A vez das frentes de trabalho urbanas

Muito comuns para amenizar a fome do sertanejo durante as secas do século passado, as frentes de trabalho ganham sua versão urbana no Recife. É que o Prefeito Geraldo Júlio (PSB), anunciou hoje a implantação de projeto nesse sentido, que deverá disponibilizar 2.700 postos de trabalho nas 311 escolas da rede municipal e em cem unidades de saúde espalhadas na cidade. O lançamento ocorreu nessa segunda-feira, na Escola Municipal Antônio Farias Filho, que fica no bairro de San Martin, Zona Oeste da capital.

As Frentes de Trabalho Miguel Arraes são um braço do Programa Chegando Junto, que ouve as necessidades da população, para criar estratégias comuns de enfrentar os problemas, e que consistem em iniciativas como a instalação de restaurantes populares e abrigos para moradores de rua. “Só sabe a necessidade de uma diária de trabalho, quem está desempregado há muito tempo. O Programa Chegando Junto é pra quem tem coragem de enfrentar os problemas da vida real”, disse o Prefeito..

Os inscritos trabalharão com capinação, organização e limpeza.” São pequenos serviços que as diretoras das escolas e das unidades de saúde precisam que sejam feitos”, explicou o prefeito. O cadastro das pessoas interessadas já começou a ser feito hoje mesmo. Cada inscrito receberá R$ 50 de diária, e a prioridade é para mães, pais e responsáveis por alunos matriculados na rede municipal. Todos precisam ter residência no Recife.

O trabalho, no entanto, não será diário.  Durante o mês, o alistado poderá receber até seis diárias. Entre os pais ou responsáveis, há  muitas famílias cuja renda não passa de R$ 300 mensais. Essas terão prioridade no cadastramento. Nesse caso, segundo a Prefeitura, a renda dessas famílias pode até dobrar, com a frente de trabalho. A expectativa é que pelo menos 700 pessoas devem estar atuando nas frentes até o final do ano. As primeiras 60 vagas saíram para para moradores dos bairros do Cordeiro, Ilha do Retiro, Iputinga, Madalena, Prado, Torre e Zumbi. O sistema só inscreverá pessoas residentes no Recife. Segundo Geraldo Júlio, a iniciativa surge como uma forma de enfrentar o desemprego, muito alta no Recife.

Leia também:
Arte urbana e economia criativa no R.U.A
Feira do Prodarte vai para o Bom Jesus
Prestigie ações do Recife na Fenearte
Mais Vida nos Morros no Vasco
Onu de olho no Mais Vida nos Morros
Qual vale mais, a vida ou o poste?

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Andréa Rego Barros/ Divulgação / PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.