Como entregar seu bichinho silvestre

Dia desses fazia minha caminhada matinal, quando encontrei Edna da Silva Costa, na Praça Faria Neves, em Dois Irmãos, Zona Norte do Recife. Ela tinha ido ao zoológico, para tentar doar dois jabutis que havia recebido de um vizinho que mudou-se para outro estado. E pensava ser aquele o local adequado para se deixar animais silvestres.  Os dois bichinhos estavam comendo no gramado. E ela, ao lado do neto, sem saber o que fazer, pois tinha conhecimento da ilegalidade de se manter animal não doméstico em casa.

Sempre que encontro alguém com um bichinho silvestre na rua pergunto a origem e o destino. Algumas vezes, a pessoa não sabe o que fazer, como foi o caso dela (foto ao lado, comigo).  Eu a orientei, dizendo que o local da entrega seria a Agência Estadual do Meio Ambiente (Cprh) que ele nem sabia que existia. Também não sabia chegar lá. Estava dirigindo e pediu que eu a acompanhasse. Foi o que fiz. Os os dois jabutis encontram-se no Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas Tangara),  de onde retornarão à natureza.

Edna é do interior e estava desorientada quanto ao que fazer com os jabutis (comigo na foto). Por motivos como esse, é da maior importância a campanha de entrega voluntária de animais desencadeada pela própria Cprh, dentro da Semana da Fauna, evento realizado com a participação de quatro outras entidades, sendo uma privada. Só em Serra Talhada – a  418 quilômetros do Recife – nada menos de 48 animais foram alvos desse tipo de iniciativa. Ou seja, entregues pela população. Bom lembrar: ter bicho silvestre em cativeiro é crime, mas se livra de processo e multa quem faz a entrega voluntária.

A campanha, que teve início no Sertão se encerra nessa sexta (27/9).  Passou pela Zona da Mata Norte, e agora chega à Região Metropolitana (Cabo de Santo Agostinho e Olinda). Se você tem animal silvestre em casa, ainda há tempo de entregar. No Cabo, as entregas podem ser feitas na Rua Manuel Queiroz da Silva, 145, Bairro da Torrinha, das 8h às 16h. Em Olinda, no mesmo horário, os animais ainda podem ser recebidos hoje na Praça do Carmo (mais conhecida como Praça da Preguiça.

A Praça da Preguiça fica no Sítio Histórico. Mas em Olinda, há outro lugar para recepção de animais hoje: a Reserva Florestal Urbana Mata do Passarinho (Furb Mata do Passarinho), na Estrada do Passarinho, em frente ao Residencial Bajado. Portanto, se você tem tatu, papagaio (foto à direita), jabuti, cágado, sabiá, arara ou outra espécie silvestre aproveite para dar a ele o destino que merece: a natureza de onde, aliás, eles nunca poderiam ter saído. O final da campanha será assinalado com a soltura de animais na Região Agreste de Pernambuco.

Leia também:
Carinho com timbu, primo do canguru
Animais silvestres voltam à natureza
De bicicleta com a jiboia amiga
Pedreiro salva capivara
Longa viagem para salvar raposas
Quati, cobra, iguana e coruja no asfalto
Quati órfão recolhido e levado à Cprh
Papagaio: novas entregas voluntárias
Temendo gavião, aposentada entrega papagaio de estimação
Pobres pássaros cativos do agreste
Preguiça em alta tensão no Cabo
Pintor ameaçado salvo por Edivânia
Cipoma destrói rinha de canários
Marcos e a saga do anum preto

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos:  Divulgação/ Cprh

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.