Faculdade de Direito ganha livro sobre seu patrimônio e a “gloriosa trajetória”

O  prédio é um dos mais imponentes da cidade. Sua pedra fundamental foi lançada em 1889, sendo concluído em 1911. E o seu  projeto, em estilo eclético (mas com elementos neoclássicos) tem a assinatura do arquiteto francês Gustave Varin. Foi tombado pelo Instituto Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em agosto de 1980.  Mas se não fosse, o edifício da Faculdade de Direito do Recife faria parte, de todo jeito, não só da paisagem mas também da nossa memória histórica e afetiva.

E se a FDR tem uma extasiante fachada, no seu interior há uma surpresa em cada lugar: os seus belos salões, as estruturas em ferro, o mosaico cheio de símbolos, o teto decorado, as colunas monumentais, a mobília secular. Tudo lindo. Todas as vezes que a visito em grupos – como o Caminhadas Domingueiras ou  pelo Projeto Olha! Recife –  não canso de contemplar a beleza dos seus interiores. Também já o fiz, muitas vezes, sozinha. Quando passo pela FDR, se tiver um tempinho, não canso de contemplar essa fascinante relíquia de nossa arquitetura.  E as surpresas são tantas que, desde 2017 o Projeto Memória Acadêmica da FDR  começou a viabilizar visitas guiadas para que os pernambucanos  conheçam melhor a sua história e também seu patrimônio artístico. Todo mundo que foi, saiu com vontade de voltar. Eu, inclusive.

Agora, boa parte das relíquias da FDR  constam de publicação que será lançada às 10h30m da quinta-feira (3/10) na própria FDR.  Elegantia Juris – Patrimônio Cultural e Artístico da Faculdade de Direito do Recife é um catálogo  de 120 páginas com quase 90 fotografias,  que mostram  litogravuras do século 19, obras de arte do início do século 20, esculturas, lustres, carimbos (de bronze e madeira), assim como curiosos objetos como um cachepô em madeira e fibra de palhinha natural. Há destaque, também, para peças de mobiliário como mesa vitrine, armários, cadeiras, sofás, carteiras escolares importadas, tribuna de madeira.  E também móveis muito utilizados naquela época, como os clássicos chapeleiros, as escrivaninhas, as carteiras importadas. Também chamam a atenção os relógios ingleses de parede.

A iniciativa da publicação é da Reitoria da UFPE. No livro, o Reitor da Ufpe, Anísio Brasileiro, lembra que a FDR em pouco tempo completará 200 anos. “Como um primeiro movimento em direção às celebrações do bicentenário, lançamos esse catálogo reunindo uma expressiva amostra das peças que integram seu patrimônio tangível, evidências materiais de sua gloriosa trajetória”, afirma. À primeira vista, pode parecer estranho que com o prédio inaugurado em 1911, a FDR esteja perto de completar 200 anos. Mas é que a sua história começou bem antes. E em caráter pioneiro no Brasil.

É que o curso foi criado em 1827, por força de lei assinada por Dom Pedro I, que instituía os dois primeiros cursos de ciências jurídicas e sociais do Brasil (em Olinda e em São Paulo). Depois, o curso se transfere para uma outra sede, onde hoje é a Rua do Hospício. Mas suas condições eram tão precárias em 1882, que o Imperador Pedro II teria recomendado às autoridades locais que não mostrassem tal “pardieiro” a estrangeiros. Depois, o curso funcionou na Praça Dezessete. até que em 1888, “nos estertores do regime monárquico, o governo imperial encetou medidas mais concretas pra construção da sede própria e definitiva da Faculdade, ao desapropriar a área conhecida à época como  Ilha dos Ratos, onde ela hoje está erigida”,  lembra o professor Humberto João Carneiro Filho, um dos três organizadores do livro (os outros são Rebeca Vasconcelos Matos e Angélica Mello de Seixa Borges).

É uma pena, no entanto, que uma publicação tão interessante vá ficar restrita ao círculo acadêmico e às autoridades, pois  o catálogo não será colocado à venda.  Pelo menos por enquanto. Se fosse, com certeza, não faltaria quem comprasse. As fotos, em altíssima resolução, têm a assinatura de Gustavo Maia e Dudu Schnaider.  Veja alguma delas, na galeria abaixo:

Leia também:
A República e o estilo eclético no Recife
Relíquia achada na Faculdade de Direito 
Os 190 anos da Faculdade de Direito
Visita guiada na Faculdade de Direito
Faculdade de Direito abre para visitantes
Visita guiada à Faculdade de Direito é sábado 
Sugestão para o Olha! Recife
Direito, memória, pau-brasil e violino
Faculdade de Direito abre para visitantes
Visitas guiadas fazem sucesso na FDR
Encenação, violino e rosas na FDR
As guardiãs de 190 anos de memória
Uma radiografia da FDR 
Faculdade de Direito comemora história
Torre da Faculdade de Direito vai ser retirada para não cair
Torre da FDR tomba e aulas são suspensas  
Faculdade de Direito já está sem torre que ameaçava desabar
“A Casa de Tobias merece respeito

Serviço:
O quê: Lançamento de Elegantia Juris – Patrimônio Cultural e Artístico da Faculdade de Direito
Onde: Faculdade de Direito do Recife, Praça Adolfo Cirne, S/N, Boa Vista
Quando: Quinta-feira, dia 3 de outubro
Horário: 10h30m
Evento aberto ao público 

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Gustavo Maia / Divulgação / FDR / Ufpe

Compartilhe

2 comentários

    1. Oi, Hans, a gente chama de galeria quando há mais de 2 fotos que podem ser movimentadas. Coloqui quatro na matéria. Eram as que eu tinha para isso. Uma outra está no título e a vertical no corpo do post.

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.