Almério “desempena” na Bahia

Fã de carteirinha de Almério, o #OxeRecife recebeu um presente do cantor, no final de semana: um cartão autografado. Tudo por conta de amigos residentes na Bahia, que foram assistir ao show do pernambucano na Caixa Cultural de Salvador, onde ele encerra a temporada na noite desse domingo. Se eu estivesse lá, ia assistir, com certeza. Não canso de ver esse artista, nem que ele cante cem vezes a mesma música. Porque o danado é muito bom.

Uma das gratas surpresas do cenário musical pernambucano desse início de século 21, Almério completa hoje a terceira noite de casa cheia na capital da Bahia, onde apresenta o show Desempena ao Vivo. Desempena é o nome de um dos seus maiores sucessos. Na sexta, ele dividiu o palco com Mariene Castro.  Mariene, vocês lembram, era a Dalva, da novela Velho Chico.

Em um dos shows de Almério no Recife, no Teatro Santa Isabel  (para arrecadar fundos para financiar a turnê pela Europa) chamei meu amigo Fernando Batista para assistir. Ele amou, claro. Porque Almério é um grande artista: tem um vozeirão, sabe selecionar bem o repertório, escolhe os melhores profissionais para acompanhá-lo e, por fim, canta com a alma e com o coração.  Residindo hoje em Salvador, Fernando (ao lado com Almério e a colega Delmira Nunes),  chamou os amigos da Bahia, para assistir Desempena. E todos a-d-o-r-a-r-a-m.

De quebra, ainda arrancaram um autógrafo para o #OxeRecife. Almério, como é do seu feitio, chamou uma artista local para dividir o palco com ele. No caso, a baiana Mariene Castro, a Dalva da novela Velho Chico, da Tv Globo. Fofoqueira, arrebitada e insolente para os padrões impostos pela família patriarcal da telinha, ela trabalhava como doméstica durante o dia, mas de vez em quando cantava  – à noite – nas festas populares do fictício vilarejo do sertão dos coronéis.

Leia também:
“Desempena”, Almério! Você vai longe
Almério e Silvério Pessoa no Marco Zero
Almério é um absurdo
Valencianas: ingressos esgotados
A Doce Menina de Ceceu Valença
Trio segue caminho de pais famosos
Kizomba, Kuduro, Funaná e frevo
Novata, Bia Villa-Chan canta com veteranos
Palestina do Recife: Cadê nosso país?

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Fernando Batista / Cortesia

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.