A “mentira” da fome e a realidade do lixão do Sertão que comoveu o Brasil

Apesar de declarações recentes do Presidente da República, segundo as quais a fome no Brasil é uma “mentira”, a realidade é bem diferente no Sertão de Pernambuco, onde a Fiscalização Preventiva Integrada da Bacia do Rio São Francisco (FPI) encontrou situação de extrema miséria no município de Floresta, localizado a 439 quilômetros do Recife. São crianças e adultos que “não têm o que comer, beber, onde dormir enfim”, segundo relato de Luciana Cristina Lima de Souza, policial rodoviária que participa da FPI, operação comandada pelo Ministério Público e que tem por objetivo  garantir o bem estar das populações dos municípios visitados e a qualidade do meio ambiente. Em 2019, foram selecionados cinco municípios de Pernambuco, todos no Sertão do São Francisco, área de atuação da FPI.

A Polícia Rodoviária Federal é uma das mais de 20 instituições que participam da FPI. E a equipe da PRF ficou tão consternada com o que viu, que decidiu fazer uma campanha para arrecadar doações com a finalidade de melhorar a vida daquela comunidade visitada em Floresta. A princípio restrita aos grupos de WhtasApp da própria PRF, a campanha viralizou e, em apenas três dias, já arrecadou-se mais de R$ 40 mil. Ainda bem que os brasileiros têm bom coração. Só falta agora o Presidente dizer que devia ter sido avisado da fome antes da divulgação, como vem fazendo na questão do desmatamento da Amazônia. Veja o relato de um drama que, no Brasil, tem autoridade que se nega a reconhecer. E, é claro, se dramas como estes não existem oficialmente, o governo não vai se dar ao trabalho de criar redes de proteção social para quem mais precisa. “Bom dia, inspetores! Estou fazendo parte da missão da PRF no Sertão de Pernambuco. Nesta semana, fizemos um trabalho em algumas comunidades no interior de Floresta e Petrolândia.”, conta a policial.

Em uma das atuações, fomos juntos com o MPF (Ministério Público Federal) em um lixão onde residem 11 famílias, 55 pessoas, sendo que destas, havia aproximadamente 30 crianças em condições de miserabilidade. Foi um choque, nunca havia me deparado com essas cenas. Toda a equipe se emocionou”, conta ela. “Aqui nas cidades por onde passamos, as crianças e mulheres vêm pedir comida. Todos os dias compramos algo para essas pessoas. Infelizmente estão desassistidos”. Pois “não têm o que comer, beber, onde dormir, enfim”. Diante da situação, os integrantes da PRF na FPI convidam colegas de Roraima e Pernambuco “a se juntarem em ato de solidariedade em pró das diversas famílias que se encontram aqui no lixão e em outras comunidades, em situação de extrema pobreza em Pernambuco”. A campanha contaminou muita gente, que fez doações. Terminou por extrapolar os grupos da PRF e viralizou no país. Felizmente os brasileiros têm bom coração. O que me choca, no caso da FPI – operação da maior importância –  é a omissão de grandes veículos de comunicação. Em outros tempos, os jornais enviariam repórteres para cobertura da FPI, dando ao público oportunidade de ver a realidade dos grotões.

O depoimento é assinado por Luciana Cristina Lima de Souza (PE) e Wermeson Mário Pedrosa (RO). Ela é presidente da comissão de direitos humanos da PRF em Pernambuco, que possui sete membros. E recebeu carta verde dos seus superiores em Pernambuco, para botar a campanha na rua (foto ao lado).  Os dois selecionaram alguns depoimentos sobre a miséria que presenciaram: “Moscas em todo lugar o tempo todo”; “Poucas vezes vi uma situação de crianças tão degradante”;  “Eu ainda estou me recuperando do baque, foi a coisa mais impactante que já vi na vida”.  Mas como diz o velho ditado, uma imagem vale por mil palavras. No caso da PRF, foram várias as imagens postadas nos grupos de WhatsApp, que comoveram o Brasil. A campanha de doações ia se encerrar ontem para que elas fossem feitas nessa terça, 23, quando se comemora o Dia Nacional do Policial Rodoviário. Mas diante das doações que têm chegado de todo o país, os policiais resolveram esperar um pouco mais para fazer um trabalho melhor para crianças e adultos do lixão de Floresta.   No Serviço abaixo, veja como fazer sua doação.

Leia também:
Servidor federal punido porque fez a coisa certa no meio ambiente

Sertanejos temem usina nuclear

De olho no Sertão do São Francisco

FPI resgata animais em risco no Sertão 
Em nome do São Francisco e do Sertão
Flora do Sertão sofre ameaça 
Árvores viram carvão no Sertão 
Mais árvores virando carvão
Pássaros ganham liberdade no Sertão 
Velho Chico recebe 40.000 peixinhos
Com tantos venenos liberados no Brasil, cuidado com o que você come
Tilápias podem prejudicar o Velho Chico
Operação gigante mobiliza Sertão
Das rodovias aos pequenos pacientes
Entre as BRs e o câncer das crianças
Teatro para educação no trânsito
Liberdade para os pássaros

SERVIÇO
Depósito ou transferência em apoio aos moradores do lixão de Floresta
Luciana Cristina Lima de Souza
Agência 3699-4 do Banco do Brasil
Conta Corrente 101692-X
CPF 783692904-34
(Lotada em PE, Presidente da Comissão de Direitos Humanos da PRF)

Wermeson Mário Pestana
Agência 3274 do Bradesco
Conta Corrente: 020593-1
(lotado em RO, integrante da Educação para o Trânsito da PRF)

OBS: O #OxeRecife pede a todos que compartilhem esse texto, pois assim as doações poderão chegar em maior quantidade. Embora o MP também esteja tomando as providências legais contra o descalabro (com assinatura de termo de conduta por parte da Prefeitura de Floresta), a intenção da PRF é dar condições, o quanto antes, para que essas famílias possam viver com mais dignidade.

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: FPI – PE/ Polícia Rodoviária Federal/ Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.