Cultura inclusiva em curso gratuito

Tudo que é inclusivo, é bom, não é não? Vejam que coisa interessante: estão abertas as inscrições para o curso Exposições Acessíveis para Pessoas com Deficiência. Por que isso? É só responder à pergunta com outra indagação: quantas pessoas com deficiência você viu na última sessão de cinema, de teatro ou exposição de arte que você foi? Esses produtos, no entanto, precisam ser acessíveis para quem não vê, não ouve, não anda. O curso, inteiramente gratuito, ocorrerá em quatro cidades: Recife (Região Metropolitana), Nazaré da Mata (Zona da Mata), Caruaru (Agreste) e Triunfo (Sertão). São 80 vagas oferecidas. E a intenção é que os alunos se tornem capazes para pensar exposições acessíveis desde a fase de idealização do projeto.

A iniciativa do curso é da Arkhé, e conta com incentivo do Funcultura.  O curso destina-se a pessoas que já trabalham com artes visuais (como curadores, gestores de instituições culturais, museólogos, produtores culturais, arte-educadores e técnicos das áreas de expografia, etc).  Profissionais da área que possuam algum tipo de deficiência também podem se inscrever. Em cada cidade, serão disponibilizadas 20 vagas. As inscrições para todos os polos serão realizadas de 1 a 31 de agosto pelo site www.arkhecultural.com.br. O  conteúdo inclui desde a legislação de referência na área, os processos de inclusão social nos museus e instituições culturais, os diversos tipos de acessibilidade, os dispositivos utilizados, como aplicativos, legendas, maquetes táteis, até a mediação sociocultural das pessoas com deficiência.  A carga horária é de 40 horas.

As aulas serão ministradas por três formadores:  Everson Melquíades, pedagogo, Doutor em Educação e professor da Universidade Federal de Pernambuco (foto acima); Fernanda Araújo, psicóloga, Doutora em Educação pela UFPE (ao lado), com pesquisas na área de Educação Inclusiva; e Artur Mendonça, professor do Instituto de Cegos do Recife, especialista em acessibilidade e inclusão de pessoas com deficiência.

De acordo com a legislação, a acessibilidade precisa ser irrestrita. Isso quer dizer que a visita acessível a uma exposição não pode ser condicionada a dias ou horários específicos.  “Se você vai a uma peça de teatro, por exemplo, o ideal é que todas as sessões sejam acessíveis”, explica Artur Mendonça (à direita). Para o professor, na área de artes visuais, um dos exemplos positivos recentes é a Fenearte, realizada no último mês de julho. Ele diz ser preciso desmistificar “supostas dificuldades”, incluindo as financeiras, na questão da acessibilidade.

“O preço da exclusão é muito maior. A tecnologia facilitou bastante a vida das pessoas com deficiência, hoje temos muitos recursos disponíveis, mas é preciso que o produtor cultural esteja disposto a pensar nisso desde a concepção do projeto da exposição”, defende.  E lembrem-se: O Estatuto da Pessoa com Deficiência), é assertivo: “A pessoa com deficiência tem direito à cultura, ao esporte, ao turismo e ao lazer em igualdade de oportunidades com as demais pessoas”, sendo-lhe garantido o acesso “a bens culturais em formato acessível; a programas de televisão, cinema, teatro e outras atividades culturais e desportivas em formato acessível; e a monumentos e locais de importância cultural e a espaços que ofereçam serviços ou eventos culturais e esportivos.” Outras informações sobre o curso estão disponíveis no site www.arkhecultural.com.br. Contatos e informações: 998747375/9954-2679.

Leia também:
Com o coração se faz uma canção
Caminhada para cadeirantes fez sucesso
A luta por inclusão e acessibilidade
Renata Tarub: dança e inclusão social
Jovens da Apae mostram seus talentos
O “ser humano encantado do frevo”
O frevo inclusivo de Werison
Esplendor e cinema para cegos
Festa inclusiva no Parque da Jaqueira
Com respeito construímos a igualdade
Bruno, exemplo a ser seguido
Bruno, exemplo para todos
Encontro na estrada: passeio inclusivo

Serviço:
Curso – Exposições Acessíveis para Pessoas com Deficiência
Inscrições: De 1 a 31 de agosto, pelo site www.arkhecultural.com.br
Quanto: Gratuito

Programação de aulas:
Triunfo – de 16 a 20 de setembro, na Fábrica de Criação Popular, no Sesc Triunfo
Recife – Sempre às segundas-feiras, de 23 de setembro a 21 de outubro, na Fundação Joaquim Nabuco, em Apipucos
Nazaré da Mata – Sempre às segundas-feiras, de 14 de outubro a 11 de novembro, na Universidade de Pernambuco
Caruaru – Sempre às segundas-feiras, de 4 de novembro a 2 de dezembro, no Museu do Barro

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.