Nova paisagem em São José

A remoção de ambulantes do entorno do Mercado de São José, realizada no último domingo, já está concluída. E gerou uma série de comentários nas redes sociais do #OxeRecife. Teve gente que aplaudiu a iniciativa, por ter desocupado uma área histórica, irregularmente invadida. Mas houve, também, aqueles que cobraram informações sobre o destino das pessoas que vivem do comércio informal. Os comerciantes foram acomodados em três novos equipamentos: Centro de Comércio do Cais de Santa Rita, o Anexo do Mercado São José e o Novo Mercado das Flores, todos no mesmo bairro.

“Acho que ação como essa é importante e necessária, na questão da preservação do patrimônio desde o entorno, pois o mercado é tombado”, afirma  Raimundo Santiago, do Grupo Preservar Pernambuco”. Mas acrescenta: “A prefeitura devia ter estudado uma maneira de relocar os comerciantes no local”. Ana Cristina Bezerra também se preocupa com eles: “E os trabalhadores informais, como ficam?”.  Érica Porciúncula também externa a mesma preocupação: “Os familiares dependem do trabalho nessas barracas”. Calma gente. Boa parte já tem lugar para trabalhar.

Comerciantes que atuavam na rua já se encontram nos novos locais de trabalho, segundo informa a Semoc.

Perguntei à Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano (Semoc) sobre a quantidade de comerciantes removidos e quantos foram acomodados. Mas a informação que recebi foi que “foram construídos três equipamentos com capacidade para beneficiar 550 trabalhadores da área”. Diz ainda a Semoc, que “os novos espaços contam com banheiros e coberta, dando mais estrutura também para os clientes”. Para a leitora Ingrid Luck, o centro pode muito bem comportar barracas, mas não como aquelas que existiam em redor do Mercado de São José. “Inúmeras podem funcionar, desde que sejam padronizadas e ordenadas e que seus donos sejam capacitados”.

E acrescenta Ingrid: “Com o desemprego alto, a Prefeitura deveria pensar na vida dos empreendedores e suas famílias e não derrubar as barracas”. Bom, lugar para trabalhar foi disponibilizado, pelo que se observa.  Realmente, do jeito que estava – desordem geral, sujeira, calçadas totalmente ocupadas – não poderia ficar. No #OxeRecife, critiquei, muitas vezes, a situação em que se encontrava o Mercado São José e todo o seu entorno. Agora, cabe à Prefeitura, zelar por todo aquele pedaço de um dos bairros mais tradicionais do Recife, cuja degradação havia chegado no limite do suportável. Com a desocupação, dá para perceber o quanto estavam detonados calçadas e asfalto. Esperamos  a requalificação do passeio público, pois as chagas do excesso de ocupação estão expostas no asfalto e nas calçadas. Também sonhamos com a praça Dom Vital linda, florida e arborizada. Vai ser preciso fiscalização permanente, como ocorreu em Casa Amarela onde, pelo menos até o momento, não tivemos o retorno do  excesso de ambulantes. Vamos aguardar.

Leia também:
Bonde virou peça de museu e trilhos somem do Recife sem memória
Rua da Palma: “quiosque” ou barraco?
Você está feliz com o Recife?
Recife leva banho de Salvador no quesito limpeza 
São José e Santo Antônio ganham livro
O ferro na arquitetura do Recife 
Descarte correto de lixo tem manual
Praça Dom Vital em petição de miséria
Praça Dom Vital parece ninho de rato
Bairro de São José: o Haiti não é aqui
Cinema Glória: Art Nouveau e decadência 
O belo e detonado bairro de São José
Confusas, placas são recuperadas

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Carlos Augusto / Divulgação / PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.