O Pau-Brasil que virou “Pau-Pitú”

Que o Pau–Brasil é árvore nacional,  assim declarada em decreto (Lei 6.607 de 7/12/1978), todo mundo sabe. Os livros de história nos mostram, também, que a espécie foi praticamente dizimada pela ganância dos nossos colonizadores e praticamente extinta no nosso país. E só não o foi, é bom que se lembre, devido ao esforço e à dedicação do professor Roldão de Siqueira Fontes, que na década de 1970 tomou como missão disseminar mudas por todo o país, quando a planta começou a ressurgir em bosques, jardins, praças e ruas do Recife e de outras cidades brasileiras.

Só ao lado da minha casa, hoje, são três da espécie, todas adultas. Na época de floração,  nem é preciso olhar para o alto para saber que as árvores estão cheios de flores amarelas. Porque logo cedo, o perfume é tão intenso, que dá para saber, até de olhos fechados, que a planta está florida, quando vira festa para pássaros, abelhas, até para os saguis que, alegres, pulam de galho em galho. Também sabemos que o pernambucano aprecia muito uma cachaça, a branquinha.

Branquinha é como os boêmios e amantes da bebida costumam chamar a aguardente. E não é novidade que a preferida, ou pelo menos a mais famosa, até idolatrada em Pernambuco é a Pitú. Se você pergunta a alguém no Recife ou no interior qual a marca de cachaça preferida, a resposta é imediata: Pitú. Mas… será que há alguma ligação entre o Pau-Brasil e a Pitu? Não,  seria a resposta mais acertada. Porém, a resposta é sim para moradores do Bairro da Boa Vista, onde um pé de Pau-Brasil virou de “Pau-Pitú”. Pode?

O flagrante foi feito por um amigo, Fernando Batista,  pernambucano que reside em Salvador, e decidiu matar as saudades de amigos e das comidinhas (incluindo o doce sonho), no bairro da Boa Vista. Bem pertinho do Imip, deparou-se com a “homenagem” à Pitú.  O registro foi feito no início de janeiro. Vai ver que o “Pau-Pitú” foi a árvore de natal dos pinguços das redondezas. Fernando, que é ligado em baobá e costuma ver a árvore com ojás,  assim como estudar seu lado sagrado, achou estranho o Pau-Brasil  virar um “altar” dedicado à cachaça. No caso, a Pitú, no mercado desde 1938, e tida como a maior exportadora da branquinha no Brasil. Haja imaginação da turma do copo….

Leia também:
Sábado tem cachaça na praça
À sombra e à luz do baobá
Olha! Recife tem circuito do Baobá
Trio “expert” em baobá, a árvore da vida
Desabrochar musical da flor do baobá
O semeador de baobás
Circuito dos baobás no Bobociclismo

Ufpe terá trilha ecológica pela maior concentração de baobás do Brasil
Ebomi Cici fala sobre orixás e convivência com Pierre Verger
A sabedoria ancestral da griô Vovó Cici

Dia do maior colosso vegetal do mundo
Viva a árvore mágica no Dia do Baobá
Baobá é sagrado e generoso
No caminho dos baobás
Aprenda o bê-a-bá do Baobá
Baobás do Recife sacralizados na Bahia
Proeza: duas dissertações simultâneas
Baobá, o jardim das árvores decepadas
População não quer árvores decepadas no Jardim do Baobá
Jardim do Baobá em festa
Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os barrados no Jardim do Baobá
No caminho dos baobás
Jardim do Baobá ganha reforma
Jardim do Baobá está detonado 
Jardim do Baobá ganha ampliação
Bem viver discutido no Jardim do Baobá
Jardim do Baobá vira espaço de confraternização
O Recife ganha mais um baobá
Poço da Panela: protesto com plantio

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Fernando Batista / Cortesia

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.