Ex-rios, canais viram esgotos e lixões

Certa vez, um conhecido professor da Universidade Federal de Pernambuco esteve na Prefeitura, quando na antessala do gabinete de um secretário, disse o nome e anunciou o tema da audiência: os riachos do Recife. “Mas o Recife não tem riacho”, afirmou uma auxiliar do titular procurado da pasta, com o qual o mestre teria um encontro. Ao que o especialista respondeu com justificada dose de ironia. “Sabe aquilo que vocês chamam de canais? Já foram rios ou riachos um dia”. A moça se calou. E é verdade. O pior, é que aqueles que já foram rios ou riachos, hoje chamados de canais, viraram uma mistura de esgoto e lixão. Só em 2019, quase 47 mil toneladas de detritos foram retiradas dos 99 “canais” do Recife.

Canais que, se limpos, poderiam até funcionar como áreas de lazer das populações de bairros próximos, como acontecia no passado.  Já colhi algumas lembranças de como eram esses “riachos”,  hoje “protegidos”  por paredes de concreto. Ao caminhar, certa vez nas proximidades do Canal do Jordão – agora um esgoto a céu aberto – encontrei uma família, que mora às suas margens há mais de 40 anos. O dono da casa me contou que tomava banho no “Rio Jordão”, que tinha águas tão cristalinas, que sua mãe ali ganhava a vida lavando roupas de famílias da Zona Sul. Em Casa Forte, lembro das águas limpas do Canal Parnamirim da minha infância, onde a molecada até banho tomava e os verdureiros  até o usavam para lavar coentros e alfaces que vendiam na vizinhança.

O Canal Parnamirim, em bairro nobre e vizinho ao Plaza Shopping, é um mau exemplo do  descarte irregular de lixo (LL).

Há, também, boas lembranças do Canal de Guarulhos, em Jardim São Paulo. Há três anos, conversando com  Reginaldo de Oliveira Falcão Júnior, dono do Bar Toca do Barão, ele disse com ar saudosista: “O Guarulhos antigamente era um rio, tinha peixe, camarão, a gente tomava banho e, aos domingos, fazia piquenique às suas margens”. Em pleno século 21, aqueles que eram rios e riachos viraram canais, que funcionam como esgotos a céu aberto, como na Idade Média. Para completar, a população os utiliza como lixões (como faz, aliás, com rios como Beberibe e Capibaribe).

E a sujeira e o assoreamento são tão grandes, que a Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb) anuncia que está investindo R$ 7 milhões para limpar os canais em 2020. “As ações evitam que os resíduos sólidos sigam para os rios a exemplo do Capibaribe e do Beberibe”. Os trabalhos já começaram na última segunda-feira.  A julgar pelos números, o descarte irregular nos canais está até aumentando. De janeiro a novembro de 2019, a Emlurb recolheu 46.890 toneladas de resíduos dos 99 canais da cidade. Em 2018, foram 34.607 toneladas de lixo. A autarquia lembra que quem descarta resíduos de forma irregular pode ser multado em flagrante. Denúncias e reclamações devem ser registradas pelo número 156.  Na operação de limpeza, serão mobilizadas 120 pessoas. .Além disso, farão parte das ações: seis escavadeiras hidráulicas, sete retroescavadeiras e cerca de 30 caminhões basculantes. A limpeza é uma forma de evitar transbordamentos durante o período de inverno. O pior é que, no ano seguinte, está tudo do mesmo jeito.

Leia também:
Um Brasil de rios sujos
Riachos podem ser recuperados
Em defesa das águas do Nordeste 

“Riacho” Parnamirim ainda tem jeito
Dejetos infectos no meio do caminho
Mais 19 anos sem saneamento, pode?
Recife, saneamento, atraso e tigreiros
Era um riacho, mas leito espesso parece asfalto
PET vira barreira para reter lixo em canal
Açude de Apipucos: toneladas de lixo
Rio Capibaribe: lixo é rua sem saída
Lixo: Dia de pescaria no Capibaribe
Sábado tem “Há Gosto pelo Capibaribe”
Vamos limpar o Capibaribe?
“Quanto mais tira, mais lixo aparece”
Não jogue eletrônicos no Capibaribe
Quem vai salvar o rio?
“Vaquinha” para limpar o Capibaribe
Capibaribe: “lixo é rua sem saída”
Rio Capibaribe no foco do Dia da Água
Rio Capibaribe ganha ação de limpeza
Rio tem limpeza no Cais da Aurora
Selos para “Amigas do Capibaribe”
“Amigas do Capibaribe” ganharão selo
Resíduos deixados no manguezal são como garrote na veia
Capibaribe sem apoio  em 25 municípios
Salvem nossos rios, no Recife e no interior
Rio com lixo para turista ver
Viva o mangue, berçário da vida
Águas do Capibaribe: educar é preciso
Capibaribe pode ganhar 100 mil árvores
O recifense se afastou do Capibaribe
Parque Capibaribe avança

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Andréa Rego Barros / Divulgação / PCR e Letícia Lins

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.