Alto Sustentável completa cinco anos

Um dos bairros do Recife que tem como principal característica o esforço de transformação implementado por iniciativas da própria comunidade, o Alto José do Pinho entre em clima de festa neste domingo (29). É que o Projeto Alto Sustentável está comemorando cinco anos. E como faz questão de ressaltar seu coordenador, Hamon Dennovan, a data será festejada “do jeito que mais gostamos, com um mutirão junto a nossos voluntários”. Durante os 60 meses do Alto Sustentável , muita coisa já mudou nos morros que formam aquele bairro da Zona Norte. Inclusive a paisagem, já que os antigos pontos descarte irregular de lixo se transformaram em jardins.

“O Alto Sustentável é música, cultura e sustentabilidade a favor das comunidade e dos direitos humanos. O projeto somos todos nós”, lembra.  A Zona Norte tem dado exemplos de cidadania em  vários casos como ocorre, também, com o “oásis” no Alto Santa Isabel,  com o Jardim Secreto (no Poço da Panela) e com a Horta Comunitária (de Casa Amarela). No caso do Alto José do Pinho, a  festa será na Rua Severino Bernardino Pereira.  E inclui não só atrações musicais, como mutirão de educação, sensibilização e conscientização ambiental. Vejam o que vai rolar: varrição das escadarias, grafitagem em paredes e escadaria, educação ambiental no porta a port, confecção de mosaico com reaproveitamento de cerâmicas,desobstrução de canaletas e corte gratuito de cabelo.

Foram convidados para participar da festa, o Coletivo Jovem de Meio Ambiente, Laís Araújo (da Xô Plástico) e Clemente Coelho  Júnior (Bioma Brasil), para participar da roda de conversa.Também terá roda de diálogo, tendo como tema Voluntários e Pressão Social: A Mudança que Queremos começar na comunidade. Mas como ninguém é de ferro, ao lado do saudável mutirão de serviços haverá, também,  o lado musical, que tem início por volta das cinco da tarde. Entrarão  no Palco Sustentável, pela ordem: Marcinha, Bank Z, Melt, MC Lua, PoemaLirisysta,  CZ25, Rastta, MC Lipinho,  Menestrel Cantador, Coco do Mestre Biu, Zaraft e MC Balaka. O desfile de apresentações musicais  só se encerra perto da meia noite. Conheço bem o Alto José do Pinho, o Alto de Cannibal, dos Devotos, de  E viva o Alto Sustentável!

Leia também:
Frevo, rock e hardcore na Assembléia
O exemplo do Morro da Conceição
O oásis do deserto de concreto
Terça Negra tem festival de MCs
Outras Palavras no São Luiz

Poesia oral tem nova cara
Cannibal: Devotos, rock, punk e livro
“Isso não é um assalto, é horta no asfalto”
Uana Mahin: “Sou preta, negra e fera”
A arte que vem do Alto José do Pinho
Cultura e caos suburbano agitam Alto José do Pinho
Festival agita Pina e Brasília Teimosa
Violeiros, cantadores e poetas em feira
Oficinas de xilogravura fazem sucesso
Dedé Monteiro: o “papa” da poesia
Cobogó das Artes começa sábado
Livros e Academia mobilizam escolas
A desconhecida face de Sidney Nicéas
Academia convida Miró para debate
Cultura “geek” chega à Academia

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.