Os verdes gramados de Salvador

Quando chega o inverno, as praças e parques do Recife, beneficiadas pelas chuvas, ostentam até um pouco de verde em seus gramados. Isto é, onde a vegetação de solo não morreu de vez, porque a cada ano ela se torna mais escassa.  No verão, a situação de nossas praças fica um clamor, à míngua mesmo. E não precisa ir muito longe não. Basta passar pelas do centro – Praça da Independência, Praça Dezessete (em Santo Antônio) e Maciel Pinheiro (na Boa Vista), por exemplo –  para observar o estado precário dos seus gramados. Os canteiros estão há muito tempo no barro puro.

Isso ocorre no Recife. Mas em outras capitais como Salvador, onde estive em dezembro passado, o que mais me surpreendeu foi que, apesar do excesso de calor, as praças, jardins e parques como demais áreas públicas, permaneciam verdes, como vocês podem observar na foto acima, no Morro do Cristo, na praia da Barra. Vejam o gramado ao lado, em pleno verão, sob a tirolesa, no mesmo local.

No centro, nas áreas mais populares de Salvador, também não vi a grama seca que se observa no Recife, onde em outras gestões, a situação dos gramados não era tão calamitosa. Essa foto aí do lado (D) é no Campo da Pólvora, onde fica o Fórum Ruy Barbosa, em Salvador. Comparem a situação do gramado com a da Praça da República (ver link abaixo), que fica entre o Palácio do Campo das Princesas e o Tribunal de Justiça, no Recife. Amigos meus residentes em Salvador relatam que a situação, no atual verão, permanece a mesma.

E viva os bons gestores, que cuidam de praças das cidades que gerenciam como se fossem os jardins de suas casas. Infelizmente, este não é o caso do Recife, onde as áreas públicas ostentam árvores degoladas em excesso, lixo, flores zero (a não quer no Parque da Jaqueira) e grama seca (ou definitivamente morta, sem chance de renovação). Dêm só uma voltinha no centro e observem, também os canteiros à margem do Rio Capibaribe, tanto na Rua do Sol como na Rua da Aurora. A situação é de tristeza. Uma tristeza seca…

Longe de Salvador, na Ilha de Itaparica – a 39 quilômetros da capital da Bahia – também observei o cuidado com que os jardins são mantidos. Apesar do verão escaldante, da ventania da beira-mar e do excesso de turistas, os gramados de praças e boulevards, verdinhos, nem de longe lembram os gramados ressequidos do Recife, que nunca, mas nunca mesmo, levam água.

Leia também:
Vocês querem Boulevard?
Atentado estético no Boulevard
Praça Tiradentes é exceção da regra
Cadê o gramado da Praça do Arsenal?
Decadência na Praça da Independência
Praça Maciel Pinheiro pede socorro
Praça Dom Vital parece um ninho de rato
Praça Dom Vital em petição de miséria
Praça Dom Vital fica pronta esse mês
O Recife leva banho de Salvador no quesito limpeza
Nova paisagem em São José
Mobilização nas redes sociais contra abandono das praças do Recife
Detonadas as margens do Capibaribe
Recife  árido: emergência climática
O Recife da paisagem mutilada

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins e Fernando Batista (cortesia)

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.