Compartilhe

Um comentário

  1. Entendo perfeitamente que árvores sejam erradicadas por problemas fitossanitários. Acredito que cada erradicação seja, de fato, baseada em laudo técnico conforme me foi informado quando solicitei esclarecimento. O que não entendo é que cada erradicação não seja seguida de replante imediato, no local!
    Numa cidade tropical, quase equatorial, como o Recife, a sombra é requisito indispensável da mobilidade a pé. Não replantar a árvore erradicada logo em seguida à erradicação e no mesmo local significa, na prática, a eliminação da sombra!

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.