Cinema Ambiental movimenta o Recife

Nesses tempos de Amazônia em risco, desrespeito às populações indígenas e em que presenciamos um  Ricardo Salles como Ministro que parece ser mais da Morte Ambiente do que do Meio Ambiente,  devemos comemorar todas as iniciativas que tenham por objetivo estimular a reflexão sobre o nosso e o destino da natureza. E a Mostra de Cinema Ambiental do Recife (Maré) é uma delas. O evento vai de 25 a 31 de agosto, com sessões gratuitas em vários equipamentos públicos e particulares.

Entre os públicos que abrigam a Maré estão o Jardim Botânico do Recife, o Econúcleo Jaqueira e a Escola Municipal José da Costa Pinto.  Também ocorrerão sessões no Cais do Imperador e o Cinema São Luiz. Ao longo da semana serão exibidos nada menos de 30 filmes, entre curtas e longas, baseados em três eixos temáticos: Ecossistemas & Biodiversidade, Cidades & Conflitos e Povos & Territórios. Ou seja, tudo totalmente, mas totalmente oportuno. O produtor cultural Rafael Buda, coordenador da mostra, conta que o projeto integra filmes pernambucanos e nacionais. E alerta para um debate sobre as novas tecnologias que podem contribuir para a questão ambiental no município. A websérie Cidade Plástica, que aborda o  consumo consciente do uso plástico, integra a lista de lançamentos nesta edição.

O Jardim Botânico do Recife sedia a abertura da mostra de cinema ambiental no domingo (25), a partir das 11h, com sessão infantil dos curtas Fazenda Rosa (PE), Plantae (RJ), O Malabarista (GO), Viagem na chuva (GO) no auditório. Às 14h, os visitantes participam de Sessão Ambiental com temática Povos & Territórios, Maré (BA), Fantasia de índio (PE), A era de Lareokotô (PE). Na segunda-feira (26), o Cinema São Luiz recebe o lançamento nacional do documentário Chão, dirigido pela carioca Camila Freitas, sobre o cotidiano de um assentamento do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra em Goiás, às 20h.

O Econúcleo Jaqueira é um dos locais públicos que sediará os eventos da Maré, com filmes sobre questão ambiental.

Na terça-feira (27), os estudantes da Escola Municipal José da Costa Porto, localizada na Ilha Joana Bezerra, recebem uma tela inflável para a Sessão Escola, a partir das 15h. As sessões dos dias 28 e 29 prometem surpreender o espectador. Mais de 100 adesivos de QR Codes serão espalhados em parques, bares e restaurantes, livrarias, universidades, paradas de ônibus, metrôs, academias, livrarias, possibilitando a exibição de curtas de até 5 minutos através de dispositivos mobile, como celular e tablet. Na sexta-feira (30) será a vez do Econúcleo Jaqueira sediar a Sessão Parque, a partir das 19h, com exibição de cinco curtas ambientais, entre eles, Travessia, que retrata a história de Seu Mita e a relação com o rio Capibaribe. O encerramento da MARÉ, no dia 31, vai ocupar o Cais do Imperador, a partir das 18h30, com Sessão Ambiental baseada no tema Ecossistemas & Biodiversidade, seguido por caminhada com a EletroBike, projeto do VJ e DJ Mozart que conta com uma bike adaptada com som e projeção, em direção ao Marco Zero, com  projeções de intervenções ambientais e música.

A expectativa desta edição é reunir mais de 3 mil pessoas durante os 7 dias de exibição, sendo cerca de 1 mil pessoas engajadas através dos QR Codes espalhados pela cidade. No Jardim Botânico, os filmes serão exibidos no auditório com capacidade para 50 pessoas, enquanto o Econúcleo Jaqueira dispõe de toda a estrutura sustentável para acomodar cerca de 50 visitantes. Para a Escola Municipal José da Costa Porto, o coordenador da mostra Rafael Buda levará uma tela inflável e, no Cais do Imperador, a sessão será ao ar livre, com capacidade para cerca de 100 pessoas, quando serão disponibilizadas cadeiras e as escadas servirão de  arquibancada para quem for curtir os filmes. Para assistir as sessões gratuitas, voltadas para público de todas as idades, basta se dirigir ao local com antecedência (sujeito a lotação). A Maré tem apoio da Prefeitura, através da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Smas).

Leia também:
Parem de derrubar árvores  (190)
Mar: mais plástico do que peixe em 2050
Esso decide plantar 20 mil árvores para proteger mico-leão-dourado
Brumadinho: 125 hectares de florestas e vidas humanas destruídas
Visite o Legado das Águas nas férias
Nestlé quer embalagem biodegradável 
Coca-Cola planta 600 mil árvores 
Praia dos Carneiros ganha aliado contra o turismo predatório
Catadores tiram 5 milhões de latinhas deixadas pela folia em Olinda
Brasil tem camisa carbono zero
Festival de Aves no Sul da Bahia
Borboleta rara no Legado das Águas
A inédita visita do sabiá ferreiro

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação / Maré / Smas

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.