Movimento Marsenal faz leilão para filme em apoio à Marcha das Margaridas

Nesses tempos de ameaças cada dia maiores aos direitos de pequenos produtores do campo, o Movimento Marsenal agita a noite da quinta-feira  (8/8) não só com a presença das habituais performances do chamado teatro de resistência, mas sobretudo com um leilão com obras de dez artistas plásticas, cuja renda será revertida para filmagem da Marcha das Margaridas, que acontece entre os dias 13 de 14 de agosto, em Brasília, reunindo agricultoras de todo o país.  A caravana de Pernambuco embarca no próximo domingo (11).

Os encontros do Marsenal começam  sempre a partir das 19h.  O leilão será comandado pelas palhaças Muskita e Faustina, e ocorre no mesmo local que costuma ser ocupado pelo Movimento, todas as quintas-feiras: o Bar Mamulengo, que fica na Rua da Guia (de frente para a Praça do Arsenal), no Bairro do Recife. O evento resulta de parceria entre o Movimento Marsenal e o  Mape (Movimento Mulheres no Audiovisual de Pernambuco), para a realização da “noite de militância, arte e resistência”, em homenagem às mulheres camponesas que vão às ruas, exigir os seus direitos e protestar contra a violência no campo.

“Este ano, diante dos retrocessos que vivemos, sabemos que a Marcha será ainda mais importante, e o Mape decide se juntar às mulheres em marcha, para a realização de um filme”, informam os organizadores do evento de hoje à noite. Ao final, haverá uma apresentação do solo #MedusaMusaMulher, com a atriz Fabiana Pirro, que integra o coletivo Violetas da Aurora.

“Uma noite de arte e militância, porque os tempos são urgentes”, avisam. Cerca de 70 mil agricultoras são esperadas em Brasília, na chamada Marcha das Margaridas, que ocorre desde 2000. A primeira Marcha das Margaridas  ocorreu em 2000, como  protesto contra a violência do campo e para lembrar a líder sindical Margarida Alves, assassinada em 1983 na Paraíba. Segundo os movimentos do campo, a agricultora foi assassinada pelo “latifúndio”.

Leia também:
Violetas da Aurora em mesa de glosas
As palhaçadas das “Violetas da Aurora”
Bernarda Soledade no Cais do Sertão
Projeto Fábrica discute a violência no Teatro Apolo com #Urbana
Bonecos fazem a festa em Casa Forte
Virada Cultural pelo Teatro do Parque
Educativo, Teatro Móvel chega ao Recife
Teatro de graça em Camaragibe
Fotógrafos documentam mamulengos
Que tal lutar pelo teatro e também pelo Hotel do Parque?
Coletivo Bárbara Idade: teatro gratuito
Teatro de resistência no Bar Mamulengo

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.