Noronha reforça o “Plástico Zero”

Fernando de Noronha caminha para se transformar na primeira ilha plástico zero do Brasil. Pelo menos, o primeiro passo foi dado em abril passado, com decreto que impõe uma série de restrições ao uso desses materiais naquele santuário ecológico. O segundo com operação do Centro de Engajamento do Projeto Noronha Plástico Zero, que pretende oferecer uma nova experiência de turismo ambiental. O espaço, inaugurado na terça-feira (12), será utilizado para desenvolver atividades de conscientização para turistas e moradores do arquipélago, santuário ecológico localizado a 541 quilômetros do Recife. Criado para fazer de Noronha a primeira ilha plástico zero do Brasil, o projeto Noronha Plástico Zero foi concretizado após a assinatura do decreto que proibiu a entrada de plásticos descartáveis de uso único na região. A iniciativa é um convite não só à reflexão, mas também à ação da sociedade, considerando, principalmente, os quatro dos sete “Rs” da sustentabilidade: repensar, regenerar, reutilizar e ressignificar.

O Espaço foi construído em parceria entre Administração da ilha, Menos 1 lixo, Iônica e Grupo Heineken. E tem o objetivo de gerar reflexões sobre o descarte consciente e a sustentabilidade. Para garantir o engajamento da população, o Noronha Plástico Zero também contempla entre suas iniciativas a formação de agentes de transformação, grupo formado pelos próprios moradores da ilha que ficarão responsáveis pelos cursos e atividades de conscientização dentro e fora do Centro de Engajamento. Representando o regenerar do manifesto do projeto, os agentes farão a comunicação direta com a população, para transmitir e multiplicar os ensinamentos sobre o consumo consciente, apoiando os eventos e atividades que acontecem no espaço, além de mapear as necessidades locais e atender aos interesses da comunidade.

“Os agentes têm como importante papel a humanização do projeto. Sem eles, o elo entre o Centro de Engajamento e a comunidade não seria possível, por isso, acreditamos que a presença deles é o que garantirá que todo o conhecimento produzido e compartilhado seja absorvido pela comunidade e perpetuado dentro e fora da ilha”, comenta Wagner Andrade, diretor de inovação do Menos 1 Lixo, empresa co-realizadora do projeto, durante a inauguração do Centro (ao lado).

Penso que Noronha só tem a ganhar com  a campanha. Afinal, o plástico virou o vilão dos oceanos. Para auxiliar a população a reutilizar e, consequentemente, eliminar o plástico descartável como resíduo no dia a dia, o projeto está entregando aos moradores e turistas da ilha o Kit Noronha Plástico Zero, composto por copo, canudo e bolsa reutilizáveis. Para fechar o ciclo sobre a conscientização em relação ao descarte de resíduos, o projeto contempla também um olhar para o vidro, tendo em vista a importância e o impacto de ressignificar o uso deste material.

“O Noronha Plástico Zero é mais um exemplo que materializa a nossa visão de transformação, que se dá por meio de projetos mais colaborativos e co-criados com diferentes atores da sociedade”, comenta Ornella Vilardo, Gerente sênior de Sustentabilidade do Grupo Heineken no Brasil. “Para nós, demonstrar de forma prática um modelo replicável de educação com ação, que contribui para preservação da ilha, reforça o nosso compromisso de crescer junto com as comunidades nas quais estamos inseridos”, ressalta a executiva.

Para conferir o manifesto completo Noronha Plástico Zero e acompanhar as novidades e andamento do projeto acesse o site www.noronhaplasticozero.com.br, ou siga pelo Instagram www.instagram.com/noronhaplasticozerooficial. A ilha de Fernando de Noronha passou a proibir, desde abril deste ano, a entrada, uso e comercialização de itens descartáveis plásticos, como garrafas de bebidas abaixo de 500ml, canudos, copos, talheres e sacolas de supermercado, além de isopor e demais objetos compostos por materiais como polietilenos, polipropilenos ou similares. Assinado pelo Administrador da ilha, Guilherme Rocha, o decreto deve ser cumprido pelos estabelecimentos comerciais, pelos 3,5 mil moradores e mais de 100 mil visitantes que passam por Noronha todos os anos. Palmas para o Plástico Zero. Afinal, as organizações ambientais estão cansadas de dizer que, a persistir a situação atual, em 2050 os oceanos do mundo terão mais plásticos do que peixes. “Eita” sociedadezinha de consumo predatória…

Leia também:
Mar: mais plásticos do que peixes em 2050
Arca de Noé para corais ameaçados
Plásticos viram vilões das taraturgas
Nestlé que embalagem biodegradável
Ministro manda oceaógrafo trabalhar na caatinga. E o Sertão já virou mar?
Cprh assegura: praias sem risco
Desastre ambiental: viva a ação dos voluntários
Boa Viagem com piche. Que horror
Boa Viagem: #Sechegaragentelimpa
Pernambuco: 70 toneladas de óleo
Boa Viagem ganha exposição de fotos
Plásticos poluem Boa Viagem
Mutirões espontâneos contra o lixo
Há risco de tubarão em mar protegido?
Pernambuco: 70 toneladas de óleo
Óleo recolhido em 24h: 30 toneladas
Óleo: União é “inerte, omissa e ineficaz”

Plásticos viram vilões de tartarugas 
Servidor federal é afastado porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Taxa de Noronha não é roubo, mas recurso para proteger a natureza
Deixem que vivam as baleias
Colete três plásticos na areia
Litoral Sul terá área de proteção marinha
A matança dos guaiamuns ameaçados
Comer lagosta ovada é não ter coração
Disciplina para barcos no Litoral Sul 
Acordo na justiça para algozes do marlim azul

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Hesíodo Goes (Secretaria de Turismo de Pernambuco / Cortesia) e Heineken (divulgação)

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.