Sinos novos na Basílica do Carmo

Estávamos percorrendo o pátio interno da Basílica do Carmo, em um fim de semana – durante incursão do Grupo Caminhadas Domingueiras pelos bairros de Santo Antônio e São José –  quando fomos brindados com um toque  magistral. Era dos sinos daquele monumento religioso, que levou mais de três décadas para ser construído, entre 1687 e 1720. Mas os sinos não são mais os originais. São novos e estão em ação desde setembro.

Apesar de recentes, os badalos simultâneos de cinco sinos emociona. Me senti como se estivesse em um cidadezinha da Toscana ou perto de algum convento, no interior de Portugal. Coisa de cinema. O toque é realmente muito bonito. O que não sabia era que os equipamentos são novíssimos. Pois os velhos sinos sofriam desgaste provocado pelo tempo.  Tinham  quase 200 anos. A Basílica funciona agora com cinco sinos novos, mas eles não estão ainda quitados. Portanto, quando visitar aquele templo, deixe lá sua colaboração.

Os sinos antigos viraram relíquia e encontram-se em exposição em área coberta, ao lado do templo. “Tínhamos quatro sinos, mas há espaço para cinco. Agora, o número está completo. Os antigos, portugueses, são datados de 1841, passaram por restauração em 2010, mas voltaram a sofrer rachaduras”, lembra Frei Rosenildo Alexandre de Souza, Reitor da Basílica. “O desgaste estava tão acentuado, que os badalos começaram a se esfarelar a cada toque, por conta da ferrugem”, conta o religioso. Por esse motivo, em setembro passado, durante as comemorações da coroação canônica de Nossa Senhora do Carmo (como Rainha de Pernambuco e do Recife), a Basílica ganhou novos sinos.

“Temos um de 550 quilos, um de 210 quilos, um de 155 quilos, outro de 110 e o último de 75”, explica. Os sinos custaram R$ 138 mil. Com despesas de frete e colocação, o valor investido foi de R$ 170 mil.  E falta pouco, para a despesa ser quitada. “Já conseguimos quitar 80 por cento da dívida”, conta o Frei. Todo o dinheiro veio de doações. Portanto, a sua é muito importante. Caso contrário, os fiéis não seriam brindados como nós fomos, no último domingo. Com os cinco sinos tocando, todos de uma vez só. Coisa linda!

Vejam só que coisa linda, os sinos da Basílica do Carmo em ação:

 

Leia também:
Sessão Recife Nostalgia: a coroação da Rainha do Recife
Silenciosa relíquia dos tempos de Nassau
Exposição conta a história da Rainha do Recife
O que há de inédito nessas fotos?
Procissão tem três tios elétricos
Festa religiosa movimenta o Recife
Com Hans, entre o barroco e o rococó
A menor igreja de Olinda?
Rua da Conceição e relíquias religiosas
Uma pérola na comunidade do Pilar
A Igreja sem história
Minha tarde no Olha! Recife (1)
Basílicas, palacetes, Brasília Teimosa
Pedra, mata e paz religiosa

Texto, foto e vídeo: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.