FPI: A despedida da vida no lixão

Famílias encontradas em condições degradantes em um lixão no município sertanejo de Floresta começam, pouco a pouco, a ganhar vida mais digna, um dos primeiros resultados da Fiscalização Preventiva Integrada da Bacia do São Francisco em Pernambuco. A FPI/PE percorreu cinco municípios pernambucanos, em busca de preservação do meio ambiente e melhores condições de vida para as populações daquela região. Ao chegar a Floresta –  a 439 quilômetros do Recife – a Operação defrontou-se com 50 pessoas residindo em barracos, sem água nem luz elétrica, em meio a detritos despejados indevidamente pela prefeitura do município (lixões a céu aberto são proibidos por lei).

Entre as 50, havia 30 crianças, atacadas por insetos e com os corpos recobertos de feridas. A situação miserável da comunidade do lixão levou o Ministério Público de Pernambuco a fechar um Termo de Ajustamento de Conduta com a Prefeitura, determinando a transferência dos catadores. Onze pessoas já foram transferidas para casas alugadas pelo poder público municipal. E há prazo para que sejam garantidos direitos básicos aos demais, incluindo o de moradia.

“Eu vivia há 18 anos no lixão. Era uma casa de taipa, apenas um cômodo e sem banheiro. Não tinha luz e a água era no balde. Agora eu vou ser feliz. Aqui, tem tudo: água, energia, cama, filtro, prato”, afirma Josimara Maria da Silva (foto acima, à esquerda). Ela está morando com o marido (John Lopes) e os filhos (Ísis, de três anos e Jonatan, de dez) em uma casa de alvenaria, com dois quartos, sala, banheiro e área de serviço.

Fabiana Viana da Silva, 18 (à direita) também se mudou para um endereço formal. Foi com  o filho (Caio, de 2 anos) e o marido (Raí Dantas Barbosa).  Ela saiu do lixão, onde morava há cinco anos, levando apenas algumas sacolas com roupas e pequenos objetos. Eram todos os seus pertences. Após a mudança, teve início a a demolição dos antigos casebres.  Segundo o TAC, a Prefeitura de Floresta pagará o aluguel social para as famílias por um ano.

Além de moradia, as famílias recebem casa repleta de mobília, eletrodomésticos e diversos utensílios. O material foi arrecadado por meio de uma grande campanha realizada pelos integrantes da FPI, que reúne mais de 20 entidades e órgãos públicos. A iniciativa de recolher donativos para os catadores partiu de mobilização  da Polícia Rodoviária Federal (PRF) nas redes sociais. Foram recolhidos R$ 60 mil em doações, que permitiram adquirir fogões, geladeiras, colchões, ventiladores, guarda-roupas, mesas, cadeiras, panelas, filtros, lençóis, toalhas, kits de higiene, cestas básicas e até equipamentos de proteção para os catadores  (veja detalhes da campanha no primeiro link abaixo).

De parabéns o  Ministério Público (federal e estadual) que comanda a FPI, assim como as outras  instituições que participam da Operação. Destaque  especial para a Polícia Rodoviária Federal, que liderou a campanha humanitária em defesa de melhores vidas para população tão desassistida, conseguindo garantir-lhes mobília para a nova moradia. Lamentável apenas a omissão dos grandes veículos de imprensa de Pernambuco, que deveriam ter acompanhado os passos da FPI, para mostrar a dura realidade do Sertão. Em outros tempos, jornais locais e sucursais não deixariam passar quase em branco uma operação dessas proporções.

Leia também:
A “mentira” da fome e a realidade do lixão do Sertão que comoveu o Brasil

Servidor federal punido porque fez a coisa certa no meio ambiente

Sertanejos temem usina nuclear

De olho no Sertão do São Francisco

FPI resgata animais em risco no Sertão 
Em nome do São Francisco e do Sertão
Flora do Sertão sofre ameaça 
Árvores viram carvão no Sertão 
Mais árvores virando carvão
Pássaros ganham liberdade no Sertão 
Velho Chico recebe 40.000 peixinhos
Com tantos venenos liberados no Brasil, cuidado com o que você come
Tilápias podem prejudicar o Velho Chico
Operação gigante mobiliza Sertão
Das rodovias aos pequenos pacientes
Entre as BRs e o câncer das crianças
Teatro para educação no trânsito
Liberdade para os pássaros

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos:  Marcus Antonius / Divulgação / FPI-PE

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.