No inventário das árvores do Recife, é feita a baixa em casos como esse da foto? Duas degolas em uma só calçada.

Parem de matar árvores (204)

O descalabro da matança de árvores no Recife está cada vez maior. Basta dizer que em apenas duas semanas, duas árvores grandes e adultas foram vítimas da motosserra insana, na Avenida Dezessete de Agosto. A distância entre as duas não chega a 20 metros. O  #OxeRecife já tinha acusado a primeira vítima na semana passada, no dia 3 de outubro. A segunda apareceu no final de semana: era uma bela palmeira, que ficava na esquina daquela via com a Rua dos Arcos, no bucólico bairro do Poço da Panela, Zona Norte do Recife. Observem, na foto acima, o que restou. Dá para ver, em segundo plano, o “tamborete” que sobrou da primeira degola.

As duas plantas ornamentavam a calçada do Bar Real.  E os restos mortais não foram removidos para posterior reposição. Como ficam em área pública, a responsabilidade pela manutenção, poda, erradicação e reposição é da Prefeitura.  E se a guilhotina foi feita por particular, o autor da derrubada pode ser multado, como ocorreu no ano passado, com o caso de uma mangueira no Rosarinho, que foi assassinada com injeções de veneno por uma empresa. Tomei conhecimento da segunda degola no final de semana, através de grupos do WhatsApp da Zona Norte do Recife, onde resido. No sábado, vi as postagens em que um caminhão girafa era utilizado, para remover parte da palmeira (foto ao lado). “Sabem porque estão cortando a palmeira, na frente do Bar Real? Tem outra do lado ainda. Daria para salvar?”, comentam os moradores.

“Alguém sabe como fazer? Ibama”, indagava uma aflita residente do Poço da Panela. Outro morador lembra que como as duas árvores estão em via pública, “só a Prefeitura poderia ter retirado a palmeira”. E indaga: “Estavam doentes?”, referindo-se às duas plantas guilhotinadas. Não, não estavam, segundo me informaram frequentadores do pedaço. Ouvi várias pessoas que disseram que elas não  tinham pragas.

E se tivessem, claro, haveria remédios para isso.“Derrubaram duas, estão matando tudo, mas nenhuma tinha cupim”, informou ao #OxeRecife um motorista de táxi que faz ponto na Rua dos Arcos. E que se disse revoltado com a iniciativa.”É uma pena, eram tão bonitas”. A leitora Keroliny Mayara informa que a outra planta (foto acima à direita) que foi degolada na mesma calçada estava sadia. “Essa árvore não tinha problema. Passo por ela todos os dias quando ia à Faculdade”, informa. Moradores do Poço reclamam do “absurdo” e alertam “que estamos desertificando”. O pior é que estamos mesmo. Porque a matança é desbragada. Só faz crescer a cada dia.

Várias pessoas que moram no Poço e em Casa Forte estiveram no local. E informam que os caules das duas vítimas não tinham sinais de cupins. Até o momento não se sabe quem foi o autor da matança. Se o Bar Real (que teria que pedir autorização à Prefeitura) ou a Emlurb (maior responsável pelas “podas” exageradas e degolas em ruas, praças e jardins públicos do Recife).  O que está acontecendo no Recife é que, infelizmente, as árvores não estão tendo dos agentes públicos o cuidado que merecem. E como a fiscalização não é tão grande, todo mundo se sente no direito de fazer a mesma coisa: degola. Ou seja, arborização no Recife virou a Casa da Mãe Joana. Depois… ainda dizem que o Recife vai se transformar em uma cidade parque, uma cidade jardim, em 2030. Do jeito que a coisa vai, é mais fácil virar um deserto, no meio de uma selva de concreto. Com a palavra a Emlurb e a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade  do Recife. A população cobra uma resposta.

Serviço:
Telefones para denunciar corte irregular de árvores em áreas urbanas:
156 ou 0800.720.4444 (não esquecer de anotar o número do protocolo)

Leia também:
Parem de derrubar árvores (202)
Mangueira padece: furadeira e veneno
Maldade contra a árvore e contra o cidadão
Parem de derrubar árvores (102)
Parem de derrubar árvores (200): Degola no Poço da Panela
Parem de derrubar árvores (198)
Parem de derrubar árvores (199)
Charme: calçada para andar e sentar 

Parem de derrubar árvores (53)

Parem de derrubar árvores (164)
Poço da Panela: livro, passado e música
Parem de derrubar árvores (183)

E o pedestre, como é que fica?
Parem de derrubar árvores (134)
Da árvore só restou o pó de serra
Moradores rejeitam lojão no Poço

O Poço da Panela resiste
Poço da Panela: plantio de árvores contra Atacado dos Presentes

História do Jardim Secreto para Crianças
Gentilezas urbanas do outro lado do rio
Primeiro transplante urbano é no Jardim Secreto

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins e Foto do Leitor (guindaste)

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.