Sessão Recife Nostalgia: quando a Praça do Derby era um hipódromo no Recife

Como estamos vivendo a Semana Burle Marx vamos lembrar de algumas das praças que têm a assinatura do famoso paisagista? Hoje vamos falar da Praça do Derby, onde estivemos no último domingo, durante mais uma edição de nossas Caminhadas Domingueiras Olhe pelo Recife. A Praça do Derby é tombada e foi depois considerada jardim histórico, por ter a assinatura do grande paisagista brasileiro, que viveu no Recife na década de 30 do século passado, quando dirigiu  o setor de parques e jardins da Diretoria de Arquitetura e Urbanismo do Governo de  Pernambuco, então comandada pelo Luís Nunes, outra referência da arquitetura moderna no Recife.

A Praça do Derby tem 29.900 metros quadrados. Ela havia passado por intervenção em 1925, mas em 1936 sofre reforma comandada por Burle Marx, que conserva estruturas em estilo clássico – como o orquidário e o coreto –  mas redesenha o traçado original e introduz espécies nativas da flora brasileira, como o ipê amarelo, o oiti-de-praia e diversas palmáceas (palmeira-sagu, palmeira-areca, jerivá, babaçu).  Na verdade, a Praça do Derby está em uma  área onde em 1888 havia sido implantado um hipódromo, que funcionou até o final do século 19, quando o industrial Delmiro Gouveia compra o terreno e constrói um complexo que incluía o Mercado Modelo Coelho Cintra (1889),  a Pensão  Derby e posteriormente o Grande Hotel Internacional.

Ilha dos Amores, no Derby,  cuja praça foi reformada por Burle Marx : jardim histórico precisa de mais  cuidado

A área verde  implantada pelo empresário (um dos mais arrojados de sua época) funcionava como espaço de lazer para seus clientes e hóspedes. Segundo o arquiteto e urbanista Francisco Cunha, coordenador das Caminhadas Domingueiras, o mercado construído por Delmiro Gouveia é considerado “o primeiro shopping center do Brasil”. Os empreendimentos terminaram atraindo as famílias aristocráticas do Recife, que ali construíram seus palacetes, depois substituídos, em grande parte por edifícios. Em 1900, o mercado pegou fogo e ficou longo tempo abandonado. No seu local, hoje, está o Quartel Geral da Polícia Militar. Posteriormente a área que pertencia a Delmiro Gouveia foi comprada pela Prefeitura do Recife.

E o terreno que antes servia como oferta de lazer de empreendimentos privados comandados por Delmiro, virou área pública: a Praça do Derby, que possui dois lagos – incluindo o da chamada Ilha dos Amores – bancos em concreto e em estilo veneziano, pérgula, coreto e obras de arte como as Quatro Divindades e jarros em ferro. Infelizmente palmeiras que compunham a paisagem foram eliminadas durante obras de urbanização e construção de paradas de ônibus. As plantas eliminadas implantadas por Burle Marx não tiveram reposição.  Com o tombamento da Praça do Derby e sua transformação em jardim histórico, o poder público fica obrigado a mantê-la e preservá-la. O que não tem impedido, no entanto, a sempre nefasta ação de vândalos. Seus jardins também precisam de maior cuidado.

Leia também:
Olha! Recife: Derby no domingo
Derby: eclético, arte déco, modernismo
Caminhada abre Semana Burle Marx
Burle Marx na caminhada de domingo
Olha! Recife visita jardins históricos
No rastro das Caminhadas Domingueiras
Detonados, jardins históricos têm apoio 
Aplicativo sobre jardins históricos

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.