Gonzaga Leal e Isadora Melo: “Insones Intempestivos” no Café Liberal

Durante um longo tempo o pernambucano Gonzaga Leal dividiu-se entre o palco e o consultório. Até que  o palco falou mais alto e hoje dedica sua vida a cantar.  No caso dele, no entanto, ciência e arte sempre andaram juntos. É que como terapeuta ocupacional – nos hospitais psiquiátricos onde trabalhou – costumava utilizar a arte como ferramenta poderosa para amenizar os efeitos da loucura  dos internos.   Agora, ele é só cantor,  vocação que descobriu ainda na infância, quando começou a exercitar a voz entre os cantos gregorianos no colégio de padres onde estudava como interno, na cidade de Triunfo, no Sertão de Pernambuco.

“Quando cheguei no Recife, me dividia para dar continuidade aos meus estudos, muito jovenzinho”, lembra. Começou a cantar em programas da TV Jornal do Commercio, na capital, ao mesmo tempo que se dedicava aos livros. “Não esqueci a faculdade, caí de paixão pelo estudo do psiquismo e o desamparo daqueles vitimados pela loucura”, conta. “Foram longos percursos que eu fazia, um paralelo com o outro”, recorda. E reforça: “Mas cada vez, a música, exigente como ela é, me cobrava mais presença”. Foi então que em 1993, ele teve que fazer uma escolha “difícil em todos os sentidos”. E ficou com a “opção definitiva pela música”, dedicando-se com afinco à carreira de cantor.

Aliás, uma longa carreira que completa três décadas em 2020, feito que pretende comemorar à altura, com o lançamento do seu décimo terceiro CD, Continentes e Ventanias. Enquanto 2020 não chega, Gonzaga Leal prepara-se para lançar em setembro de 2019 o CD Olhando o Céu Vi uma Estrela, em parceria com Áurea Martins (vir vídeo abaixo). O CD foi concebido em razão do centenário de Dalva Oliveira e resulta em vários shows  já realizados pela dupla. Olhando o Céu Vi uma Estrela já está agendado para o início do próximo ano, aqui no Recife, durante o Festival Janeiro de Grandes Espetáculos. Em abril passado, Gonzaga Leal esteve em Curitiba, onde estreou o lindíssimo show Concerto de Assobios (foto acima), que será apresentado  ainda em 2019, no Teatro Santa Isabel. A data já está marcada: 17 de novembro. Anote aí em sua agenda.

Vá preparando o espírito,  para o que vem por aí desse artista que o que mais ama fazer na vida é cantar. E cantar com alma, com o coração. E para quem cantar “é uma vivência de encantamentos”. Antes daqueles dois grandes shows, no entanto, ele sobe ao palco, na quinta-feira (29/8), para uma apresentação mais intimista, ao lado de Isadora Melo, com o show Insones e Intempestivos. E que, segundo ele, funciona como uma “refeição caótica, onde podemos saborear canções que adoramos há muito”. O repertório da apresentação inclui diferentes culturas, épocas e gêneros musicais.  Entre as selecionadas estão: Esse Cara (Caetano Veloso), O Ébrio (Vicente Celestino), Solidão (Alceu Valença), Maldição (Amália Rodrigues), Esotérico (Gilberto Gil) e Humilde (Chico Buarque). Veja informações no Serviço.

Confira, no vídeo,  Gonzaga Leal em um outro momento, quando divide palco com Áurea Martins:

Leia também:
Dupla divina: Marisa Monte e Paulinho
Aglaia Costa: passeio de rabeca entre o popular e o erudito
Nando Cordel: forró e música espiritual
Imperdível: Viva Caymmi no Recife
“Frevo e forró são como feijão e arroz, não vivo sem os dois”
Duelo de rabecas no arraial
A epifania dos pífanos
Arthur Philipe trocou a carreira camerística pela música popular
Música portuguesa com certeza
Piano, treminhão e Beto Ortiz
Repertório Junino no Música no Palácio

Serviço:
O quê:  Show Insones e Intempestivos
Com quem: Gonzaga Leal e Isadora Melo
Quando: Quinta, 29 de agosto
Onde: Café Liberal, Rua Marquês de Olinda, 174, Bairro do Recife
Horário: 21h
Preço: R$ 20
Reservas antecipadas:34246515

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.