Cprh recebeu 12.696 animais em 2019

No ano passado, o Centro de Triagem de Animais Silvestres da Cprh registrou a entrada de nada menos de 12.696 animais, que receberam  cuidados e foram ou vêm sendo preparados para a reintrodução à natureza. Em 2020, a movimentação não é diferente. Só na primeira semana de janeiro, o Cetas Tangara (como a instituição é mais conhecida) já tinha 50 novos moradores, incluindo timbus, passarinhos, papagaios, jabutis, saguis e filhotes de guaxinins (foto acima). Até um tucano-grande-de-papo branco (Ramphastos tucanus) também chegou por lá. A espécie é endêmica da Amazônia, e deverá posteriormente ser repatriado para a área de origem.

Todos os animais foram alvo de entregas voluntárias. Um morador do Arruda entregou um sagui. No início da noite do último dia 7, três filhotes de guaxinins (Procyon cancrivorus), foram entregues na CPRH pelo trabalhador Jacson Lima (foto ao lado). Ele disse ter encontrado os animais em uma estrada de barro, situada na Reserva do Paiva, no Cabo de Santo Agostinho. No local, segundo Lima, havia passado um trator realizando a capinação da área. Como os filhotes estavam sem a mãe, o trabalhador resolveu levar os animais para a Cprh. No dia seguinte, o aposentado Paulo Elias, entregou o tucano que, segundo ele, apareceu em sua casa, no bairro de Ouro Preto.

Ouro Preto fica em Olinda, Região Metropolitana do Recife. Ao longo da semana foram entregues, ainda, três papagaios machos (à direita), da espécie papagaio verdadeiro (Amazona aestiva). Também foram entregues um sanhaçu, um bem-te-vi, um periquito-de-encontro-amarelo (Brotogeris chiriri), periquitão-maracanã (Psittacara leucophthalmus), um sabiá-branco (Turdus leucomelas) e uma coruja orelhuda (Asio clamator). A corujinha, infelizmente estava bem machucada.

Antes, cabiam ao Ibama receber animais silvestres. Mas posteriormente a legislação delegou a tarefa aos órgãos estaduais, e em Pernambuco a Cprh tem desempenhado a tarefa com dedicação e seriedade.  Hoje o órgão conta até com área própria para abrigar os animais, que depois retornarão à natureza. De onde, aliás, jamais deveriam ter saído. Em 2019, o Cetas  recebeu 12.696 animais, sendo a maior parte (10.119) formada de aves. As aves são os animais silvestres mais disputados por traficantes de todo o país.  A parte restante está assim dividida:  1.419 répteis, 896 mamíferos, , 22 aracnídeos, 13 crustáceos, um anfíbio. Também chegaram 88 exóticos. Houve 138 outras entradas nas quais os animais chegaram a óbito. Geralmente eles chegam cansados e desidratados, quando são apreendidos com traficantes desalmados. As chegadas se dão por três vias: entregas voluntárias, apreensões devido ao tráfico ou animais perdidos, como os guaxinins que contaram com a alma generosa de Jacson.

Leia também:
Cprh se muda para empresarial
Com especialização em Direito Ambiental, Djalma Paes assume Cprh
#OxeRecife é destaque de imprensa no Prêmio Vasconcelos Sobrinho
Os agraciados com o Prêmio Vasconcelos Sobrinho
Mais de 9 mil animais acolhidos em 2017
Cprh resgatou 13.406 animais em 2018
PE: Mil animais repatriados em 2019
Não deixe a Mata Atlântica acabar
Pulmão protegido no Grande Recife
Aves brasileiras são alvo de tráfico
Cadê a punição dos “tubarões” que também devastam a mata do Frio?
Plásticos viram vilões de tartarugas
Praia dos Carneiros ganha aliados contra turismo predatório
Prótese em 3D salva jabuti

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação / Cprh 

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.